Categorias
Sacramento da Comunhão

AS TERRÍVEIS CONSEQUÊNCIAS DA COMUNHÃO NA MÃO

“Profanando Nosso Senhor Eucarístico partícula por partícula”

A exemplo do que ensinou o anjo de Portugal, por ocasião das aparições de Nossa Senhora em Fátima, quando se prostrou por terra diante do Santíssimo Corpo e Sangue de Deus ensinando as crianças a fazer o mesmo, procuremos tratar Jesus com todo, respeito reverência e adoração. Procuremos seguir o que diz a Palavra de Deus: “Diante do nome de Jesus, todo joelho se dobre…”

Aconselhamos todos a acolherem a orientação da Igreja que diz: “Onde houver perigo de profanação NÃO se dê a Comunhão na mão”. E dessa forma, possamos evitar muitos sacrilégios e roubos à Santíssima Eucaristia.

Iniciemos uma grande campanha junto aos fiéis e também aos sacerdotes para honrar Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento do Altar, incentivando a comunhão na boca e o tanto quanto possível, de joelhos.

Assista o vídeo abaixo e compartilhe com um sacerdote (cuidado, cenas fortes!):

Leia também
Comunhão na mão ou na boca? Debate sobre a recepção eucarística

Dom Athanasius Schneider fala sobre a comunhão na mão:

Em sua entrevista de 2014 ao Catholic Herald do Reino Unido, o bispo Athanasius Schneider, falou da grande crise que a Igreja enfrenta hoje, em grande parte devido aos maus tratos generalizados à Eucaristia. 

O Bispo Schneider observou:

Pelo meu conhecimento e experiência, a ferida mais profunda da atual crise da Igreja é a ferida eucarística; os abusos do Santíssimo Sacramento …

Esta é a questão… objetivamente a irreverência em no recebimento da Santa Comunhão. A chamada maneira “nova e moderna” de receber a Sagrada Comunhão diretamente na mão é muito séria, porque expõe Cristo a uma enorme banalidade.

Esta não é simplesmente a opinião do bispo Athanasius Schneider. Embora poucos bispos tenham se manifestado contra a prática moderna, e muitas conferências episcopais o permitam, Roma reconheceu o problema inerente à distribuição da Comunhão na mão. O Escritório de Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice pesou sobre esse assunto. Do site do Vaticano :

Desde a época dos Padres da Igreja, nasceu e consolidou-se uma tendência pela qual a distribuição da Sagrada Comunhão na mão se tornava cada vez mais restrita em favor da distribuição da Sagrada Comunhão na língua. 

A motivação para esta prática é dupla: a) primeiro, para evitar, tanto quanto possível, a queda de partículas eucarísticas; b) segundo, aumentar entre a fiel devoção à Real Presença de Cristo no Sacramento da Eucaristia.

É por essa mesma razão que o Santo Padre voltou à prática tradicional de dar a Comunhão na língua nas missas papais.

Enquanto outros escreveram sobre a perda generalizada de crença na Presença Real de Jesus no Sacramento nos últimos quarenta anos (uma visão apoiada por vários estudos), é o primeiro ponto de ênfase do Vaticano que deve nos interessar neste momento. Simplificando, receber Comunhão na mão leva a uma perda de partículas eucarísticas, resultando em profanação do Santíssimo Sacramento.

Leia também
“Comunhão na Mão é um ataque de Satanás à Eucaristia” – Cardeal Sarah

O Bispo Schneider também abordou esta preocupação:

Há o fato grave da perda dos fragmentos eucarísticos. Ninguém pode negar isso. E os fragmentos consagrados são esmagados por nossos pés. Isto é horrível! Nosso Deus, em nossas igrejas, é pisoteado por nossos pés! Ninguém pode negar. […]

Um padre e um bispo não podem dizer que esta prática está correta. Aqui está em jogo o mais sagrado, o mais divino e concreto da Terra.

Nos últimos anos, ouvi essa preocupação ser ignorada, mesmo posta em duvida, por aqueles que defendiam a prática moderna. Alguns vêem essas advertências proféticas contra a profanação como uma forma de escrupulosidade, uma rigidez exagerada em sua preocupação com a Eucaristia. Parece que muitos esqueceram que Nosso Senhor está “presente todo e inteiro na menor porção da Santa Eucaristia …” (Catecismo de Baltimore, Lição 22 ).

De fato, uma defesa da Comunhão na mão exige que acreditemos em uma das duas proposições. Ou:

  • O Vaticano e o Bispo Schneider estão sendo desonestos quando dizem que fragmentos de Nosso Senhor Eucarístico se perdem quando a Comunhão é distribuída na mão; ou…
  • As partículas estão perdidas, mas simplesmente não nos importamos, porque os católicos estão acostumados a essa prática moderna e não podemos pedir que mudem agora. Em outras palavras, o respeito humano em vez do santo temor de Deus .

Agora, mais do que nunca, é necessário um diálogo sobre esse assunto de extrema importância. O fato de poucos estarem interessados em conversar deve nos intrigar. Como o bispo Schneider disse, “fragmentos do corpo consagrado de Nosso Senhor são esmagados por nossos pés… Nosso Deus, em nossas igrejas, é pisoteado por nossos pés!”

Leia também
Vaticano: É proibido impedir comunhão na boca, mesmo que seja para se evitar epidemias

Um padre recentemente compartilhou comigo algo que acredito que poucos leigos sabem, mas que precisa ser conhecido. Ele disse que em toda missa … toda missa … ele vê partículas das hóstias flutuando no cálice sagrado depois de esfregar os polegares e os dedos, e depois de purificar a patena. Aqui não estamos simplesmente falando daquilo que é pequeno demais para ver. Não, essas partículas são realmente visíveis a olho nu!

Desde então, perguntei a quase uma dúzia de outros sacerdotes e recebi de volta a mesma resposta. Cada um disse que também vê ou sente fragmentos de Nosso Senhor em todas as missas. Infelizmente, o cuidado que eles tomam para evitar a perda de partículas no altar não pode é o mesmo que acontece ao distribuir a comunhão na mão. Estou convencido de que muitos leigos ainda não perceberam isso completamente. Parece-me também que é improvável que um bispo peça obediência a seus padres em uma questão de profanação da Eucaristia. E, no entanto, até que os bispos terminem essa prática irreverente em suas dioceses de uma vez por todas, é de fato o que está acontecendo.

Como afirmado anteriormente, ou acreditamos que as partículas de Nosso Senhor não estão sendo perdidas e pisoteadas, ou optamos por não nos importar. Nossos bispos, sem dúvida, veem e sentem fragmentos ao oferecer o Santo Sacrifício da Missa. Portanto, parece-me que eles escolheram a segunda e não a primeira. E se sim, como podemos então não reconhecer que o respeito humano está impedindo a Igreja de encerrar essa prática profana? Enfim, a profanação a Nosso Senhor Eucarístico nunca deve ser visto como dano colateral aceitável, porque temos medo de fazer o que sabemos ser certo.

Assista também
A comunhão na mão é de origem calvinista e não era costume entre os fiéis da Igreja primitiva