Categorias
Vaticano

Na segunda-feira, cisma!

Bênção a uniões homossexuais é um ato cismático e acarreta até excomunhão, diz canonista.

No próximo 10 de maio haverá uma jornada de bênçãos para uniões homossexuais em toda a Alemanha e o Bispo de Essen, dom Josef Overbeck, disse que não vai punir os padres que participem dela. A jornada é um protesto contra o documento da Congregação da Doutrina da Fé que, no dia 15 de março, vetou, com um Responsum, as bênçãos a uniões homossexuais.

“A desobediência manifestada pela recusa em cumprir o responsum papal rompe a unidade com o Papa”, diz o padre alemão Gero Weishaupt, doutor em direito canônico pela Universidade Gregoriana de Roma, ex-vigário judicial da diocese de Hertogenbosch, na Holanda e, desde 2013, juiz diocesano de Colônia, na Alemanha.

“É um ato cismático, é claro, com uma heresia subjacente, na medida em que a bênção das relações homossexuais expressa pelo menos a visão de que, além do casamento entre um homem e uma mulher, pode haver outras relações destinadas à união sexual”, explica o canonista.

“Isso contradiz abertamente a verdade revelada sobre o casamento (Gn 1:27: Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou) e a natureza essencial do ser humano, a partir da qual a lei moral natural é derivada pela razão humana”, esclareceu.

O responsum da Congregação para a Doutrina da Fé foi emitido no dia 15 de março último. A congregação alega que a Igreja “não tem poder” para abençoar essas uniões porque não pode “abençoar o pecado”. As relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são pecado grave, diz o Catecismo da Igreja Católica. O texto, assinado pelo prefeito da congregação, cardeal Luís Ladaria Ferrer foi autorizado pelo papa Francisco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No mesmo dia, como forma de protesto, um grupo de padres da Alemanha convocou para o próximo 10 de maio uma jornada de bênçãos que incluirá pares do mesmo sexo. Os padres também entregaram um abaixo-assinado aos membros do Caminho Sinodal da Alemanha, pedindo que a Igreja mude a doutrina sobre homossexualidade.

“Se apesar do Responsum da Congregação para a Doutrina da Fé – que foi publicado por ordem do Papa Francisco, que assim deixou claro que ele o reivindica como seu – um bispo que permite as tais bênçãos em sua diocese, as encoraja, ou simplesmente tolera o fato sem aplicar a pena prescrita, atua claramente em desobediência ao papa”, disse à agência austríaca Kath.net em entrevista publicada nesta semana o padre Weishaupt. “A desobediência, portanto, diz respeito diretamente ao Papa, e à CDF indiretamente”.

“Com esta desobediência, o bispo quebra o juramento de fidelidade que fez ao tomar posse. Além desta promessa de fidelidade ao Papa, o bispo promete ainda proteger a unidade da Igreja universal e, portanto, fazer todos os esforços para preservar a fé pura e inalterada que foi transmitida pelos Apóstolos”, diz o perito. Portanto, ele é “obrigado a promover o ordenamento comum de toda a Igreja e, portanto, a insistir que todas as leis eclesiásticas sejam obedecidas”.

O padre Weishaupt afirma que “quanto às consequências canônicas, um bispo que ignora a proibição papal de bênçãos para casais do mesmo sexo e age contra ela incorre automaticamente na excomunhão, como pena latae sententiae”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A excomunhão latae sententiae é automática, dispensa uma sentença explícita do papa.

Leia também
A decadência da Igreja na Alemanha

Weishaupt diz, no entanto que a pena deve ser “declarada pelo papa por decreto, após uma advertência privada, para que possa surtir efeito canônico no foro público”.

O canonista explica que, se o infrator mostrar remorso e desistir da ofensa e tentar repará-lo, tem o direito de que a excomunhão seja revogada. Se ele não corrigir sua conduta, “a Sé Apostólica pode punir o bispo de outras maneiras também, por exemplo, através da deposição”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre o caso do bispo de Essen, Weishaupt considera que “se o próprio bispo ignora o responsum, provavelmente não sancionará um padre ou agente pastoral nessas circunstâncias”.

Neste caso, diz, “os fiéis leigos podem recorrer ao Núncio Apostólico ou diretamente ao Papa ou a um dicastério romano, seja a CDF, ​​Congregação para os Bispos, Congregação para o Clero e, porque a bênção configura um abuso litúrgico, até mesmo para a Congregação para Adoração Divina e Disciplina dos Sacramentos”.

Segundo o Direito Canônico, os fiéis leigos têm “o direito e às vezes até o dever de fazer conhecer a sua opinião aos pastores espirituais em questões relativas ao bem-estar da Igreja”, afirmou o sacerdote.

Foi o que fizeram os bispos, padres e leigos, que assinaram um apelo ao papa Francisco para que “acabe com o Caminho Sinodal” na Alemanha, que discute mudanças na moral sexual da Igreja, incluindo o homossexualismo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo uma fonte de Portugal, onde nasceu a iniciativa, os assinantes pretendem que o apelo seja entregue ao Papa Francisco na Casa Santa Marta.

Leia também
Dia das Mães: A missão das mães católicas e os desafios do mundo atual

Que cisma?

Um ato de desafio a Roma na igreja de língua alemã está marcado para segunda-feira, que muitos comentaristas decidiram considerar como o início do cisma de nossos dias. Mas na segunda-feira a igreja alemã permanecerá a mesma de hoje, e é improvável que o Vaticano lance um anátema.

Nesta segunda-feira, um ato de desafio a Roma está planejado na igreja de língua alemã que muitos comentaristas decidiram considerar como o início do cisma de nossos dias. Mas na segunda-feira, a Igreja alemã permanecerá a mesma de hoje, e o Vaticano provavelmente não lançará um anátema.

Que cisma? Apenas um terço dos católicos autoproclamados na América acredita na presença real de Jesus na Eucaristia. Mas ninguém fala sobre o “cisma norte-americano” e sim sobre o cisma alemão. A única diferença real é que, no primeiro caso, a hierarquia não vê razão para fazer proclamações de rebelião e, no segundo, parece que sim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quer dizer, já existe algo que pode ser considerado pior do que um cisma, um cisma das almas, dos fiéis; um cisma dos pastores também, se quiser, mas sem drama e sem explicitar. É suficiente que ninguém pronuncie a palavra “cisma” para que as coisas continuem a partir de segunda-feira mais ou menos como têm feito agora, em uma apostasia lenta, um sangramento silencioso sem drama desnecessário, uma putrefação serena.

A questão é que é muito difícil para Francisco fazer algo a respeito, tomar alguma medida nítida e clara que ponha um mínimo de ordem e dissipe a enorme confusão.

Para começar, há outras coisas, assuntos pelos quais ele mostrou mais interesse do que os especificamente doutrinários. Nos últimos dias, ele se ocupou com ardente interesse na regulação das finanças internacionais, nos movimentos populacionais de massa, na luta contra as mudanças climáticas, enquanto os fiéis minimamente atentos às questões eclesiais contemplavam os desafios inusitados do ‘caminho sinodal alemão para a unidade da Igreja.

Leia também
O chefe do episcopado alemão diz que não nega a comunhão a nenhum protestante

Um esclarecimento doutrinário, por outro lado, exigiria um retorno àquela linguagem precisa, exata, completamente unívoca que a Igreja sempre usou em suas definições doutrinárias (que foram feitas em latim, uma língua cujos significados não podem mais ser distorcidos por uso, não é algo alheio a essa precisão), isto é, algo de que Francisco fugiu ao longo de seu pontificado. Há anos que deixa as Dubias sem resposta sobre a exortação pós-sinodal Amoris laetitia respeitosamente apresentada por quatro cardeais, porque as perguntas exigiam respostas muito precisas, sem a opção de responder com vagas metáforas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A última frase de que me lembro de uma mensagem dele é “somos chamados a sonhar juntos”. o que isso significa, exatamente? Quando antes um conteúdo teológico foi dado a um verbo tão impreciso como “sonhar”? Mas parece bom, parece ótimo, especialmente para algumas gerações criadas assistindo a filmes da Disney.

Terceiro, este é o ‘pontificado da misericórdia’, para não falar do ‘diálogo’ e da ‘escuta atenta’. Uma afirmação dogmática ou meramente doutrinal e clara, que implique uma condenação do caminho percorrido pelo episcopado alemão, suporia aos olhos do mundo uma censura brutal com aquele ‘estilo’, com a misericórdia universal que sonha com um Judas no céu .

Leia também
Na Alemanha, 10 freiras exigem o sacramento da ordem

Sim, nós que temos seguido as decisões romanas já sabemos que esta misericórdia pode ser matizada, que se aplica preferencialmente aos revolucionários, enquanto os tradicionais muitas vezes recebem comissariado, censura, sanções e até excomunhões. Mas são menores, nada na mídia, nada que pareça muito ruim em um jornal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Finalmente, o Santo Padre decidiu unir seu lote com esses mesmos renovadores que agora desafiam sua autoridade. Ele foi eleito sob pressão de um grupo de cardeais que tinha uma agenda específica, para dar impulso à Igreja em uma direção específica. E esse grupo está perdendo a paciência, notando que o Pontífice os está dando por muito tempo e, se me permite, luta contra eles como quer. Mas ele simplesmente não pode romper abertamente com eles, que são seu grande apoio. Para começar, porque ele sabe que não vão obedecê-lo, e isso seria dramático.

Com informações de ACI Digital e InfoVaticana

Leia também
Cardeal Woelki e núncio na Alemanha alertam que o papa deve ser levado a sério para evitar um cisma


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE