Categorias
Vaticano

Sessão da Assembleia Sinodal Alemã que pode levar ao cisma na Igreja está em andamento

Hoje serão votadas as primeiras propostas de reforma na Assembleia Sinodal da Igreja na Alemanha que começou ontem à tarde em Frankfurt e terminará amanhã. Parece bastante provável que o fim do celibato sacerdotal seja aprovado, embora seja evidente.

A votação de hoje sobre os primeiros textos relativos às questões de poder na Igreja e a participação dos leigos na nomeação dos bispos mostrará o nível de consenso entre os 230 delegados da Conferência Episcopal e do Comitê Central dos Católicos Alemães (ZDK).

É necessária a aprovação de “dois terços dos bispos” para “seguir o caminho da reforma”, explicou o presidente do ZDK, Irme Stetter-Karp, em entrevista coletiva. A seguir, entender-se-á se “os bispos querem continuar a reforma conosco”.

Caso esse limite não seja atingido, o trabalho será interrompido para entender como proceder de forma consensual. “Enquanto buscamos mudanças em nossas próprias estruturas, precisamos que os bispos se comprometam a realizar as reformas”, acrescentou o estudioso bíblico Thomas Söding.

Celibato, um objetivo para derrubar

Entre os temas discutidos nestes dias está o do celibato sacerdotal: “O sacerdócio celibatário é um grande tesouro. Eu a vivo com prazer e sinto seu valor”, disse Dom Georg Bätzing, presidente da Conferência Episcopal Alemã, em resposta a uma pergunta. “Mas não é a única maneira de viver na Igreja”, disse ele, referindo-se à experiência da Igreja Católica Oriental, onde padres casados ​​são “uma vantagem”.

O Sínodo da Amazônia já “abordou o assunto em detalhes”, explicou Dom Bätzing, acrescentando que: “Juntamo-nos a um movimento que já vem acontecendo há muito tempo, mesmo além da Alemanha”.

O cardeal Reinhard Marx, arcebispo de Munique, falou da mesma forma em uma entrevista ao meio de comunicação alemão Süddeutsche Zeitung:

“Alguns padres estariam melhor se fossem casados. Não apenas por razões sexuais, mas porque seria melhor para suas vidas e eles não estariam sozinhos”.

Segundo o cardeal, e apesar de centenas de milhares de sacerdotes o viverem em todo o mundo sem grandes problemas e com fidelidade a Cristo, o celibato sacerdotal como modo de vida é “precário. Pelo menos eu continuo dizendo isso para os jovens padres.”

Aviso de Cisma‎

‎Enquanto isso, coincidindo com o início da terceira sessão da Assembleia Sinodal, o grupo de católicos alemães que ‎‎denunciou a deriva da Igreja em seu país‎‎ escreveu uma carta aberta‎‎ a 2.000 bispos católicos em todo o mundo alertando para um cisma iminente na igreja. ‎‎ ‎‎A carta é intitulada “Sete Perguntas para a Igreja Católica na Alemanha” e eles advertem que há‎‎ uma “nova maneira radical de pensar sobre autodeterminação” que ameaça levar a igreja alemã a um cisma.‎

Caminho Sinodal Alemão é ‘rebelião contra o Evangelho’, diz associação

No dia em que a assembleia geral do Caminho Sinodal Alemão foi aberta, a iniciativa Neuer Anfang (Novo Começo) alertou para o perigo de um novo cisma da Alemanha. Em uma carta aos bispos da Alemanha e de todos os continentes, os organizadores descrevem um “espírito de rebelião e traição ao Evangelho”.

De hoje a sábado, o Caminho Sinodal Alemão, que reúne bispos e leigos para discutir reformas na Igreja na Alemanha, deve votar em assembleia geral propostas feitas ao longo de dois anos de debate.

Neuer Anfang se define como uma associação de teólogos, filósofos e antropólogos que defendem reformas radicais na Igreja Católica, mas não veem o Caminho Sinodal Alemão como solução.

Com a campanha “Sete Perguntas à Igreja Católica na Alemanha sobre Autonomia e Liberdade”, a associação alerta para uma nova forma de pensar a autodeterminação radical que, na opinião deles, ameaça levar a Igreja alemã a um cisma.

O texto da campanha #SiebenFragen diz: “O foco não está mais no Senhor – sua palavra e vontade – mas no ser humano – sua vontade, seus interesses, sua identidade, seu desejo, sua liberdade devem determinar o que está acontecendo na Igreja, o que ainda parece plausível perante o tribunal da modernidade, o que pode e não pode ser ensinado e vivido”.

A carta apela aos bispos do mundo para que usem sua influência para evitar outra divisão: “O fato de que o Papa Leão X uma vez rejeitou as teses de Martinho Lutero como irrelevantes ‘brigas entre monges’ foi talvez o erro mais importante da história da Igreja. Exatamente 500 anos depois, a Igreja Católica Romana está novamente a ponto de minimizar um debate teológico em um país não muito distante, ignorando-o e considerando-o como um problema da Alemanha. O próximo cisma no cristianismo está à porta e novamente ele vem da Alemanha.”

No início de janeiro, a iniciativa Neuer Anfang apresentou ao papa Francisco seu “Manifesto de Reforma” assinado por 6 mil pessoas. O manifesto acusa os promotores do Caminho Sinodal Alemão de “abuso com o abuso”. Os bispos e leigos que debatem moral sexual, estruturas de poder, e o papel da mulher na Igreja no âmbito do Caminho Sinodal Alemão estariam instrumentalizando o urgentemente necessário debate sobre abuso sexual do clero para criar uma igreja diferente.

Segundo a iniciativa, além dos 67 bispos alemães, cerca de 2 mil bispos e 500 comunidades, movimentos e institutos religiosos católicos de todo o mundo também receberam um texto explicativo intitulado “Isto não é o evangelho” e um convite teológico para um debate científico: “Sete perguntas à Igreja Católica na Alemanha sobre liberdade e autonomia”

Neuer Anfang acrescentou a esses dois documentos uma coleção de citações e declarações de teólogos, bispos e dos textos dos fóruns sinodais, com “declarações teológicas típicas do ambiente do Caminho Sinodal, que os autores acreditam não serem mais compatível com a Sagrada Escritura e com o ensinamento permanente da Igreja universal mundial”.

Com informações de infocatolica e acidigital