Categorias
Liturgia

Cardeal Sarah: A missa “virtual” não substitui a participação pessoal na igreja

 

Em carta dirigida aos presidentes das conferências episcopais, o cardeal Robert Sarah, prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, afirma a necessidade de voltar à normalidade da vida cristã, onde a situação de saúde ligada ao coronavírus permite: assistir à missa pela mídia não é comparável à participação física na igreja, enfatiza.

É urgente voltar à normalidade da vida cristã com a presença física na missa, quando as circunstâncias o permitirem: nenhuma retransmissão é comparável a uma participação pessoal ou não pode substituí-la, explica em substância o cardeal Robert Sarah, Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, em uma Carta sobre a celebração da liturgia durante e após a pandemia de Covid-19, intitulada “Voltemos com alegria à Eucaristia!” O texto, dirigido aos presidentes das conferências episcopais da Igreja Católica, foi assinado em 15 de agosto e aprovado pelo Papa Francisco em 3 de setembro.

A dimensão comunitária da vida cristã

«A pandemia do novo coronavírus, escreve o cardeal Sarah , tem causado transtornos não só na dinâmica social e familiar (…) mas também na vida da comunidade cristã, inclusive na dimensão litúrgica». O prelado recorda que «a dimensão comunitária tem um significado teológico: Deus é a relação das Pessoas na Santíssima Trindade» e «se põe em relação com o homem e a mulher e os chama a uma relação com ele. “ . Assim,“Enquanto os pagãos construíam templos dedicados à única divindade, aos quais o povo não tinha acesso, os cristãos, assim que gozavam da liberdade de culto, imediatamente construíam lugares que seriam domus Dei e domus ecclesiæ, onde os fiéis poderiam se reconhecer como comunidade de Deus ”. Por isso, “a casa do Senhor pressupõe a presença da família dos filhos de Deus”.

Colaboração da Igreja com as autoridades civis

“A comunidade cristã”, diz a carta , “nunca buscou o isolamento e nunca fez da igreja uma cidade a portas fechadas. Formados no valor da vida comunitária e na busca do bem comum, os cristãos sempre buscaram a inserção na sociedade ”. “E mesmo na emergência da pandemia, surgiu um grande sentido de responsabilidade: ouvindo e em colaboração com as autoridades civis e com os especialistas, os bispos e suas conferências territoriais tomaram rapidamente decisões difíceis e dolorosas, até a suspensão prolongada da participação dos fiéis na celebração da Eucaristia ” , lembra o prefeito da Congregação para o Culto Divino.

Uma emergência: retorno à normalidade da vida cristã

“Porém, logo que as circunstâncias o permitirem ” , sublinha o Cardeal Sarah , “é necessário e urgente regressar à normalidade da vida cristã, que tem como casa a construção da Igreja e a celebração da liturgia, em particular a A Eucaristia, como “cume para o qual tende a ação da Igreja e ao mesmo tempo fonte da qual emana todas as suas forças” (Sacrosanctum Concilium, 10). Cientes de que Deus nunca abandona a humanidade que criou, e que mesmo as mais severas provações podem dar os frutos da graça, aceitamos estar longe do altar do Senhor como um tempo de jejum. Eucarístico, útil para nos fazer redescobrir a sua vital importância, beleza e incomensurável preciosidade. O mais rápido possível ” com«Com um desejo cada vez maior de encontrar o Senhor, de ficar com Ele, de recebê-lo para levá-lo aos nossos irmãos com o testemunho de uma vida cheia de fé, de amor e de esperança» , assegura o prelado.

Necessidade de participação pessoal na missa

Como o Cardeal Sarah explica, “Embora os meios de comunicação prestem um serviço valioso aos enfermos e aos que não podem ir à igreja, e tenham prestado um grande serviço na transmissão da Santa Missa em um momento em que não havia possibilidade de celebrar d ‘De forma comunitária, nenhuma transmissão é igual ou pode substituir a participação pessoal. Com efeito, estas transmissões, por si mesmas, arriscam-nos a afastar-nos de um encontro pessoal e íntimo com o Deus encarnado que se doou a nós não de forma virtual, mas realmente, ao dizer: “Aquele que come a minha carne e bebo o meu sangue permaneço em mim, e eu permaneço nele ”(Jo 6,56). Esse contato físico com o Senhor é vital, indispensável, insubstituível., encorajando aqueles que estão “desanimados, assustados e por muito tempo ausentes ou distraídos”.

Sugestões para um retorno à celebração da Eucaristia

A carta também sugere “sugerir algumas linhas de ação para promover um retorno rápido e seguro à celebração da Eucaristia. Uma atenção particular às normas de higiene e segurança não pode levar à esterilização de gestos e ritos ” , alertamos. Além disso, a Congregação conta com“A ação prudente mas firme dos bispos para que a participação dos fiéis na celebração da Eucaristia não seja desclassificada pelas autoridades civis como um“ encontro ”, e não seja considerada comparável ou mesmo subordinada a formas de agregação recreativa. As normas litúrgicas não são matéria sobre a qual as autoridades civis possam legislar, somente as autoridades eclesiásticas competentes o podem fazer (cf. Sacrosanctum Concilium, 22) ” .   

Respeito pelas normas litúrgicas

O Cardeal Sarah exorta “a facilitar a participação dos fiéis nas celebrações”, “mas sem experiências rituais improvisadas e no pleno respeito das normas contidas nos livros litúrgicos que regem o seu desenvolvimento” , e reconhecendo “aos fiéis o direito de receber os Corpo de Cristo e adorar o Senhor presente na Eucaristia da forma prevista, sem limitações que vão além do previsto pelas normas de higiene emanadas das autoridades públicas ou dos bispos ” .

Um princípio seguro: obediência aos bispos

Sobre este ponto, o cardeal dá uma indicação precisa: “A obediência é um princípio seguro para não se errar. Obediência às normas da Igreja, obediência aos bispos. Em tempos de dificuldade (por exemplo, pensamos em guerras, pandemias), os bispos e as conferências episcopais podem emitir regulamentos provisórios que devem ser cumpridos. A obediência salvaguarda o tesouro confiado à Igreja. Essas medidas ditadas pelos bispos e pelas conferências episcopais expiram quando a situação volta ao normal ”.

Saúde pública e salvação eterna

A Igreja, conclui o Prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, protege a pessoa humana “em sua totalidade”, e “com a preocupação necessária para a saúde pública”, ela  “une o anúncio e a ‘acompanhamento das almas para a salvação eterna das almas