Categorias
Nossa Senhora

Assim morreu a Virgem Maria de acordo com São João Damasceno, Doutor da Igreja

 

No dia 15 de Agosto a Igreja celebra a solenidade da Assunção de Nossa Senhora. Significa que Nossa Senhora ressuscitou e já está de corpo e alma no Céu.

Mas Nossa Senhora Morreu? A tradição da Igreja diz que Maria morreu, diversas afirmações teológicas justificam tal ideia. São João Paulo II disse em uma audiência no dia 25 de junho de 1997: “a experiência da morte enriqueceu a pessoa da Virgem; passando pela comum sorte dos homens, Ela pode exercer com mais eficácia a sua maternidade espiritual em relação àqueles que chegam à hora suprema da vida.”

Veja como São João Damasceno descreve a morte de Nossa Senhora:

“A Mãe de Deus não morreu de doença, porque ela, por não ter pecado original, não tinha porque receber o castigo da doença. Ela não morreu de velhice, porque não tinha por que envelhecer, já que a ela não lhe chegava o castigo do pecado dos primeiros pais: envelhecer e acabar por fraqueza. Ela morreu de amor. Era tanto o desejo de ir para o céu onde estava o seu Filho, que este amor a fez morrer.

Cerca de quatorze anos após a morte de Jesus, quando já tinha empregado todo o seu tempo em ensinar a religião do Salvador a pequenos e grandes, quando tinha consolado tantas pessoas tristes e tinha ajudado tantos doentes e moribundos, fez saber aos Apóstolos que já a data de partir deste mundo se aproximava para a eternidade.

Os Apóstolos a amavam como à mais bondosa de todas as mães e se apressaram a viajar para receber dos seus maternais lábios as suas últimas dicas, e de suas mãos sacrossantas a sua última bênção.

Foram chegando, e com lágrimas copiosas, e de joelhos, beijaram essas mãos santas que tantas vezes os tinham abençoado. Para cada um deles teve a excelsa Senhora palavras de conforto e de esperança. E depois, como quem se dorme no mais plácido dos sonhos, foi ela fechando santamente os seus olhos; e a sua alma, mil vezes abençoada, partiu para a eternidade.

A notícia se espalhou por toda a cidade, e não houve um cristão que não viesse a chorar ao lado do seu corpo, como pela morte da própria mãe. O seu enterro mais parecia uma procissão de Páscoa do que um funeral. Todos cantavam o aleluia com a mais firme esperança de que agora tinham uma monárquica protetora no céu, para interceder por cada um dos discípulos de Jesus.

No ar sentiam-se suavíssimos mas fortes aromas, e parecia ouvir cada um, harmonias de músicas muito suaves. Mas, Tomé Apóstolo, não tinha alcançado de chegar a tempo. Quando ele chegou, eles já tinham voltado de enterrar a mãe abençoada.

Pedro, – disse Tomé – Não podes negar-me o grande favor de poder ir para o túmulo da minha mãe e dar um último beijo a essas mãos santas que tantas vezes me abençoaram. E Pedro aceitou.

Eles foram todos para o santo sepulcro, e quando já estavam por perto começaram a sentir de novo suavíssimos aromas no ambiente e harmoniosas músicas no ar.

Abriram o sepulcro e em vez de ver o corpo da Virgem encontraram somente, uma grande quantidade de flores muito lindas. Jesus Cristo tinha vindo, tinha ressuscitado a sua Mãe Santíssima e a tinha levado para o Céu.

Isto é o que chamamos a Assunção da Virgem Maria.

E quem de nós, se tivesse os poderes do Filho de Deus, não teria feito o mesmo com a própria mãe?”