Cardeal Sarah: “O diabo ataca fortemente a Eucaristia porque é o coração da vida da Igreja”

Em entrevista, o Cardeal falou sobre a proposta da Alemanha e de outros países de “empacotar” a hóstia consagrada e fornecê-la por autoatendimento. Também fala sobre o direito que os fiéis têm aos sacramentos e receberem comunhão na boca.

(NBQ) Nesta entrevista concedida exclusivamente a Nuova Bussola Quotidiana, o prefeito da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, o cardeal Sarah, se pronuncia sobre o “autoatendimento da Comunhão” e as “negociações” para garantir o serviço com segurança.

Na Alemanha e em outros lugares, foi proposto que, para receber a comunhão, a hóstia consagrada fosse colocada em um saco plástico e, então, cada paroquiano, sob demanda, escolha uma e leve consigo. Sobre isso o Cardeal disse que “a Eucaristia é um presente sagrado que recebemos de Deus, e que devemos recebê-lo de maneira digna. Nós não estamos no supermercado.”

O cardeal Robert Sarah também falou novamente sobre as furiosas controvérsias de janeiro que acompanharam a publicação do livro sobre o sacerdócio, escrito ao lado do papa Emérito Bento XVI.

Atualmente, na Itália também se fala em uma solução já adotada por alguém na Alemanha, o “empacotamento” (colocação de sacolas de autoatendimento) do Corpo de Cristo: “para permitir que os católicos italianos voltem a comungar, mas evitando a contaminação, estão considerando uma comunhão do tipo “self-service”, com “hóstias para viagem” previamente consagrados pelo padre, que seriam embaladas individualmente em sacos plásticos e colocados nas prateleiras da igreja”.

“Não, não, não”, respondeu o cardeal Sarah em choque ao telefone

É absolutamente impossível, Deus merece respeito, você não pode colocá-lo em um saco. Não sei quem pensou esse absurdo, mas, embora a privação da Eucaristia seja certamente um sofrimento, você não pode negociar sobre como se é feita a entrega. Comungamos de maneira digna, digna de Deus que vem até nós. A Eucaristia deve ser tratada com fé, não podemos tratá-la como um objeto trivial, não estamos no supermercado. É totalmente louco.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

Algo assim já foi feito na Alemanha …

Infelizmente, na Alemanha, muitas coisas são feitas que não são mais católicas, mas isso não significa que devemos imitá-las. Recentemente, ouvi um bispo dizer que no futuro não haverá mais celebrações eucarísticas, apenas a liturgia da Palavra. Mas isso é protestantismo!

Como sempre, as razões “compassivas” estão avançando: os fiéis precisam da Comunhão, da qual já estão privados há algum tempo, mas, como o risco de contágio permanece alto, é preciso encontrar um compromisso …

Há duas questões que precisam ser totalmente esclarecidas:

Em primeiro lugar, a Eucaristia não é um direito ou um dever: é um dom que recebemos livremente de Deus e que devemos receber com veneração e amor. O Senhor é uma pessoa, ninguém gostaria de receber a pessoa que ama em uma sacola ou de outra forma indigna. A resposta à privação da Eucaristia não pode ser profanação. Isso realmente é uma questão de fé, se acreditarmos que não podemos tratá-lo indignamente.

E o segundo?

Ninguém pode impedir um padre de confessar e dar a Comunhão, ninguém pode evitá-lo. O sacramento deve ser respeitado. Assim, mesmo que não seja possível assistir à missa, os fiéis podem pedir para serem confessados ​​e receber a Comunhão.

Falando em missas, também esta extensão de celebrações em streaming ou na televisão…

Não podemos nos acostumar com isso, Deus está encarnado, ele é carne e sangue, não realidade virtual. Também é muito enganoso para os padres. Na missa, o padre tem que olhar para Deus, ao invés disso, ele está se acostumando a olhar para a câmera, como se fosse um show. Não podemos continuar assim.

Voltemos à comunhão, daqui a algumas semanas também se espera que as missas com o povo sejam restauradas. Além das soluções mais sacrílegas, também é discutido se é mais apropriado receber a Comunhão na boca ou nas mãos e, eventualmente, como recebê-la nas mãos. O que deve ser feito?

Já existe uma regra na Igreja que deve ser respeitada: os fiéis são livres para receber a Comunhão na boca ou na mão.

Há uma sensação de que, nos últimos anos, houve um claro ataque à Eucaristia: primeiro, a questão dos divorciados e casados ​​novamente, sob a bandeira da “Comunhão para todos”; depois a intercomunicação com os protestantes; e depois as propostas sobre a disponibilidade da Eucaristia na Amazônia e nas regiões com escassez de clérigos, agora as Missas em tempos de coronavírus …

Não deveria nos surpreender. O diabo ataca fortemente a Eucaristia, porque é o coração da vida da Igreja. Mas acredito, como já escrevi em meus livros, que o cerne do problema é a crise de fé dos padres. Se os padres estão cientes do que é a Missa e o que é a Eucaristia, certas maneiras de celebrar ou certas hipóteses sobre a Comunhão nem sequer se lembram. Jesus não pode ser tratado assim.

Traduzido de InfoCatólica | LBQ