Categorias
Mundo

Grupo de médicos alemães garante que a comunhão é mais segura na boca do que nas mãos

 

Um grupo de médicos alemães escreveu uma declaração à Conferência Episcopal Alemã na qual afirma que “não há razões médicas para proibir a Comunhão na boca”.

O documento é escrito por “médicos de diferentes regiões e com diferentes especialidades médicas”, disse um dos médicos signatários à LifeSite. A iniciativa foi tomada “porque na Alemanha pensávamos que, após o levantamento da proibição da comunhão na boca na Áustria, seria permitida novamente após um pequeno atraso também em nosso país. Mas como não foi mais o caso depois de semanas, começamos esta iniciativa. ‘

O jornal católico alemão Die Tagespost explica com mais detalhes quais são os argumentos deste grupo de médicos.

Segundo o jornal, os médicos confiam, entre outros, no trabalho do virologista de Munique Michael Roggendorf, que atua na área de intervenção em crises de coronavírus.

Segundo esses médicos, as mãos dos comunicantes nas igrejas também são portadoras de vírus e bactérias, pois tocam as bancadas quando estão sentadas e ajoelhadas. Portanto, a recepção da Sagrada Comunhão nas mãos “não pode ser considerada uma alternativa segura [higiênica]”, afirma o relatório.

Se durante a distribuição da Sagrada Comunhão, o padre tocar uma das línguas do comungante, ele pode desinfetar suas mãos. Além disso, ao abrir a boca, você tende a inspirar em vez de expirar, portanto, a dispersão das gotículas não é tão provável. Portanto, o relatório explica, a Comunhão na boca é mais segura do que a Comunhão na mão. Além disso, a habitual posição ajoelhada para comungar na boca cria uma distância mais segura entre o sacerdote e os comungantes.

Resumindo ainda mais os argumentos dos 27 médicos a favor da Comunhão na língua, o relatório do Tagespost diz que o rito tradicional da Santa Missa inclui um procedimento estrito de limpeza das mãos que faz parte da Missa. Em outras palavras, a limpeza do padre não depende de seus próprios caprichos, mas faz parte do rito da missa. Só o padre pode tocar no cálice, na patena e no cibório. Além disso, o sacerdote que celebra a tradicional Missa em latim já não toca mais nada com o polegar e o indicador, que permanecem pressionados um sobre o outro, após a consagração, mantendo assim estes dois dedos especialmente limpos.

Os médicos também dão o exemplo da Suíça, onde a comunhão na boca nunca foi proibida e nenhum caso de infecção por essa via foi relatado.

Traduzido de LSN / InfoCatólica

ALERTA PARA O TEMPO DE ELEIÇÕES!

Espere, não vá embora ainda! Clique aqui para assistir uma formação essencial para nós católicos neste tempo de eleições: Como um cristão deve votar? Assista e compartilhe este vídeo com seus amigos e familiares: