Categorias
Mundo

Freira se ajoelha e evita um massacre: “só atirem em mim”

 

Neste domingo, 28 de fevereiro, uma freira de Mianmar se ajoelhou diante das forças da ordem, implorou para não agirem com violência e assim evitou o massacre de uma centena de pessoas que finalmente se refugiaram em seu convento.

Ann Nu Thawng , é religiosa dos Missionários de San Francisco Javier (SFX), e sua imagem está em todo o mundo. No domingo, 28 de fevereiro, a irmã Nu Thawng saiu à rua e, em lágrimas, se ajoelhou diante dos policiais para pedir-lhes que não atirassem nos manifestantes que exigiam democracia. Sua intervenção evitou um massacre.

Só atirem em mim se quiserem ” disse a freira , “os manifestantes não têm armas e estão apenas mostrando seu desejo pacificamente.”

Cem pessoas aproveitaram o momento para fugir, como confirmou o cardeal Charles Bo , arcebispo de Yangon, em sua conta no Twitter .

Conforme relata a revista Ecclesia , os manifestantes foram presos e tudo pressagiava para o pior, pois as forças da ordem parecem já ter uma ordem para agir com força, como evidenciado pelo fato de pelo menos 18 pessoas terem sido mortas ontem.

Os fatos ocorreram em Myitkina, no estado de Kachin, no norte, nas proximidades da casa das freiras, próximo ao bispado.

Leia também
Meninas cristãs estão sendo seqüestradas e forçadas a se converter, adverte o arcebispo do Paquistão

«Corajosa, simples, dedicada e trabalhadora»

Mas quem é a irmã Ann Nu Thawng? Ela é uma freira birmanesa de 40 anos, natural de Myitkina – uma cidade rural, mas o centro nevrálgico deste estado do norte, na fronteira com a China – que trabalha como enfermeira na clínica que sua congregação atende nas proximidades do bispado , onde também se encontram o seu convento, a catedral, a casa sacerdotal e o seminário menor. “Ela trabalha lá de segunda a sábado e depois cuida dos enfermos no campo de deslocados de Palana, onde a congregação tem um orfanato. Aos domingos, ela vai visitar as irmãs e os enfermos daquele campo ”, explica à Ecclesia uma pessoa que a conhece bem. Nossa fonte a descreve como “uma mulher corajosa, muito simples e dedicada, que está sempre trabalhando e cuidando dos enfermos. É para admirar. O que ele fez veio de seu coração.

Esta manhã, na Eucaristia, a Irmã Nu Thawng recebeu os parabéns pela corajosa intervenção do Bispo da diocese, Monsenhor Francis Daw Tang .

Os Missionários de São Francisco Xavier (SFX) são uma sociedade missionária fundada no final do século XIX em Goa (Índia) pelo padre José Mariano Bento Martins e hoje tem uma importante presença em Kachin. Este estado, uma das maiores presenças cristãs na Birmânia, com uma importante comunidade batista, é atormentado pela violência entre o Tatmadaw (exército nacional) e os guerrilheiros do Exército de Libertação de Kachin. As arbitrariedades, ultrajes e abusos dos militares entre a população civil estão na ordem do dia.

Cardeal Bo: “Rezamos para que não haja violência”

O cardeal Bo prometeu ontem que “o ódio” que “se infiltrou” nas marchas pacíficas (há poucos dias foi noticiado que as manifestações foram agora infiltradas por manifestantes ligados aos militares, que agiriam com violência para que pudessem posteriormente justificar a repressão) não resulta em derramamento de sangue inocente. “Somos todos filhos e filhas da mesma terra, da mesma mãe birmanesa, e devemos ter paciência e tolerância. (…) Repeti muitas vezes: o ódio nunca afasta o ódio: só o amor ”, disse o cardeal na homilia de ontem, coletada no site da arquidiocese. Após as leituras sobre o sacrifício que Deus pediu a Abraão e a Transfiguração, Monsenhor Bo disse que os verdadeiros líderes se sacrificam e servem ao povo obedecendo “à vontade da maioria”.

Posteriormente, e após alertar sobre o perigo das redes sociais (“especialmente o Facebook”), que descreve como “um inferno virtual onde reina o ódio” e “gente boa se torna violenta”, o também presidente da Conferência Episcopal disse que a conquista de paz é o “primeiro dever” para os cristãos, e mais uma vez exortou o diálogo para superar o conflito. A Birmânia precisa da “transfiguração da nação”. E isso requer líderes que, como Jesus, “possam fazer um sacrifício supremo”, “grandes homens de paz e sabedoria”.

Monsenhor Bo dirigiu no dia 3 de fevereiro, logo após o golpe, uma mensagem à nação com pedidos expressos ao povo, ao Exército, aos líderes democráticos e à comunidade internacional.

Traduzido de InfoCatólica com informações de Ecclesia