Categorias
Mundo

Líderes religiosos de todo o mundo denunciam China que promove genocídio entre uigures

Dois cardeais asiáticos junto com 74 outros líderes religiosos divulgaram um comunicado no qual asseguram que o tratamento que o governo chinês dá aos uigures é “uma das mais atrozes tragédias humanas desde o Holocausto”, segundo a InfoCatólica .

O cardeal Charles Maung Bo, arcebispo de Yangon e presidente da Federação das Conferências Episcopais da Ásia, e o cardeal Ignatius Suharyo, arcebispo de Jacarta (Indonésia), estão entre os 76 signatários  que pediram “oração, solidariedade e ação pelo fim essas “atrocidades em massa” contra a minoria muçulmana na China.

“ Depois do Holocausto, o mundo disse ‘Nunca mais’. Hoje, repetimos essas palavras  Nunca mais , uma e outra vez . Estamos com os uigures. Também estamos com budistas tibetanos, praticantes do Falun Gong e cristãos em toda a China que  estão enfrentando a pior repressão à liberdade de religião ou crença  desde a Revolução Cultural ”, disse o comunicado.

“Simplesmente apelamos à justiça para investigar esses crimes, responsabilizar os responsáveis ​​e estabelecer um caminho para a restauração da dignidade humana”, afirma.

Os signatários da carta – que incluem o ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams e outros líderes muçulmanos, judeus, budistas e cristãos – denunciam a prisão de um milhão de muçulmanos na China e a campanha de esterilização forçada, entre outras “muitas perseguições e atrocidades em massa. ».

De acordo com vários relatórios,  entre 900.000 e 1,8 milhão de uigures e outras minorias étnicas foram presos em Xinjiang , a província do extremo noroeste da China. O governo estabeleceu mais de 1.300 campos de detenção nos quais sobreviventes relataram terem sido  submetidos a doutrinação política e anti-religiosa, tortura, espancamentos e trabalhos forçados .

A Associated Press (AP) informou em 29 de junho que muitos uigures também relataram que as autoridades os forçaram a implantar dispositivos intra-uterinos e tomar outras formas de controle de natalidade, bem como a  fazer abortos e esterilizações para fazer cumprir as políticas de planejamento familiar  da China. Um especialista disse à AP que  a campanha é “genocídio, ponto final”.

Além disso, as autoridades estabeleceram um sistema de vigilância em massa na região para acompanhar os movimentos das pessoas, que inclui amostragem de DNA e tecnologia de reconhecimento facial, bem como plataformas de previsão da polícia.

A declaração dos líderes religiosos afirmava que a campanha pela esterilização forçada de mulheres uigures em idade reprodutiva em quatro prefeituras habitadas por uigures poderia elevar esta ação ao nível de genocídio de acordo com a Convenção de 1948 sobre Genocídio.

“ O objetivo claro das autoridades chinesas é erradicar a identidade uigur . A mídia estatal da China afirmou que o objetivo é ‘quebrar sua linhagem, quebrar suas raízes, quebrar suas conexões e quebrar suas origens’ ”, disse o comunicado.

“Parlamentares, governos e advogados têm a responsabilidade de investigar”, diz ele. “Como líderes religiosos, não somos ativistas nem políticos. Mas temos o dever de chamar nossas comunidades para suas responsabilidades de cuidar de seus semelhantes e agir quando estiverem em perigo.

O defensor dos direitos humanos, Benedict Rogers, comentou a declaração  perguntando quando o Papa Francisco e o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, planejam se manifestar e denunciar a situação .

Talvez eles tenham tido seus motivos para esperar até agora. No entanto, agora que muitos de seus próprios clérigos estão falando, o mundo estará esperando por uma resposta desses dois líderes espirituais ”, escreveu Rogers em 10 de agosto. “Quando se trata de genocídio, crimes contra a humanidade e atrocidades em massa, o mundo espera que os líderes religiosos tomem uma posição”.

Traduzido de InfoVaticana