Categorias
Mundo

A decadência da Igreja na Alemanha

 

Fiéis em fuga, queda de vocações, igrejas fechadas e edifícios à venda. Os números implacáveis de um cristianismo desaparecendo no coração da Europa, a Alemanha. Uma realidade que não tarda a chegar nas Américas…

O bispo luterano Jobst Schoene explicou que “estamos nos aproximando de uma situação semelhante ao trágico destino do cristianismo no norte da África nos primeiros dias do Islã”. Nos tempos romanos, a Argélia e a Tunísia eram totalmente cristãs e deles vieram Tertullian e Agostinho. Dois séculos depois, o cristianismo foi extinto, substituído pela civilização árabe-islâmica. O “nós” do Bispo Schoene é o coração da velha Europa: o cristianismo alemão. A Alemanha a impôs como o aríete da secularização na Europa.

Hemorragia dos fiéis

Os números são óbvios. A Conferência Episcopal Alemã anunciou um recorde de 272.771 pessoas que deixaram a Igreja Católica em 2019. Um aumento de mais de 56.000 em relação aos 216.000 que o abandonaram em 2019, superando em muito o recorde de 218.000 em 2014. A Igreja Protestante Alemã viu um declínio semelhante: 270.000 deixaram de pertencer a ela em 2019, um aumento de 22% em relação ao ano anterior. A tendência é assustadora.

Em um estudo encomendado pela Conferência Episcopal, pesquisadores da Albert-Ludwig-Universitat, em Freiburg, concluiu que o número total de confissões cristãs – juntamente com católicos e protestantes – passarão dos atuais 45 milhões para 34 milhões em 2035, e em quarenta anos eles terão sido reduzidos para 22 milhões. O número de protestantes na próxima geração cairá dos atuais 21,5 milhões para 10,5 milhões, e o dos católicos de 23 milhões para 12,3 milhões.

Os cristãos entre 25 e 40 anos já não estão mais batizando seus filhos. Isso quando os têm, pois os cristãos têm cada vez menos filhos. Erfurt, a capital luterana da Turíngia, tem metade dos filhos que teve em 1990. Bitterfeld-Wolfen viu sua população cair de 75.000 pessoas em 1989 para 40.500 hoje. Em Kothen, onde Johan Sebastian Bach compôs os Concertos de Brandemburgo, todos eles são velhos, há poucas crianças.

O Grande Frio das Vocações

Faltam Crianças e faltam sacerdotes. Em 1963, as ordenações na Alemanha eram de 400; em 1993, caíram para 238; 2013 a 98; em 2015 a 58… Revela uma pesquisa do jornal da própria Baviera católica, o Soddeutsche Zeitung. 

A Igreja Católica na Alemanha enfrenta uma dramática falta de padres. Nunca antes tão poucos homens se ordenaram padres católicos como no ano passado. A diocese de Mainz não ordenou nenhum padre em um ano. “É uma tendência alarmante”, disse Thomas Sternberg, presidente do Comitê Central dos Católicos Alemães (Zdk), explicando que “no ano passado, de cada onze padres que atingiram a idade de aposentadoria, houve apenas uma ordenação”. “O número de candidatos ao sacerdócio católico caiu de 594 em 2011 para 211 hoje”, explica Heinrich Timmerevers, bispo de Dresden-Meissen. O número de seminaristas caiu. Apenas três seminários diocesanos – Mainz, Munique e Munster – podem permanecer abertos, como observou o grupo de trabalho da Conferência Episcopal Alemã, co-presidida por Timmerevers.

Protestantes estão fugindo em massa do cristianismo. “A Alemanha como o país da Reforma é coisa do passado”, escreveu Astrid Prange na Deutsche Welle. Na Alemanha, berço do protestantismo, um estudo realizado pela Universidade de Munster revelou que a adesão a igrejas protestantes caiu de 59% para 29% em poucos anos. Protestantes serão extintos em pouco mais de uma geração. “Socorro, vai desmoronar!”, tem intitulado o Zeit, colocando uma igreja na capa. “As igrejas calcularam seu futuro, mas agora quase ninguém está falando sobre o novo estudo e sobre seu fim”, escreve o primeiro semanário alemão.

Leia também
Bispos alemães enfrentam o Papa Francisco e seguem em frente com sínodo na Alemanha

Igrejas fechadas

De acordo com Dretlef Pollack, professor de sociologia religiosa da Universidade de Munster, apenas 4% dos cidadãos protestantes alemães frequentam regularmente na igreja hoje, em comparação com os 15% que o fizeram em 1950.

No Estado da Saxônia-Anhalt, onde está localizado Wittenberg de Lutero, apenas 13,8% da população pertence à Igreja Protestante. A Igreja Evangélica Alemã perdeu oito milhões de membros de 1990 a 2016.

Um estudo do Evangelische Bank, um banco alemão ligado à principal Igreja Protestante, reproduz entrevistas com 145 gerentes de edifícios em 126 distritos eclesiásticos. 90% deles dizem ter vendido seus bens nos últimos cinco anos. Além disso, 69% pretendem vender mais prédios no futuro. O protestantismo alemão foi colocado à venda. Somente em Essen, no centro da Alemanha, um quarto das igrejas será fechada. Um estudo do Dresdner Bank prevê que, nos próximos anos, metade das igrejas alemãs terão que ser fechadas ou habilitadas para outros usos. Se perdem as histórias de lugares de culto que foram “desconsagrados”: a igreja de São Rafael, em Berlim-Gatow, foi fechada e reestruturada para abrigar um centro comercial; a igreja paroquial de Neuruppin (no nordeste do país) é agora usada como um centro de congressos para gestores; na Igreja de St. Martin em Bielefeld, oeste do país, festas de casamento e banquetes são agora organizados; A Igreja Milow (leste do país) foi transformada na filial de um banco de poupança.

Vamos ver o caso Frankfurt. Na década de 1950, quando Konrad Adenauer era chanceler, 430.000 protestantes viviam nesta cidade. Hoje são 110 mil. A consequência é que um quarto das igrejas da cidade fechou. Uma das dioceses católicas mais antigas do país, Trier, passará de 172 para 35 paróquias, com uma redução de 80%, conforme anunciado pela porta-voz, Judith Rupp.

“A fé evaporou”, disse um melancólico Cardeal Friedrich Wetter, arcebispo de Munique de 1982 a 2007, uma posição que anteriormente era de Joseph Ratzinger. A Arquidiocese de Munique atraiu um único candidato ao sacerdócio em um ano. Ao longo da Arquidiocese de Munique, terra de origem de Bento XVI, existem atualmente apenas 37 seminaristas nas várias etapas de formação, em comparação com um número de quase 1,7 milhões de católicos. Em comparação, a diocese americana de Lincoln, Nebraska, atualmente tem 49 seminaristas para cerca de 96.000 católicos.

A Arquidiocese de Colônia é a maior da Alemanha e uma das mais ricas do mundo, mas planeja reduzir suas paróquias de 500 para 50 até 2030.

Leia também
O verdadeiro perigo “cisma” vem da Alemanha

Tendências irrefutáveis

Em 2001, o então cardeal Joseph Ratzinger disse ao seu futuro biógrafo, Peter Seewald: “A Igreja encolherá numericamente. Quando eu fiz esta declaração, reprovações me choveram todo porque eles disseram que eu era pessimista. Hoje, todas as proibições parecem ter caído em desuso, exceto pelo que é chamado de pessimismo e que muitas vezes não passa de realismo saudável. Em uma cidade como Magdeburg, a porcentagem de cristãos é de apenas 8% da população, incluindo – veja o fato! – todas as confissões cristãs. Dados estatísticos mostram tendências irrefutáveis.

Sabe-se há anos sobre a descrinianização radical de todos os países da Europa Central e do Norte: Suíça, Holanda, Inglaterra, Suécia, Dinamarca… Agora a secularização está sangrando os antigos “bastiões” católicos: Espanha, França, Portugal, Irlanda, Alemanha….

Em 1996, falando aos jornalistas spiegel,o filósofo alemão Martin Heidegger declarou: “Só um Deus já pode nos salvar”. Ok, mas qual?

Traduzido de Infovaticana

Bento XVI está ciente e preocupado com a crise da Igreja na Alemanha

Em uma entrevista publicada por “Alfa e Omega”, na edição do último dia 9, o Bispo Dom Georg Gänswein, secretário de Bento XVI e prefeito da Casa Pontifícia, confirmou que o Papa emérito está ciente do que vem acontecendo com a Igreja Católica em seu país natal. 

Na entrevista, a jornalista Maria Martinez Lopes, perguntou a Dom Gänswein como o Papa Francisco pôde se beneficiar do conhecimento de Bento XVI sobre a Igreja na Alemanha neste momento de crise e como vive o Papa Emérito esta situação. De sua posição privilegiada como secretário de Bento XVI e prefeito da Casa Pontifícia, o sempre discreto Dom Gänswein respondeu:

“Os encontros entre o Papa Francisco e Bento XVI, geralmente no mosteiro Mater Ecclesiae, são sempre encontros extremamente confidenciais. Os detalhes do que falam são apenas conhecidos por eles. 

Obviamente, nunca me permiti a liberdade de perguntar a qualquer um deles sobre o conteúdo de suas entrevistas. Mas, independentemente disso, é claro que a situação da Igreja Católica na Alemanha é atualmente caracterizada por tensões e confusão que são fonte de preocupação. 

Bento XVI está ciente dessa situação em sua pátria. Ele percebe e reconhece a falta de unidade em muitos aspectos fundamentais da fé. 

Infelizmente, falta uma abordagem unitária no episcopado alemão, que exige um esclarecimento o mais rápido possível, evitando consequências graves para a fé e para a Igreja na Alemanha. ”   (JSG)