Categorias
Mundo

Talibã toma o poder no Afeganistão e impõe a lei sharia

O triunfo incontestável do Talibã no Afeganistão, que quase não encontrou resistência militar do exército armado e treinado pelos EUA, significa o retorno à aplicação da Sharia, a lei baseada naquela “religião da paz” que muitos Eles dizem que é Islamismo. As mulheres serão imediatamente expulsas do ensino médio, universidades e do trabalho com homens.

Se o retorno do Talibã ao poder acontecer como foi nos anos 1990, significaria uma deterioração das liberdades civis, especialmente para mulheres e meninas cujas liberdades foram ampliadas no governo civil. Grupos terroristas também podem se reconstituir em breve.

A vida dos afegãos que nos últimos 20 anos permaneceram fora do alcance do Talibã mudará radicalmente. A mudança será especialmente dramática para as mulheres. Em breve, eles não poderão mais sair de casa sem uma burca e sem estar acompanhados por um homem de sua família. Aqueles que estudam o ensino médio (+12 anos) e os estudos universitários devem abandoná-los. E quem trabalha com homens terá que voltar para casa sem emprego.

Além disso, se forem solteiros, divorciados ou viúvos, podem ser forçados a casar. No início de julho, os líderes do Talibã que assumiram o controle das províncias de Badakhshan e Takhar emitiram uma ordem aos líderes religiosos locais para fornecer a eles uma lista de meninas com mais de 15 anos e viúvas com menos de 45 para “se casarem” com combatentes.

A situação para os cristãos será ainda pior, como Ali Ehsani, um exilado afegão, apontou na semana passada.

Através do Twitter pessoas relatam a situação que presenciam na capital do Afeganistão:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Cabul está às escuras, sem eletricidade. Carros de som cruzam as ruas tocando trechos do Alcorão e mensagens de vitória dos Talibãs. Ao longe, sons esporádicos de disparos vindos do aeroporto quebram o silêncio da noite.”

Assista algumas imagens:

Caridade católica preocupada com cristãos em Cabul como talibãs tomarem conta

Uma organização de caridade católica que trabalha no Afeganistão disse no domingo que teme pela segurança dos cristãos no país, e que o grupo pode precisar suspender suas atividades à medida que a instabilidade aumenta.

A Cáritas Italiana, uma instituição de caridade dos bispos católicos italianos, está presente no Afeganistão desde a década de 1990. Em um comunicado à imprensa em 15 de agosto, a organização disse que seu foco atual no Afeganistão está ajudando menores vulneráveis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Mas a instabilidade da situação levará à suspensão de todas as atividades”, disse o comunicado, acrescentando que “crescem os temores sobre a possibilidade de manter uma presença mesmo no futuro, bem como para a segurança dos poucos afegãos da crença cristã”.

A Cáritas Italiana também disse que os poucos padres católicos e religiosos no Afeganistão também estão sendo deixados sem escolha a não ser sair.

Insurgentes talibãs tomaram conta de muitas cidades no Afeganistão na última semana após a retirada das forças americanas do país.

Com o colapso do governo do Afeganistão, combatentes talibãs tomaram a capital Cabul em 15 de agosto, assumindo o controle do palácio presidencial e declarando que a guerra no Afeganistão tinha acabado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O aeroporto de Cabul está em caos desde domingo, quando homens e mulheres afegãos correram às pistas na tentativa de fugir do país.

A comunidade cristã é muito pequena no país islâmico, onde o povo afegão pode ser ostracizado ou pode até mesmo enfrentar violência e morte por professar a fé cristã. Em 2018, havia cerca de 200 católicos no país.

Há uma única Igreja Católica, localizada na embaixada italiana em Cabul, que é operada sob a missão católica sui juris do Afeganistão.

“A comunidade cristã é uma comunidade pequena, mas significativa, que nos últimos anos tem mostrado atenção para os mais pobres e frágeis”, disse Caritas Italiana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A organização afirmou que “após uma guerra de vinte anos de custos humanos incalculáveis e bilhões de euros em despesas, a retirada dos militares dos EUA está deixando o país em um trágico vazio”.

“Como sempre, os mais fracos pagarão o preço mais alto, já nas dezenas de milhares que fogem das zonas de combate, enquanto os talibãs estão agora na capital, Cabul.”

“Juntamente com o pessoal das embaixadas, até mesmo os poucos padres, homens e mulheres religiosos que estão em Cabul estão se preparando para seu retorno forçado”, disse a instituição de caridade.

O Papa Francisco pediu orações para o povo do Afeganistão depois de rezar para o Angelus, uma tradicional oração mariana, no domingo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Peço a todos que rezem comigo ao Deus da paz para que o clamor das armas cesse e que as soluções possam ser encontradas na mesa do diálogo”, disse ele. “Só assim, a população agredida daquele país – homens, mulheres, idosos e crianças – pode voltar para suas próprias casas, e viver em paz e segurança, em total respeito mútuo.”

A Cáritas Italiana disse que está avaliando a situação dos refugiados afegãos no Paquistão na fronteira com o Afeganistão.

“Nessas horas, uma massa crescente de refugiados está fugindo das zonas de guerra, aumentando a pressão na direção dos países vizinhos”, disse. “Mesmo os países ocidentais se encontrarão enfrentando uma pressão crescente das pessoas que fogem deste país.”

A instituição de caridade italiana disse que nos anos 2000 apoiou um grande programa de ajuda emergencial, reabilitação e desenvolvimento no Afeganistão, incluindo a construção de quatro escolas e 100 casas, e o retorno de 483 famílias de refugiados ao vale panshir.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com informações de InfoCatolica e NCRegister


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE