Categorias
Liturgia

Cardeal Sarah alerta que a verdadeira implementação do Concílio passa por uma boa Liturgia

Em uma mensagem curta e objetiva o Cardeal Sarah aponta que a implementação profunda e espiritual do Concílio passa necessariamente por uma liturgia bem celebrada. Leia a entrevista completa no final da matéria

Não são raras as vezes em que o prefeito-emérito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Robert Sarah, utiliza a redes sociais para ensinar seus irmãos no sacerdócio.

A mais recente publicação trouxe uma mensagem curta, porém repleta de significados. Um alerta profético para nossos tempos de apostasia doutrinária e confusão litúrgica acerca do Concílio Vaticano II.

Leia a publicação:

Dar à liturgia o seu caráter sagrado, dar lugar ao silêncio, e até celebrar, por vezes, em direção ao oriente, como o Papa Francisco faz na Capela Sistina ou em Lorette, é a implementação profunda e espiritual do Concílio.”

Cardeal Robert Sarah

Leia também
Cardeal Sarah: “A proibição da missa tradicional é inspirada no diabo, que deseja a nossa morte espiritual”

Não é segredo que o Concílio Vaticano II causou um grande impacto na Igreja, especialmente na liturgia. O rito da missa que foi celebrado por séculos, acabou rapidamente substituído pelo novo rito que logo se tornou muito popular. A língua obrigatória não era mais o latim, mas havia a possibilidade do vernáculo. O sacerdote passou a ser o presidente da celebração, e o povo passou a interagir cada vez mais. O padre, a partir de então, não ficava mais na posição “ad orientem”, voltado para o sacrário, que ficava no centro do altar, mas agora fica voltado para o povo e, em muitas igrejas, o sacrário foi retirado do centro dos altares, onde todos podiam adorar Jesus Sacramentado de qualquer ponto da Igreja, e transferido para um quartinho apertado. Além dessa, muitas muitas outras mudanças foram implementadas…

Infelizmente, junto com as novidades surgiram também as adaptações litúrgicas, ou seja, aplicação de ritos e momentos que não estão prescritos no missal, que em geral configuram um grave abuso litúrgico e uma ofensa ao sagrado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Cardeal Sarah: “O diabo ataca fortemente a Eucaristia porque é o coração da vida da Igreja”

Neste tweet, o Cardeal Sarah ressalta que, diferente do que acontece em seitas protestantes, a liturgia não é simplesmente uma reunião de fiéis, mas que vai muito além. Diz que é necessário dar atenção ao seu Caráter Sagrado que por muitas vezes é deixado de lado.

Muitos deixaram de crer na presença real de Jesus na Eucaristia, e participam da missa como uma reunião para discutir ideias e ideologias.

Uma outra fala do cardeal diz:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estou muito chocado, fala-se muito da Igreja, da sua reforma necessária. Mas estamos falando de Deus? Estamos falando da obra da Redenção que Cristo realizou principalmente por meio do mistério pascal?

E continua:

“Em vez de falar sobre nós mesmos, [é importante que] voltemo-nos para Deus! Esta é a mensagem que venho repetindo há anos. Se Deus não está no centro da vida da Igreja, ela corre o risco de morte ”

Por este motivo, também, que as celebrações evoluíram para um tipo de entretenimento, no qual é preciso utilizar todo tipo de recursos para prender a atenção do povo, e em função disso o silêncio foi praticamente abolido. Não conseguimos mais rezar e meditar, pois sempre há algum comentarista, ou instrumento musical tomando o lugar tão importante e necessário que antes pertencia ao Silêncio!

Leia também
Cardeal Sarah: Ainda há espaço para o “SILÊNCIO” na Santa Missa?

O cardeal aproveita também para relembrar a importância de se preservar a tradição de celebrar no modo “ad orientem”, voltado para Jesus no centro do altar, e de costas para o povo. Ele cita, para isso, o exemplo do próprio Papa Francisco que em diversas oportunidades celebra desta forma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em uma outra postagem no mesmo dia ele fala:

“É também por isso que, depois de Bento XVI, insisti: a finalidade da liturgia não é celebrar a comunidade ou o homem, mas Deus. É o que muito bem manifesta a celebração orientada (ad orientem).

Cardeal Sarah celebrando “Ad Orientem” (voltado para o altar)

Leia também
Cardeal Sarah: A missa “virtual” não substitui a participação pessoal na igreja

Logo em seguida ele fez uma publicação na qual ele se alegra com a oportunidade de ler e rezar mais e enxerga nisso a providência de Deus para continuar esta obra por uma liturgia melhor celebrada e que coloque Deus no centro da vida da Igreja:

“Não pretendo parar de trabalhar! E ainda, fico feliz por ter mais tempo para orar e ler. Vou continuar a escrever, a falar, a viajar. Aqui em Roma, continuo a receber sacerdotes e fiéis de todo o mundo.

No dia do anúncio da minha partida, o Papa Bento XVI emérito enviou-me a edição francesa das suas obras sobre a liturgia. Vi nele um convite da Providência a continuar esta obra por uma liturgia que coloque Deus no centro da vida da Igreja.

Não poderíamos deixar de recordar que, em maio do ano passado, ainda como Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, ele fez um importante anúncio aos católicos, para que não aceitem a imposição daqueles que querem impedir o seu acesso aos sacramentos:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Ninguém pode impedir um padre de se confessar e dar a comunhão, ninguém tem o direito de impedi-lo. O sacramento deve ser respeitado. Portanto, mesmo que não seja possível assistir às missas, os fiéis podem pedir para se confessar e receber a comunhão. + RS”

Leia também esta entrevista fantástica do Cardeal Sarah:
A Igreja Católica sofre porque muitos padres perderam o sentido do sagrado


Cardeal Sarah: ‘A única coisa que conta é buscar a Deus cada vez mais profundamente’

Falando com um jornal italiano em seus primeiros comentários desde que o Papa Francisco aceitou sua renúncia, o cardeal africano destaca a importância central da liturgia e desmascara as reivindicações de um rompimento com o Santo Padre.

Em sua primeira entrevista desde que o Papa Francisco aceitou sua renúncia como prefeito da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos no mês passado, o cardeal Robert Sarah revelou como as lutas ideológicas sobre o culto eram uma fonte de “grande sofrimento” para ele.

Em comentários a Matteo Matzuzzi do diário italiano Il Foglio publicado na quarta-feira, o cardeal Sarah diz que na Igreja hoje “muitas vezes agimos como se tudo fosse uma questão de política, poder, influência e a imposição injustificada de uma hermenêutica do Vaticano II que rompe totalmente e está irreversivelmente em desacordo com a Tradição. ” 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A solução, ele argumenta, é que a Igreja volte a colocar Deus no centro da liturgia, começando pela celebração da Missa ad orientem. “Se Deus não está no centro da vida da Igreja, então ela corre o risco de morte”, diz ele, sugerindo que a Igreja “vive atualmente uma Sexta-feira Santa”, mas acrescentando que “a vitória de Cristo sempre vem por meio da Cruz. ”

O cardeal Sarah enfatiza que não é bom ver essas questões como sendo ideológicas. “Não acredito que a luta entre progressistas e conservadores tenha algum significado na Igreja”, disse ele, acrescentando: “Essas categorias são políticas e ideológicas. A Igreja não é um campo de luta política. ”

Ele também discute suas relações positivas com o Papa Francisco e o Papa Emérito Bento XVI, seu tempo como prefeito, seus planos para o futuro e como ele vê a Igreja nos próximos anos. 

Eminência, todos ficaram surpresos com a sua saída da Congregação para o Culto Divino. O que esse momento significa?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como todos os cardeais, de acordo com a norma em vigor, entreguei ao Santo Padre minha carta de demissão como prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos em junho passado, por ocasião do meu 75º aniversário. Naquela época, ele me pediu para continuar meu trabalho a serviço da Igreja universal donec alter provideatur , ou seja, “até que o Santo Padre decida o contrário”. Há algumas semanas, porém, o Papa me informou que havia decidido aceitar este pedido. Eu imediatamente respondi que estava feliz e grato por sua decisão.

Já disse muitas vezes: a obediência ao Papa não é apenas uma necessidade humana, é o meio de obedecer a Cristo que colocou o Apóstolo Pedro e os seus sucessores à frente da Igreja.

Estou feliz e orgulhoso por ter servido três papas: São João Paulo II, Bento XVI e Francisco, na Cúria Romana por mais de 20 anos. Tentei ser um servo leal, obediente e humilde da verdade do Evangelho. Embora alguns jornalistas repetam continuamente as mesmas bobagens, nunca me opus ao Papa.

O que você aprendeu com seu serviço no dicastério para a liturgia?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alguns vêem este dicastério como uma posição honorária, mas de pouca importância. Pelo contrário, creio que a responsabilidade pela liturgia nos coloca no seio da Igreja, na sua razão de ser . A Igreja não é uma administração nem uma instituição humana. A Igreja prolonga misteriosamente a presença de Cristo na terra. “A liturgia”, diz o Concílio Vaticano II, “é o ápice para o qual se dirige a atividade da Igreja; ao mesmo tempo é a fonte da qual brota todo o seu poder ”( Sacrosanctum Concilium , n. 10), e“ porque é uma ação de Cristo sacerdote e do seu Corpo que é a Igreja, é uma ação sagrada que supera todos os outros; nenhuma outra ação da Igreja pode igualar sua eficácia pelo mesmo título e no mesmo grau. ” (cf.Sacrosanctum Concilium , no. 7).

A Igreja existe para dar os homens a Deus e para dar Deus aos homens. Este é precisamente o papel da liturgia: adorar a Deus e comunicar a graça divina às almas. Quando a liturgia está doente, toda a Igreja está em perigo porque sua relação com Deus não só está enfraquecida, mas profundamente danificada.

A Igreja corre então o risco de se desligar da sua fonte divina para se tornar uma instituição egocêntrica que só tem a si mesma para proclamar.

Estou muito impressionado com o fato de que se fala muito sobre a Igreja, sobre sua necessária reforma. Mas estamos falando de Deus? Estamos a falar da obra da Redenção que Cristo realizou principalmente através do mistério pascal da sua bendita Paixão, da sua Ressurreição do inferno e da sua gloriosa Ascensão, o mistério pascal pelo qual “morrendo, destruiu a nossa morte e, ressuscitando, restaurou a nossa vida ”( Sacrosanctum Concilium , nº 5)? Em vez de falar sobre nós mesmos, vamos nos voltar para Deus! Esta é a mensagem que venho repetindo há anos. Se Deus não está no centro da vida da Igreja, ela corre o risco de morte. Certamente é por isso que Bento XVI disse que a crise da Igreja é essencialmente uma crise da liturgia, porque é uma crise da relação com Deus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por isso, depois de Bento XVI, insisti: a finalidade da liturgia não é celebrar a comunidade ou o homem, mas Deus. Isso está muito bem expresso na celebração orientada [ ad orientem ]. “Onde a orientação direta para o Oriente não é possível”, diz Bento XVI, “a cruz pode, portanto, servir como uma orientação interior da fé. Deve então ocupar o centro do altar e concentrar o olhar do sacerdote e da comunidade orante. Nisto nos conformamos com o antigo convite à oração que abre a Eucaristia: Conversi ad Dominum: “Voltem-se para o Senhor. Depois, olhamos juntos Aquele cuja morte nos dá vida, Aquele que nos representa perante o Pai, nos toma nos braços e nos torna vivos e novos templos do Espírito Santo (cf. 1 Cor 6,19) . ‘”Quando todos se voltam juntos para a Cruz, evitamos o risco de um encontro face a face demasiado humano e fechado em si mesmo. Abrimos nossos corações para o derramamento de Deus. “A ideia de que, na oração, o sacerdote e o povo devem se enfrentar em oração nasceu apenas no Cristianismo moderno, é completamente estranha ao Cristianismo antigo. É certo que o sacerdote e o povo oram não uns pelos outros, mas pelo único Senhor ”, Cristo que, em silêncio, vem ao nosso encontro. (Joseph Ratzinger, Prefácio ao Volume XI: A Teologia da Liturgia– das Obras Completas, Paris, Parole et Silence, 2020). É também por isso que nunca deixei de voltar ao lugar do silêncio na liturgia. Quando o homem permanece em silêncio, ele deixa um lugar para Deus. Ao contrário, quando a liturgia se torna tagarela, esquece que a cruz é o seu centro, se organiza em torno do microfone. Todas essas perguntas são cruciais porque determinam o lugar que damos a Deus. Infelizmente, eles se transformaram em questões ideológicas.

Você parece estar expressando arrependimento. O que você quer dizer? O que você quer dizer com “ideológico”?

Hoje, na Igreja, muitas vezes agimos como se tudo fosse uma questão de política, poder, influência e a imposição injustificada de uma hermenêutica do Vaticano II que rompe totalmente e está irreversivelmente em desacordo com a Tradição. Foi um grande sofrimento para mim testemunhar essas lutas entre facções. Quando falei de orientação litúrgica e sentido do sagrado, me disseram: “Você se opõe ao Concílio Vaticano II”! Isto é falso! Não acredito que a luta entre progressistas e conservadores tenha algum significado na Igreja. Essas categorias são políticas e ideológicas. A Igreja não é um campo de luta política. A única coisa que conta é buscar a Deus cada vez mais profundamente, encontrá-lo ali e humildemente ajoelhar-se para adorá-lo.

O Papa Francisco, quando me nomeou, deu-me duas instruções: primeiro, para implementar a Constituição sobre a Liturgia do Concílio Vaticano II e, segundo, para dar vida ao legado litúrgico de Bento XVI. Estou firmemente convencido de que essas duas diretrizes formam uma única direção. Na verdade, Bento XVI é certamente aquele que compreendeu o Vaticano II mais profundamente. Continuar a obra litúrgica de Bento XVI é a melhor forma de realizar o verdadeiro Concílio. Infelizmente, alguns ideólogos querem colocar a Igreja pré-conciliar contra a Igreja pós-conciliar. Eles são divisores; eles estão fazendo o trabalho do diabo. A Igreja é uma, sem ruptura, sem mudar de curso, porque o seu Fundador “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre” (Hb 13, 8). Ela vai em direção a Deus, ela nos direciona para ele.

Dar à liturgia seu caráter sagrado, deixar espaço para o silêncio e até mesmo celebrar às vezes para o Oriente, como fez o Papa Francisco na Capela Sistina ou em Loreto, é a realização profunda e espiritual do Concílio.

Uma coincidência extraordinária: no mesmo dia do anúncio da minha partida, o Papa emérito Bento XVI enviou-me a edição francesa das suas obras sobre a liturgia. Vi nele um convite da Providência para continuar esta obra para restaurar uma liturgia que coloque Deus novamente no centro da vida da Igreja.

Como foi trabalhar com o Papa Francisco? Não houve dificuldades?

Algumas pessoas insinuam sem razão ou mesmo podendo dar provas concretas e credíveis de que éramos inimigos, não é verdade! O Papa Francisco gosta de franqueza. Sempre trabalhamos juntos com simplicidade, apesar das fantasias dos jornalistas. Por exemplo, o Papa Francisco entendeu muito bem e recebeu o livro para o qual eu havia colaborado com Bento XVI, Do Fundo de Nossos Corações . Não escondi dele minha preocupação com as consequências eclesiológicas de questionar o celibato dos padres. Quando ele me recebeu após a publicação, quando as campanhas na imprensa me acusaram de mentir, ele me apoiou e encorajou. Ele leu e apreciou, ao que parece, o exemplar autografado que o Papa Bento XVI, em sua delicadeza, lhe havia enviado.

Naquela ocasião, percebi que a verdade sempre vence as mentiras. Não adianta se envolver em grandes campanhas de comunicação. Basta ter a coragem de permanecer verdadeiro e livre. O apoio do Papa Francisco, o afeto constante do Papa Emérito Bento XVI e as milhares de mensagens de agradecimento de sacerdotes e leigos de todo o mundo ajudaram-me a compreender a profundidade da mensagem de Jesus Ressuscitado: Não tenhas medo !

Como você vê o futuro da Igreja?

Sou membro da Congregação para as Causas dos Santos. Aí vejo com imensa alegria como a Igreja transborda de santidade. Ali, fico feliz por ver com os seus olhos o número impressionante de tantas filhas e filhos da Igreja Católica que levam a sério o Evangelho e o apelo universal à santidade. Verdadeiramente, “foi do lado de Cristo, enquanto Ele dormia o sono da morte na cruz, que surgiu” o maravilhoso sacramento de toda a Igreja ‘”( Sacrosanctum Concilium, n. 5). Apesar do que dizem as “cegas de nascença”, apesar dos muitos pecados de seus membros, a Igreja é bela e santa. Ela é uma extensão de Jesus Cristo. A Igreja não é uma instituição mundana; sua saúde não é medida por seu poder e influência. A Igreja hoje vive uma Sexta-feira Santa. O barco parece estar enchendo de água de todos os lados. Alguns a traem por dentro. Penso no drama e nos crimes horríveis de padres pedófilos. Como a missão poderia ser frutífera se tantas mentiras encobrem a beleza do rosto de Jesus? Outros são tentados a trair quando deixam o navio para seguir os poderes da moda. Penso nas tentações que operam na Alemanha na jornada sinodal. Perguntamo-nos o que restará do Evangelho se tudo isso chegar ao fim: uma verdadeira apostasia silenciosa.

Mas a vitória de Cristo sempre vem por meio da cruz. A Igreja deve caminhar para a Cruz e para o grande silêncio do Sábado Santo. Devemos orar com Maria ao lado do corpo de Jesus. Vigiai, rezai, fazei penitência e reparai para que possamos anunciar melhor a Vitória de Cristo Ressuscitado!

Como está o futuro para você?

Não pretendo parar de trabalhar! E, de fato, fico feliz por ter mais tempo para orar e ler. Vou continuar a escrever, a falar, a viajar. Aqui em Roma, continuo a receber sacerdotes e fiéis de todo o mundo. Mais do que nunca, a Igreja precisa de bispos que falem com clareza, liberdade e fidelidade a Jesus Cristo e aos ensinamentos doutrinários e morais de seu Evangelho. Pretendo continuar essa missão e até ampliá-la. Devo continuar a trabalhar ao serviço da unidade da Igreja, na verdade e na caridade. Desejo humildemente continuar a apoiar a reflexão, a oração, a coragem e a fé de tantos cristãos desorientados, confusos e perplexos pelas tantas crises que atravessamos neste momento: crise antropológica, crise cultural, crise de fé, crise sacerdotal, crise moral, mas acima de tudo, a crise em nosso relacionamento com Deus.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE