Categorias
Análise e Opinião

Cardeal Sarah: A Igreja Católica sofre porque muitos padres perderam o sentido do sagrado

O cardeal Robert Sarah disse que o Sínodo dos Bispos na Região Pan-Amazônica, sendo uma assembléia regional de bispos, não é o fórum para discutir o celibato sacerdotal – um assunto “insuportável” para o mundo moderno porque “alguns ocidentais não podem mais tolerar esse escândalo da cruz.”

O assunto é um dos muitos que o prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos discute nesta entrevista exclusiva de 13 de setembro com o correspondente Edward Pentin, incluindo as razões pelas quais ele decidiu escrever seu último livro,  The Day Is Now Far Spent  ( Ignatius Press ).

Ele aborda a atual crise na Igreja e na sociedade e acredita que ela é impulsionada principalmente pelo ateísmo, não colocando Deus no centro de nossas vidas, bem como o desejo predominante de impor “a opinião pessoal como verdade”. Aqueles que anunciam “revoluções e mudanças radicais “, adverte,” são falsos profetas “e não estão “interessados no bem do rebanho”.

O cardeal guineense também discute os efeitos positivos e negativos da reforma litúrgica e diz que o “demônio” espera nossa “morte espiritual”, é o que faz com que alguns proíbam a missa de forma extraordinária do rito romano. “Como não podemos ficar surpresos e profundamente chocados com o fato de que, o que era regra ontem, é proibido hoje?”, ele pergunta, e pede para que “nos afastemos das narrativas que se opõem”.

Qual é a principal preocupação que você deseja transmitir aos leitores em seu livro?

Não entenda mal este livro. Não desenvolvo teses pessoais ou pesquisas acadêmicas. Este livro é o clamor do meu coração como padre e pastor.

Sofro muito ao ver a Igreja despedaçada e em grande confusão. Sofro tanto ao ver o evangelho e a doutrina católica desconsiderada, a Eucaristia ignorada ou profanada. Sofro muito ao ver os sacerdotes abandonados, desanimados e [testemunhando aqueles] cuja fé se tornou morna.

O declínio da fé na presença real de Jesus, a Eucaristia, está no centro da atual crise da Igreja e seu declínio, especialmente no Ocidente. Nós, bispos, padres e fiéis leigos, somos todos responsáveis ​​pela crise da fé, a crise da Igreja, a crise sacerdotal e a descristianização do Ocidente. Georges Bernanos escreveu antes da guerra: “Repetimos constantemente, com lágrimas de desamparo, preguiça ou orgulho, que o mundo está se tornando cristianizado. Mas o mundo não recebeu a Cristo – non pro mundo rogo – somos nós que o recebemos por ele; é de nossos corações que Deus se retira; somos nós que nos cristianizamos, miseráveis! ”( Nous Autres, Français, “ We French ”- em Scandale de la V érité , “Escândalo da Verdade”, Points / Seuil, 1984).

Queria abrir meu coração e compartilhar uma certeza: a profunda crise que a Igreja está enfrentando no mundo e principalmente no Ocidente é fruto do esquecimento de Deus. 

Se a nossa primeira preocupação não é Deus, então todo o resto entra em colapso. 

Na raiz de todas as crises, antropológicas, políticas, sociais, culturais, geopolíticas, há o esquecimento da primazia de Deus. Como o Papa Bento XVI disse durante seu encontro com o mundo da cultura no Collège des Bernardins em 12 de setembro de 2008, “o ‘ quaerere Deum’– ‘busca de Deus’, o fato de estar atento à realidade essencial de Deus é o eixo central sobre o qual toda a civilização e cultura são construídas. O que fundou a cultura da Europa – a busca de Deus e a vontade de se deixar encontrar por ele, de ouvi-lo – continua sendo hoje o fundamento de toda verdadeira cultura e a condição indispensável para a sobrevivência de nossa humanidade. Pois a recusa de Deus, ou uma total indiferença por Ele, são fatais para o homem. ”

Tentei mostrar neste livro que a raiz comum de todas as crises atuais é encontrada nesse ateísmo fluido, que, sem negar a Deus, vive na prática como se ele não existisse.

Na conclusão do meu livro, falo desse veneno do qual todos somos vítimas: ateísmo líquido. Ele se infiltra em tudo, até nossos discursos como clérigos. Consiste em admitir, juntamente com a fé, modos radicalmente pagãos e mundanos de pensar ou viver. E nos satisfazemos com esta coabitação não natural! Isso mostra que nossa fé se tornou líquida e inconsistente! A primeira reforma a ser feita está em nossos corações. Consiste em não fazer mais pacto com mentiras. A fé é o tesouro que queremos defender e a força que nos permite defendê-lo.

Esse movimento que consiste em “colocar Deus de lado”, transformando Deus em uma realidade secundária, tocou o coração de padres e bispos.

Deus não ocupa o centro de suas vidas, pensamentos e ações. A vida de oração não é mais central. Estou convencido de que os padres devem proclamar a centralidade de Deus através de suas próprias vidas. Uma igreja onde o padre não carrega mais essa mensagem é uma igreja que está doente. A vida de um padre deve proclamar ao mundo que “somente Deus basta”, que a oração, ou seja, esse relacionamento íntimo e pessoal, é o coração de sua vida. Esta é a profunda razão do celibato sacerdotal.

O esquecimento de Deus encontra sua primeira e mais séria manifestação no modo de vida secularizado dos sacerdotes. Eles são os primeiros a ter as boas novas. Se suas vidas pessoais não refletem isso, o ateísmo prático se espalhará por toda a Igreja e a sociedade. 

Acredito que estamos em um ponto de virada na história da Igreja. Sim, a Igreja precisa de uma reforma profunda e radical que deve começar com uma reforma do modo de ser e do modo de vida dos padres. A Igreja é santa em si mesma. Mas impedimos que essa santidade brilhe através de nossos pecados e preocupações mundanas.

É hora de abandonar todos esses encargos e finalmente deixar a Igreja aparecer como Deus a moldou. Às vezes acredita-se que a história da Igreja é marcada por reformas estruturais. Estou certo de que são os santos que mudam a história. As estruturas seguem e perpetuam apenas as ações dos santos.

A noção de esperança é um elemento fundamental do trabalho que você faz, apesar do título sombrio do livro e das observações alarmantes que você faz sobre o estado de nossa civilização ocidental. Você ainda vê razões de esperança em nosso mundo?

O título é sombrio, mas é realista. Na verdade, vemos toda a civilização ocidental em ruínas. Em 1978, o filósofo John Senior publicou o livro A Morte da Cultura Cristã . Como os romanos do século IV, vemos os bárbaros tomarem o poder. Mas desta vez, os bárbaros não estão vindo de fora para atacar as cidades. Os bárbaros estão lá dentro. São aqueles indivíduos que recusam sua própria natureza humana, que têm vergonha de serem criaturas limitadas, que querem pensar em si mesmos como demiurgos sem pais e sem herança. Essa é a verdadeira barbárie. Pelo contrário, o homem civilizado está orgulhoso e feliz por ser um herdeiro.

Convencemos nossos contemporâneos de que, para sermos livres, não devemos depender de ninguém. Este é um erro trágico. Os ocidentais estão convencidos de que receber é contrário à dignidade da pessoa. No entanto, o homem civilizado é fundamentalmente um herdeiro; ele recebe uma história, uma religião, uma língua, uma cultura, um nome, uma família.

Recusar-se a aderir a uma rede de dependência, herança e filiação nos condena a entrar na selva pelada da competição a partir de uma economia auto-suficiente. Como ele se recusa a se aceitar como herdeiro, o homem se condena ao inferno da globalização liberal, onde os interesses individuais se chocam sem outra lei que não seja a do lucro a todo custo. 

No entanto, o título do meu livro também contém a luz da esperança, porque é extraído da petição dos discípulos de Emaús no Evangelho de Lucas: “Fique conosco, Senhor, pois já é quase tarde” (24:29). Sabemos que Jesus acabará se manifestando.

Nossa primeira razão de esperança é, portanto, o próprio Deus. Ele nunca nos abandonará! Acreditamos firmemente em sua promessa. Os portões do inferno não prevalecerão contra a Santa Igreja Católica. Ela sempre será a Arca da Salvação. Sempre haverá luz suficiente para quem busca a verdade com um coração puro. 

Mesmo que tudo pareça estar sendo destruído, vemos as sementes luminosas do renascimento emergindo. Gostaria de mencionar os santos ocultos que carregam a Igreja, em particular, os religiosos fiéis que colocam Deus no centro de suas vidas todos os dias. Mosteiros são ilhas de esperança. Parece que a vitalidade da Igreja se refugiou ali, como se fossem oásis no meio do deserto – mas também famílias católicas que vivem concretamente o Evangelho da vida, enquanto o mundo as despreza.

Os pais cristãos são os heróis ocultos do nosso tempo, os mártires do nosso século. Finalmente, quero prestar homenagem a tantos padres fiéis e anônimos que fizeram do sacrifício no altar o centro e o significado de suas vidas. Oferecendo diariamente o Santo Sacrifício da Missa com reverência e amor, eles carregam a Igreja sem o conhecer.

Como este livro complementa seus dois volumes anteriores – Deus ou Nada O Poder do Silêncio ? O que isso acrescenta aos dois?

Em Deus ou nada, eu queria agradecer a Deus pela intervenção de Deus em minha vida. Por Deus ou nada , eu gostaria de ter sucesso em colocar Deus no centro de nossas vidas, no centro de nossos pensamentos, no centro de nossas ações, no único lugar que ele deve ocupar, para que nossa jornada cristã possa girar em torno de esta Rocha sobre a qual todo homem se edifica e se estrutura até atingir “amadurecer a humanidade, até a plena estatura de Cristo” (ver Efésios 4:13).

O poder do silêncio é como uma confiança espiritual. Não podemos nos juntar a Deus; só podemos permanecer nele em silêncio.

Este último livro é uma síntese. Eu tento descrever claramente a situação atual e descrever suas causas. Este último livro indica as sérias conseqüências humanas e espirituais quando o homem abandona a Deus. Mas, ao mesmo tempo, o dia está agora longe afirma fortemente que Deus não abandona o homem, mesmo quando o homem se esconde atrás dos arbustos em seu jardim, como Adão. Deus vai em busca dele e o encontra, daí um vislumbre de esperança para o futuro.

Nos últimos anos, a Igreja sofreu muitas controvérsias relacionadas ao questionamento, segundo alguns, do ensino moral da Igreja pelos líderes da Igreja, por exemplo, sobre Amoris Laetitia (A Alegria do Amor), ignorância do magistério de João Paulo II (que o Pontifício Instituto João Paulo II modificou recentemente de maneira clara), os esforços para minar a Humanae Vitae (Vida Humana) e a revisão da pena de morte, para citar apenas alguns. Por que isso está acontecendo e os fiéis devem se preocupar?

Estamos diante de uma verdadeira cacofonia de bispos e padres. Todo mundo quer impor sua opinião pessoal como uma verdade. Mas há apenas uma verdade: Cristo e seus ensinamentos. Como a doutrina da Igreja pode mudar? O evangelho não muda. Ainda é o mesmo. Nossa unidade não pode ser construída em torno de opiniões da moda.

A Carta aos Hebreus diz: “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre. Não se deixe levar por todos os tipos de ensinamentos estranhos. É bom ter nossos corações fortalecidos pela graça e não pelos alimentos, que não beneficiam aqueles que vivem por eles ”(13: 8-9) – porque [da]“ minha doutrina ”, diz Jesus. “O meu ensino não é meu, mas é daquele que me enviou” (João 7:16). O próprio Deus frequentemente repete isso para nós: “Não violarei minha aliança; a promessa dos meus lábios não mudarei. Pela minha santidade, jurei de uma vez por todas ”(Salmo 89: 35-36). 

Algumas pessoas usam Amoris Laetitia para se opor aos grandes ensinamentos de João Paulo II. Eles estão enganados. O que era verdade ontem permanece verdadeiro hoje. Devemos nos apegar firmemente ao que Bento XVI chamou de hermenêutica da continuidade. A unidade da fé implica a unidade do magistério no espaço e no tempo. Quando um novo ensinamento é dado a nós, deve sempre ser interpretado em coerência com o ensinamento anterior.

Se introduzirmos rupturas, romperemos a unidade da Igreja. Aqueles que anunciam em voz alta revoluções e mudanças radicais são falsos profetas. Eles não estão procurando o bem do rebanho. Eles buscam a popularidade da mídia ao preço da verdade divina. Não vamos ficar impressionados. Somente a verdade nos libertará. Nós devemos ter confiança. O magistério da Igreja nunca se contradiz.

Quando a tempestade se agita, você precisa se ancorar no que é estável. Não vamos perseguir novidades da moda que podem desaparecer antes mesmo de podermos compreendê-las.

Até que ponto você acredita, como alguns críticos, que as reformas litúrgicas pós-conciliares levaram à atual crise na Igreja da qual você fala em seu livro? 

Acredito que, nesta matéria, os ensinamentos de Bento XVI sejam luminosos. Ele se atreveu a escrever recentemente que a crise da liturgia está no centro da crise da Igreja. Se na liturgia não colocamos mais Deus no centro, também não o colocamos no centro da Igreja. Ao celebrar a liturgia, a Igreja volta à sua fonte. Toda a sua razão de ser é voltar-se para Deus, dirigir todos os olhos para a cruz. Caso contrário, coloca-se no centro; torna-se inútil. Acredito que a perda de orientação, desse olhar direcionado para a cruz, é símbolo da raiz da crise da Igreja. No entanto, o Concílio havia ensinado que “a liturgia é principalmente e acima de tudo a adoração da majestade divina”. Fizemos dela uma celebração humana e egocêntrica, uma assembléia amigável que é auto-engrandecedora.

Portanto, não é o Concílio que deve ser contestado, mas a ideologia que invadiu as dioceses, paróquias, pastores e seminários nos anos seguintes. 

Achamos que o sagrado era um valor ultrapassado. No entanto, é uma necessidade absoluta em nossa jornada em direção a Deus. Gostaria de citar Romano Guardini: “Trust in God, nearness to Him and security in Him remain thin and feeble when personal knowledge of God’s exclusive majesty and awful sanctity do not counterbalance them.”  ( Meditations before Mass , 1936).

Nesse sentido, a trivialização do altar, do espaço sagrado que o cerca, foram desastres espirituais. Se o altar não é mais o limiar sagrado além do qual Deus reside, como encontraríamos a alegria de abordá-lo? Um mundo que ignora o sagrado é um mundo uniforme, plano e triste. Ao saquear nossa liturgia, desencantamos o mundo e reduzimos as almas a uma triste tristeza.

Que aspectos da reforma litúrgica tiveram um efeito positivo ou negativo sobre os fiéis, na sua opinião? 

É importante sublinhar o profundo benefício que a maior variedade de textos bíblicos oferece para meditação. Da mesma forma, foi necessária a introdução de uma dose moderada de linguagem vernacular.

Acima de tudo, acredito que a preocupação com uma participação profunda e teológica dos fiéis é um importante ensinamento do Concílio. Infelizmente, tem sido mal utilizado para agitação e ativismo. Foi ignorado que a participação ativa do povo não consiste em distribuir papéis e funções, mas em introduzir os fiéis nas profundezas do Mistério Pascal, para que eles aceitem morrer e ressuscitar com Jesus através de uma fé mais autêntica e radiante. Vida cristã baseada em valores evangélicos.

Recusar-se a considerar a liturgia como opus Dei , como uma “obra de Deus”, é correr o risco de transformá-la em obra humana. Depois, gostamos de inventar, criar, multiplicar fórmulas, opções, imaginando que, falando muito e multiplicando fórmulas e opções, elas serão melhor ouvidas (ver Mateus 6: 7).

Acredito que o  Sacrosanctum Concilium  é um texto importante para entrar em uma compreensão profunda e mística da liturgia. Tivemos que sair de um certo rubricismo. Infelizmente, foi substituída por uma criatividade ruim que transforma uma obra divina em realidade humana. A mentalidade técnica contemporânea gostaria de reduzir a liturgia a um trabalho efetivo de pedagogia. Para isso, procuramos tornar as cerimônias conviviais, atraentes e amigáveis. Mas a liturgia não tem valor pedagógico, exceto na medida em que é inteiramente ordenada para a glorificação de Deus e para a adoração e santificação divina dos homens.

A participação ativa implica, nessa perspectiva, encontrar em nós esse estupor sagrado, esse medo alegre que nos silencia diante da majestade divina. Devemos recusar a tentação de permanecer no humano para entrar no divino. 

Nesse sentido, é lamentável que o santuário de nossas igrejas não sejam um lugar reservado para a adoração divina, que entremos com roupas seculares, que a passagem do humano para o divino não seja representada por um limite arquitetônico. Da mesma forma, se, como ensina o Concílio, Cristo está presente em sua palavra quando é proclamada, é lamentável que os leitores não tenham uma vestimenta apropriada que mostre que não estão dizendo palavras humanas, mas uma palavra divina.

Finalmente, se a liturgia é obra de Cristo, não é necessário que o celebrante introduza seus próprios comentários. 

Não é a multidão de fórmulas e opções, bem como a contínua mudança de orações e uma exuberância de criatividade litúrgica, que agrada a Deus, mas a  metanoia , a mudança radical em nossas vidas e comportamentos seriamente poluídos pelo pecado e marcados pelo ateísmo líquido.

É necessário lembrar que, quando o missal autoriza uma intervenção, não deve se tornar um discurso profano e humano, muito menos um comentário sobre os acontecimentos atuais ou uma saudação mundana aos presentes, mas uma breve exortação para entrar no mistério.

Nada profano tem seu lugar nas ações litúrgicas. 

Seria um erro sério acreditar que elementos mundanos e espetaculares encorajariam a participação dos fiéis. Esses elementos só podem promover a participação humana e não a participação na ação religiosa e salvífica de Cristo.

Vemos uma bela ilustração disso nas prescrições do Conselho. Embora a Constituição [sobre a Sagrada Liturgia] tenha repetidamente recomendado a participação consciente e ativa e até a plena inteligência dos ritos, recomenda em um movimento a língua latina que prescreve que “os fiéis também possam dizer ou cantar juntos em Em Latim as partes do ordinário da missa que lhes pertencem.

De fato, a inteligência dos ritos não é apenas o trabalho da razão humana, que deve compreender tudo, entender tudo, dominar tudo. A inteligência dos ritos sagrados pressupõe uma participação real  no que eles expressam do mistério. Essa inteligência é a do sensus fidei, que exerce a fé viva através do símbolo e que conhece mais por sintonia do que por conceito.

A paixão de Cristo também é uma liturgia; apenas um olhar de fé pode descobrir o trabalho de redenção realizado por amor. A única coisa que a razão humana vê nela é o fracasso da morte e o horror da cruz. Entrar na participatio actuosa implica que, como os discípulos de Emaús, nos deixamos tocar pela partir do pão para entender as Escrituras.

Como o Papa Francisco nos lembrou há pouco tempo, o padre não precisa dar a si mesmo a aparência de um “mestre do show” (ou apresentador do show) para conquistar a admiração de uma assembléia. Pelo contrário, ele deve participar da ação de Cristo, entrar nela, tornar-se seu instrumento. Portanto, ele não terá que falar constantemente e enfrentar a assembléia, mas, sim, ele terá que agir em  persona Christi e, em um diálogo nupcial, envolver os fiéis nessa participação.

Portanto, é apropriado que, durante o Rito Penitencial, o Ofertório e a Oração Eucarística, todos se unam à cruz ou, melhor ainda, ao Oriente, para expressar sua disposição de participar da obra de adoração e redenção realizada por Cristo. e através dele pela Igreja.

Por que você acha que cada vez mais jovens são atraídos pela liturgia tradicional / a forma extraordinária?

Eu não acho, eu vejo isso; Eu sou uma testemunha disso. E os jovens me confiaram sua preferência absoluta pela forma extraordinária, mais educativa e mais insistente na primazia e centralidade de Deus, no silêncio e no significado da transcendência sagrada e divina. Mas, acima de tudo, como podemos entender, como não podemos nos surpreender e profundamente chocados com o fato de que hoje era a regra proibida hoje? Não é verdade que proibir ou suspeitar da forma extraordinária só pode ser inspirado pelo demônio que deseja nossa asfixia e morte espiritual?

Quando a forma extraordinária é celebrada no espírito do Concílio Vaticano II, ela revela toda a sua fecundidade: Como podemos nos surpreender que uma liturgia que tenha levado tantos santos continue sorrindo para as jovens almas sedentas por Deus?

Como Bento XVI, espero que as duas formas do rito romano sejam mutuamente enriquecedoras. Isso implica sair de uma hermenêutica de ruptura. Ambas as formas têm a mesma fé e a mesma teologia. Opor-se a eles é um profundo erro eclesiológico. Significa destruir a Igreja, arrancando-a de sua Tradição e fazendo-a acreditar que o que a Igreja considerava santa no passado agora está errado e inaceitável. Que engano e insulto a todos os santos que vieram antes de nós! Que visão da igreja.

Devemos nos afastar das oposições dialéticas. O Concílio não queria romper com as formas litúrgicas herdadas da Tradição, mas, pelo contrário, entrar e participar melhor delas nelas.

A Constituição conciliar estipula que “novas formas adotadas devem, de alguma forma, crescer organicamente a partir de formas já existentes”.

Seria, portanto, errado opor o Concílio à Tradição da Igreja. Nesse sentido, é necessário que aqueles que celebram a forma extraordinária o façam sem espírito de oposição e, portanto, no espírito do Sacrosanctum Concilium .

Precisamos da forma extraordinária para saber em que espírito celebrar a forma comum. Por outro lado, celebrar a forma extraordinária sem levar em conta as indicações do  Sacrosanctum Concilium  corre o risco de reduzir essa forma a um vestígio arqueológico sem vida e sem futuro.

Também seria desejável incluir no apêndice de uma futura edição do missal o Rito Penitencial e o Ofertório da forma extraordinária, a fim de enfatizar que as duas formas litúrgicas se iluminam mutuamente, em continuidade e sem oposição.

Se vivermos nesse espírito, a liturgia deixará de ser o lugar de rivalidades e críticas e finalmente nos levará à grande liturgia celestial.

Em muitas partes da África, embora as liturgias sejam muitas vezes longas, elas também são caracterizadas por expressões livres de música, dança e aplausos – que alguns descreveriam como abuso de uma liturgia mais reverente, sombria e orante. E, no entanto, a ortodoxia está viva e bem no continente. Como você explica isso? 

Na África, os fiéis às vezes andam por horas para ir à missa. Estão com fome do Evangelho e da Eucaristia. Eles andam por quilômetros e vêm à missa para ficar com Deus por um longo tempo, para ouvir sua palavra, para serem nutridos por sua presença. Eles dão a Deus seu tempo, suas vidas, seu cansaço e sua pobreza. Eles dão a Deus tudo o que são e tudo o que têm. E a alegria deles é ter dado tudo.

Sua alegria às vezes se manifesta muito externamente, e os africanos precisam aprender interioridade e silêncio. Eles devem proibir aplausos e gritos que nada têm a ver com o mistério de Deus; eles devem eliminar a fala, o folclore, a exuberância de palavras que dificultam o encontro com Deus. Deus habita no silêncio e na interioridade do homem; O coração do homem é o Templo de Deus – porque sei que os africanos sabem como se ajoelhar e comungar com respeito e reverência.

Eu acredito que os africanos têm um profundo senso do sagrado. Não temos vergonha de adorar a Deus, de proclamar-nos dependentes dele. Acima de tudo, os africanos gostam de se deixar ensinar a fé sem contestá-la ou questioná-la. Acredito que a graça da África é conhecer a si mesma e permanecer como uma criança dócil a Deus.

Sublinho neste livro que, no cerne do pensamento ocidental moderno, há uma recusa em ser criança, uma recusa em ser pai, que é basicamente uma recusa de Deus. Discerno nas profundezas dos corações ocidentais uma profunda revolta contra a paternidade criativa de Deus. Nós recebemos dele nossa natureza como homens e mulheres. Tornou-se insuportável para as mentes modernas.

A ideologia de gênero é uma recusa luciférica de receber uma natureza sexual de Deus. O Ocidente se recusa a receber; só aceita o que se constrói. O trans-humanismo é o avatar definitivo desse movimento. Até a natureza humana, por ser um presente de Deus, torna-se insuportável para o homem ocidental.

Essa revolta está em sua essência espiritual. É a revolta de Satanás contra o dom da graça. Basicamente, acredito que o homem ocidental se recusa a ser salvo por pura misericórdia. Ele se recusa a receber a salvação e quer construí-la sozinho. Os “valores ocidentais” promovidos pela ONU baseiam-se na recusa de Deus que eu comparo com a dos jovens ricos do Evangelho. Deus olhou para o Ocidente e o amou porque fez grandes coisas. Ele convidou o Ocidente para ir mais longe, mas o Ocidente se afastou, preferindo as riquezas que devia apenas a si próprio. Os africanos sabem que são pobres e pequenos diante de Deus. Eles têm orgulho de se ajoelhar, felizes por depender de um Pai e Criador Todo-Poderoso.

A Igreja na África é conhecida por seu senso de comunidade, compartilhamento, transcendência e respeito pelo magistério. Como essas forças podem ser melhor usadas para mostrar o caminho a seguir para a Igreja universal, especialmente nas partes em que o secularismo e o niilismo se enraizaram?

O Ocidente estava na raiz da crise. Cabe a ele implementar o antídoto. Para fazer isso, devemos partir da experiência dos mosteiros. São lugares onde Deus está simples e concretamente no centro da vida. Deus é a vida da vida do homem. Sem Deus, o homem se assemelha a um rio enorme e majestoso que teria se separado de sua fonte. Mais cedo ou mais tarde, este rio secará e morrerá permanentemente.

Devemos criar lugares onde as virtudes possam florescer. É hora de recuperar a coragem do não-conformismo. Os cristãos devem ter força para formar oásis onde o ar é respirável, onde, simplesmente, a vida cristã é possível.

Peço aos cristãos que abram oásis de gratuidade no deserto da lucratividade triunfante. Sim, você não pode ficar sozinho no deserto da sociedade sem Deus. Um cristão que permanece sozinho é um cristão em perigo. Ele acabará sendo devorado pelos tubarões da sociedade comercial.

Os cristãos devem se reunir nas comunidades em torno de suas igrejas. Eles devem redescobrir a importância vital de uma vida intensa, contínua e perseverante de oração. Um homem que não reza parece um homem gravemente doente que sofre de paralisia total dos braços, pernas e perdeu o uso da fala, audição e visão… Este homem está separado de todos os relacionamentos essenciais. Ele é um homem morto. Renovar nosso relacionamento com Deus é respirar, viver plenamente.

Devemos criar lugares onde o coração e a mente possam respirar, onde a alma possa se voltar para Deus de uma maneira muito concreta. Nossas comunidades devem colocar Deus no centro de nossas vidas, liturgias e igrejas.

Na avalanche de mentiras, é preciso ser capaz de encontrar lugares onde a verdade não é apenas explicada, mas experimentada. É simplesmente uma questão de viver o Evangelho! Não pensar nisso como uma utopia, mas experimentá-la de maneira concreta.

Em muitos países, a perda da piedade popular parece ter acelerado o processo de descristianização, especialmente entre as classes trabalhadoras. Como você explica essa perda de religiosidade?

Neste livro, explico que sonhamos com um cristianismo “puro” e intelectual. Nós nos recusamos a permitir que Deus encarnasse em nossas vidas. Os mais pobres são as primeiras vítimas. Acredito que a falsa oposição teológica entre fé e religiosidade é a raiz desse erro. A primeira manifestação de fé é o nosso culto religioso. O Rosário, as peregrinações, a oração de joelhos, a devoção aos santos, o jejum foram desprezados e ridicularizados como práticas semi-pagãs. Hoje, o jejum quaresmal, isto é, os 40 dias de abstinência e privação alimentar, existe para muitos apenas no ritual. Esta prática é abandonada. No entanto, ainda existe um jejum médico para o bem-estar do nosso corpo. Sem atitudes religiosas concretas, nossa fé corre o risco de se tornar um sonho ilusório. 

Por que o Sínodo da Pan-Amazônia é tão preocupante para muitas pessoas, incluindo alguns cardeais respeitados? Quais são as suas preocupações sobre a reunião de 6 a 27 de outubro?

Ouvi dizer que algumas pessoas queriam fazer deste sínodo um laboratório para a Igreja universal, que outras disseram que, depois desse sínodo, nada seria o mesmo de antes. Se isso for verdade, essa abordagem é desonesta e enganosa. Este sínodo tem um objetivo específico e local: a evangelização da Amazônia.

Receio que alguns ocidentais confisquem esta assembléia para avançar seus projetos. Penso em particular na ordenação de homens casados, na criação de ministérios de mulheres ou na jurisdição de leigos. Esses pontos dizem respeito à estrutura da Igreja universal. Eles não podem ser discutidos em um sínodo particular e local. A importância de seus súditos requer a participação séria e consciente de todos os bispos do mundo. No entanto, muito poucos são convidados para este sínodo. Tirar proveito de um sínodo em particular para introduzir esses projetos ideológicos seria uma manipulação indigna, uma decepção desonesta, um insulto a Deus, que lidera sua Igreja e confia seu plano de salvação.

Além disso, estou chocado e indignado que o sofrimento espiritual dos pobres na Amazônia esteja sendo usado como pretexto para apoiar projetos típicos do cristianismo burguês e mundano.

Eu venho de uma igreja jovem. Eu conhecia os missionários que iam de vila em vila para apoiar os catequistas. Eu vivi a evangelização em minha carne. Sei que uma igreja jovem não precisa de padres casados. Pelo contrário. Ela precisa de padres que lhe dêem o testemunho da cruz vivida. O lugar de um padre está na cruz. Quando ele celebra a missa, ele está na fonte de toda a sua vida, isto é, na cruz.

O celibato é uma das maneiras concretas pelas quais podemos viver esse mistério da cruz em nossas vidas. O celibato inscreve a cruz em nossa carne. É por isso que o celibato é insuportável para o mundo moderno. O celibato sacerdotal é um escândalo para os modernos, porque a cruz “é tolice para os que estão perecendo” (1 Coríntios 1:18).

Alguns ocidentais não podem mais tolerar esse escândalo da cruz. Eu acho que se tornou uma reprovação insuportável para eles. Eles passam a odiar o sacerdócio e o celibato.

Creio que bispos, sacerdotes e fiéis em todo o mundo devem se manifestar para expressar seu amor pela cruz, pelo sacerdócio e pelo celibato. Esses ataques contra o sacerdócio vêm dos mais ricos. Algumas pessoas pensam que são onipotentes porque financiam igrejas mais pobres. Mas não devemos ser intimidados por seu poder e dinheiro.

Um homem de joelhos é mais poderoso que o mundo. É um baluarte inexpugnável contra o ateísmo e a loucura dos homens. Um homem de joelhos faz tremer o orgulho de Satanás. Todos vocês que, aos olhos dos homens, estão sem poder e influência, mas que sabem como ficar de joelhos diante de Deus, não tenham medo daqueles que querem intimidá-lo.

Devemos construir um baluarte de orações e sacrifícios para que nenhuma brecha prejudique a beleza do sacerdócio católico. Estou convencido de que o Papa Francisco nunca permitirá tal destruição do sacerdócio. Em seu retorno da Jornada Mundial da Juventude no Panamá em 27 de janeiro, ele  disse a  jornalistas, citando o Papa Paulo VI: “Prefiro dar a minha vida do que mudar a lei do celibato.” Ele acrescentou: “É uma frase corajosa, em um momento mais difícil do que isso, 1968/1970. … Pessoalmente, acho que o celibato é um presente para a Igreja. Segundo, não concordo em permitir o celibato opcional, não. ”

O Sínodo contém graves problemas e diversos cardeais já fizeram críticas ao que se propõe. Você pode ler alguns destes artigos clicando aqui: Artigos sobre Sínodo da Amazônia