Categorias
Mundo

Padre jesuíta pede que jovens sejam proibidos de frequentar missas tradicionais

 

Padre Thomas Reese, sj, que foi editor-chefe da America Magazine da Sociedade de Jesus nos EUA, até que Bento XVI recebeu cartas sobre o assunto e foi substituído, escreveu um artigo criticando o motu proprio Summorum Pontificum e pedindo que crianças e jovens fossem impedidos de participar da missa de acordo com o rito extraordinário. Ele também deprecia o dogma da transubstanciação.

(InfoCatólica) O padre Thomas Reese, um jesuíta, foi por vários anos editor da revista America, uma posição que ele teve que renunciar após indicações da Congregação para a Doutrina da Fé então presidida pelo Cardeal Ratzinger por causa da posição contrária à doutrina católica sobre questões morais, o trabalho do teólogo ou do Dominus Iesus.

O padre jesuíta escreveu para o Religion News Service um artigo intitulado “O Futuro da Reforma Litúrgica Católica” no qual critica claramente a decisão de Bento XVI de liberalizar a missa de acordo com o rito extraordinário, antes da reforma do Novus Ordo, sob a alegação de que ele prejudica a autoridade dos bispos em questões litúrgicas:

Após as reformas paulinas (ndr: de São Paulo VI) da liturgia, presumiu-se que a “tridentina” ou a missa latina desapareceriam. Os bispos receberam autoridade para suprimi-lo em suas dioceses, mas alguns se agarraram à antiga liturgia ao ponto do cisma.

Bento tirou a autoridade dos bispos e ordenou que qualquer padre pudesse celebrar a missa tridentina sempre que quisesse.

O jesuíta, sem dar uma única razão para sustentar uma atitude totalitária contrária à Tradição, propõe nada mais ou menos do que revogar a missa tridentina e, enquanto tal coisa é alcançada, impedir que crianças e jovens assistam a essa missa.

É hora de devolver aos bispos a autoridade sobre a liturgia tridentina em suas dioceses. A Igreja deve deixar claro que quer que a liturgia não reformada desapareça e que ela só permitirá que ela seja por bondade pastoral aos idosos que não entendem a necessidade de mudança. Crianças e jovens não devem poder participar dessas missas.

Como se isso não bastasse, o padre jesuíta demonstra um claro desprezo pelo dogma da transubstanciação e adoração eucarística:

“Mais importante do que a transformação do pão e do vinho no corpo e no sangue de Cristo é a transformação da comunidade no corpo de Cristo para que possamos viver a aliança que temos através de Cristo. Nós não adoramos Jesus, neste sentido; com Jesus adoramos o Pai e pedimos para ser transformados pelo poder do espírito no corpo de Cristo.”

Como era de se esperar, o religioso também é a favor da interseção entre católicos e protestantes, pelo menos quando se trata de um casamento misto no qual um dos cônjuges é protestante. A desculpa: crianças.

“Teologicamente, se um casal está unido no sacramento do casamento, como não vamos permitir que eles se unam na Eucaristia? Pastoralmente, a prática de proibir a comunhão ao pai não católico dá às crianças a impressão de que a Igreja acha que seu pai é uma pessoa ruim.