Categorias
CNBB

Arcebispo utiliza o altar para fazer discurso político-ideológico na Solenidade de Aparecida

Nesta terça-feira (12), o arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, afirmou que “para ser pátria amada não pode ser pátria armada” durante a missa das 9h, a principal do dia no santuário.

“E para ser pátria amada não pode ser pátria armada. Para ser pátria amada, seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news. Pátria amada sem corrupção. E pátria amada com fraternidade. Todos irmãos construindo a grande família brasileira”

Num discurso claramente ideológico partidário, atacando o presidente da república, o arcebispo também lamentou as mais de 600 mil mortes por Covid, defendeu a vacina e a ciência.

Questionado se o sermão era um recado para Bolsonaro, Brandes disse que que era uma mensagem “para todos os brasileiros”. (veja a resposta de bolsonaro no final da matéria)

Qual a doutrina da Santa Igreja acerca do uso de armas?

Analisando algumas das falas do Arcebispo Dom Orlando durante a homilia na Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, percebemos um discurso político-ideológico, simpático ao pensamento da classe política da esquerda revolucionária e totalmente antagônico ao que ensina Doutrina da Santa Igreja, como vemos nos exemplos abaixo.

O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA (2265):

“A legítima defesa pode ser não somente um direito, mas até um grave dever para aquele que é responsável pela vida de outrem. Defender o bem comum implica colocar o agressor injusto na impossibilidade de fazer mal. É por esta razão que os detentores legítimos da autoridade têm o direito de recorrer mesmo às armas para repelir os agressores da comunidade civil confiada à sua responsabilidade.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Veja também o que ensinou o Papa São João Paulo II:

“Em um mundo marcado pelo mal e pelo pecado, existe o direito à legítima defesa com armas e por motivos justos… Esse direito pode se tornar um grave dever para quem é responsável pela vida dos outros, da família ou da comunidade civil.”

Assista para se aprofundar no assunto:

Em um país cuja lei do estatuto do desarmamento está em vigor, e o acesso às armas ainda é extremamente restrito, não faz sentido que os índices de violência estejam tão altos. Armas lícitas são para cidadãos de bem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Leia também
Bispos e padres revolucionários começam a sofrer oposição dos católicos dentro da Igreja

Visita de Bolsonaro ao Santuário Nacional de Aparecida

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou ao Santuário de Aparecida às 13h30 para a missa das 14h. Muitos romeiros acompanharam a chegada do presidente, que foi recebido com recebido com aplausos pelos presentes.

Durante a missa, Bolsonaro realizou uma leitura e recebeu a comunhão. Além disso realizou uma consagração solene à Nossa Senhora Aparecida. (vídeo abaixo)

Leia também
Bolsonaro e Haddad poderiam receber a comunhão?

Depois do encerramento da missa, o presidente subiu no altar e tirou uma foto com o arcebispo Dom Orlando Brandes. Clique abaixo para assistir:

O presidente Bolsonaro também comentou sobre a tentativa de lacração do Bispo Dom Orlando em Aparecida:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Respeito a opinião de qualquer um aqui que seja a favor e contra a arma de fogo, mas o que acontecia no Brasil é que somente os marginais e bandidos tinham armas de fogo. Não pude alterar a lei como queria, mas alteramos decretos e portarias de modo que arma de fogo passou a ser realidade entre nós”, disse o presidente e continuou.

“Respeito os bispos que tenham posição diferente da minha. Não é porque quando eu não quero uma coisa acho que ninguém pode tem o direito de querê-la, Nós devemos nos preocupar com a nossa liberdade, o bem maior de uma nação, Sem liberdade não há vida”, disse Bolsonaro.

Leia também
A pergunta que não quer calar: Bolsonaro é realmente Católico?


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE