Categorias
Vaticano

Profanação consumada: padres alemães desafiam Roma e abençoam uniões contrárias à lei natural

Como haviam anunciado, um grupo de padres “católicos” alemães procederam na bênção de uniões homossexuais, opondo-se à Congregação para a Doutrina da Fé que declarou: “Deus não abençoa ou abençoa o pecado”. Vários bispos declararam que não farão nada contra os sacerdotes que promoverem tal profanação. A Santa Sé ainda não se pronunciou.

O desafio alemão à Tradição e ao Magistério da Igreja já é uma realidade. O #liebegewinnt –o amor ganha – que anunciava bênçãos para casais gays em igrejas espalhadas por toda a Alemanha começou ontem e tem bênçãos agendadas para o dia de hoje.

Esse movimento surgiu em resposta ao “responsum” da Congregação para a Doutrina da Fé, que foi aprovada pelo Santo Padre, que afirmou claramente que as uniões homossexuais não poderiam ser abençoadas.

Dizia que:

«… não é legal dar uma bênção aos relacionamentos, ou mesmo casais estáveis, envolvendo a prática sexual fora do casamento (ou seja, fora da união indissolúvel de um homem e de uma mulher aberta, por si só, à transmissão da vida), como é o caso das uniões do mesmo sexo.”

Em sua argumentação, a Congregação para a Doutrina da Fé lembrou que cada pessoa é mais importante do que seu pecado, mas que Deus não abençoa ou abençoa o pecado.

Enquanto isso, a Igreja lembra que o próprio Deus continua abençoando cada um de seus filhos peregrinos neste mundo,porque para Ele “somos mais importantes do que todos os pecados que podemos fazer”. Mas ele não abençoa ou abençoao pecado: abençoe o homem pecaminoso, para que ele possa ser reconhecido como parte de seu plano de amor e deixe-se ser mudado por Ele. Ele, de fato, “nos leva como somos, mas nunca nos deixa como somos”

A resposta da Congregação teve a permissão explícita do Santo Padre para ser publicada,nem todas as respostas são.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As seções mais progressistas da Igreja Alemã rasgaram suas vestes pela resposta do Vaticano, que não fez nada além do óbvio, e a indignação canalizou-se para esta iniciativa que começou ontem em alguns templos.

O caso mais midiático foi protagonizado em uma igreja em Munique, uma das dioceses mais importantes da Alemanha, pastoreada pelo cardeal Reinhard Marx, que era até um ano atrás presidente do episcopado alemão e um dos colaboradores mais próximos do Papa Francisco. Na igreja de São Bento houve ontem bênçãos de casais do mesmo sexo sem que a gente tenha qualquer notícia, por enquanto, de qualquer tipo de consequência para o padre envolvido.

O clérigo que desobedeceu às diretrizes de Roma foi Wolfgang F. Rothe, 53 anos, conhecido como o “Vigário do Uísque”, por sua paixão e conhecimento desta bebida. Ao lado dele, atuando como coroinha, estava Henry Fr.mmichen, um ex-candidato a padre cuja expulsão do seminário causou rebuliço, pois aparentemente ocorreu por causa de suas tendências homossexuais.

“Minha preocupação é tirar isso das periferias da igreja, e colocar onde ela pertence: no meio da vida da igreja”, disse Rothe de acordo com dpa. Um vídeo mostra o pequeno número estrelado por Rothe, com bandeiras LGBT ao beira do altar, e bênçãos proibidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Hoje, infelizmente, veremos mais cenas como esta. Agora, mais do que nunca nos perguntamos: alguém vai fazer alguma coisa?

Os bispos alemães permitiram que a profanação de seus templos ocorresse. A Santa Sé não se manifestou sobre o que iria acontecer hoje e que havia sido anunciado.

Assista o vídeo:

Um padre jesuíta Jan Korditschke, que liderará as bênçãos para casais do mesmo sexo em Berlim

Em Berlim, o reverendo Jan Korditschke, um jesuíta que trabalha para a diocese preparando adultos para o batismo e ajuda na congregação de St. Canisius, conduzirá bênçãos para casais gays em um culto de adoração no domingo (16).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Estou convencido de que a orientação homossexual não é ruim, nem é o amor homossexual um pecado”, afirmou Korditschke à agência de notícias Associated Press.

“Eu quero celebrar o amor dos homossexuais com essas bênçãos porque o amor dos homossexuais é algo bom”.

Korditschke, que tem 44 anos, disse que é importante que os homossexuais possam se mostrar dentro da Igreja Católica e que não teme a possível repercussão no Vaticano.

“Eu defendo o que estou fazendo, embora seja doloroso para mim não poder fazer isso em sintonia com a liderança da igreja”, disse Korditschke.

O Bispo de Essen não tomará nenhuma ação contra padres que abençoam uniões homossexuais

O bispo de Essen, arcebispo Franz-Josef Overbeck, declarou há um mês em uma entrevista que os sacerdotes de sua diocese não devem esperar consequências se se oporem à proibição de abençoar uniões homossexuais. “Eu não vou fazer nada”, disse o bispo do Ruhr. “Eu não suspenderia ou imporia outras sanções eclesiásticas a um padre da diocese” se ele estabelecesse uma relação homossexual.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Muitos fiéis estão preocupados e chocados, tanto pelos fatos quanto pela esquerda daqueles que têm o dever de cuidar do rebanho confiado, com o agravamento de que a ação foi anunciada como um desafio que havia sido anunciada semanas antes.

Hoje aconteceram a festa de Saint-Jean-de-Ávila, padroeiro da Espanha do clero, algumas iniciativas de oração e reparação. O Arcebispo Munilla, Bispo de São Sebastião, pediu aos fiéis que orassem pela unidade da Igreja na Alemanha e no mundo.

Traduzido de InfoVaticana e InfoCatolica

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE