Categorias
Mundo

China decreta fechamento dos orfanatos católicos e um padre recorre ao papa

 

O Partido Comunista Chinês decretou o fechamento e o cancelamento de todos os orfanatos católicos, muito valorizados por décadas pelos chineses até mesmo por membros do Partido. Um padre chinês, padre Wendao, faz um apelo ao Papa Francisco em nome desses órfãos. Veja o que ele escreve:

Nos últimos tempos, tem havido muitas notícias sobre o fechamento ou supressão de casas para crianças deficientes ou órfãs administradas pela Igreja Católica. Alguns dos casos mais recentes são o Lar São José para Crianças Deficientes em Renqiu, Xianxian (Diocese de Cangzhou) e o Lar Liming (Dawn) em Zhaoxian, ambos em Hebei. Também há notícias sobre os orfanatos católicos Zhangjiakou e Zhengding, também em Hebei. Há dois anos o mesmo aconteceu com um orfanato em Baoji (Shaanxi), cuidado pelas Irmãs do Sagrado Coração.

Muitos chineses olham para essas casas para crianças deficientes com respeito e amor; muitas pessoas os visitam e ajudam no serviço, dando bons frutos de amor na Igreja e na sociedade. Nesses lugares as pessoas aprendem a cuidar e respeitar os “pequeninos” de Deus.

Tenho uma vívida memória de alguns anos atrás, quando fui forçado a assistir a uma sessão de “reforma” no Instituto Central para o Socialismo. Uma professora do curso compartilhou sua experiência depois de visitar os orfanatos católicos para crianças deficientes em Hebei. Ela disse que essas casas foram bem organizadas pela Igreja Católica e resolveram alguns problemas sociais, pois as crianças abandonadas encontraram alguém para cuidar delas. A professora continuou: “Os grupos católicos mostram que não fazem esse trabalho por lucro, mas por amor. E a equipe católica e as freiras que servem [essas crianças] merecem nosso respeito. O amor que eles dão às crianças abandonadas vem de sua fé em Deus. Esse é um fato incomum e raramente visto em outros setores da sociedade ”. Em resumo: embora fosse comunista, ateia, ela reconhecia os serviços que a Igreja Católica prestava à sociedade.

Agora, o governo não está apenas ignorando a maravilhosa contribuição e o serviço social de alta qualidade que a Igreja Católica oferece, ele está destruindo-a! As autoridades ordenaram às freiras que fechassem os orfanatos e transferissem as crianças órfãs e deficientes que estavam com elas para instituições do Estado. Note-se que essas pessoas são os mesmos representantes do governo que, no passado, consideravam que o registro da identidade dessas crianças era um incômodo e não fazia sentido. O que aconteceu? Eles mudaram, eles se tornaram gentis durante a noite? É claro que o objetivo do governo não é servir às crianças abandonadas, mas seguir as ordens políticas de seus superiores: fazer todo o possível para reduzir a influência da Igreja Católica na China. Por isso, sejam os serviços sociais ou a vida da Igreja, o governo reprime implacavelmente tudo ou impõe uma série de medidas de controle.

Leia também
Caça aos cristãos: China oferece recompensas por informações sobre igrejas clandestinas

Durante a Semana Santa e na Páscoa deste ano, muitos fiéis em diferentes partes da China espalharam mensagens cheias de tristeza porque não puderam participar das liturgias da Semana Santa. Dizem que gostariam de participar das cerimônias, mas as igrejas foram fechadas. Shopping centers e atrações turísticas estão abertos – por que não a igreja? Parece que isso se deve à pandemia, mas na verdade existe um controle mais rígido sobre a Igreja. Dias atrás, outra notícia triste foi divulgada de Xangai: “devido à pandemia de Covid-19, qualquer peregrinação a Sheshan (Xangai) será proibida” precisamente nos próximos meses, quando a bendita Mãe de Deus é homenageada e celebrada.

Casos semelhantes ocorrem não apenas em igrejas, mas também em escolas em todos os níveis. O governo reforçou o controle sobre a fé religiosa de alunos e professores, do ensino fundamental à universidade, e eles fazem todo o possível para controlar todos os ambientes educacionais para que nenhuma atividade religiosa ou da Igreja ocorra.

Alguns fiéis comentaram que a escola divulgou documentos para investigar a fé religiosa de alunos e professores. Quando descobrem que têm uma fé religiosa (e principalmente católica), alguns foram persuadidos a abandonar o caminho educacional, outros foram advertidos por pressões psicológicas; alguns professores receberam ameaças de que suas carreiras estavam em risco, outros foram desprezados em público. O objetivo é chegar a zero crentes na escola, fazendo com que alunos e professores entendam que é melhor não acreditar em nenhuma religião.

Enquanto escrevo isto, o Acordo (provisório) entre a China e o Vaticano vem à mente. Quando foi assinado, a Igreja na China ficou muito animada. Todos eles esperavam por “dias melhores”. Além disso, um grande número de pessoas na igreja estava entusiasmado e para muitos fiéis a luz finalmente estava alcançando a China. A mídia chegou a dizer que o Papa viria à China em breve.

À luz desta esperança, os fiéis chineses aceitaram esses bispos como pastores oficiais da Igreja. Mas, de fato, uma organização não reconhecida pela Igreja, a Associação Patriótica, ofuscou os princípios dos fiéis e se tornou um modelo oficial. Alguns padres que cultivam o “sonho de [ser] bispo” agitam a bandeira do pacto sem considerar se há vantagens para a Igreja, e impõem desavergonhadamente, como no mercado Liu’yin em Pequim, olhando para as próprias vantagens.

Assista também uma análise sobre esse acordo:
Vaticano entrega aos comunistas o controle da Igreja Católica na China

Era inevitável que tudo isso acontecesse como consequência do Acordo Sino-Vaticano. E o acordo, bem como as indicações que o Papa deu à Igreja chinesa após o acordo, mostram que este “acordo” deve ser mantido. Todos esperavam que houvesse mais concessões em favor das autoridades da Igreja e dos interesses gerais das mesmas, pensando que em breve a Igreja faria mais ajustes.

O que ocorreu depois do acordo do Vaticano com a China foi o inverso do esperado e isso congelou o sentimento dos fiéis. Muitas igrejas foram fechadas; os jovens menores de 18 anos estão proibidos de participar em qualquer atividade eclesial; os pequenos centros comerciais da Igreja [livrarias, objetos, lembranças, …] foram forçados a fechar; seminários menores também encerrados; publicações da igreja como “Faith Press Weekly” foram suspensas; a organização “Xinde (fé)” foi corrigida; todas as igrejas são obrigadas a pendurar cartazes e bandeiras para promover as idéias do Partido Comunista; e, finalmente, em nome da pandemia, todas as cerimônias da igreja pública foram proibidas.

No passado, quando essas coisas aconteciam, a Igreja chinesa (e a Igreja universal) estava disposta a encorajar e apoiar. Agora, devido ao Acordo, a voz da justiça do Papa calou-se.

Talvez tenha algum significado que a sé episcopal de Hong Kong ainda esteja vaga desde a morte [cerca de dois anos atrás] de Dom Michael Yeung Ming-cheung. Este é um fenômeno muito anormal na Igreja. Alguns padres dizem que isso também se deve ao acordo provisório sino-vaticano. Mesmo diante dos protestos de Hong Kong contra a lei de extradição, que mobilizou as manifestações de milhões de pessoas, e da perseguição, a Santa Sé permaneceu em silêncio.

Embora seja o campo missionário mais importante da Ásia, os assuntos da Igreja na China derivam da Congregação para a Evangelização dos Povos – responsável pela obra missionária – e agora estão sob a responsabilidade direta do Secretário de Estado. Os assuntos da Igreja tornaram-se políticos e tudo está a serviço da política. É por isso que muitas vezes ouvimos o Cardeal Pietro Parolin dizer que “somos positivos e otimistas quanto às relações entre a China e o Vaticano. A Santa Sé está fazendo todo o possível para garantir a vida normal da Igreja chinesa, incluindo a liberdade de crença e a comunhão com o Papa.

Leia também
Governo chinês estabelece normas para nomeação de bispos sem participação do Vaticano

O otimismo do Card. Parolin também nasce da esperança de que a assinatura do Acordo Provisório tenha despertado. Seguindo esta linha de pensamento, todos têm confiança, especialmente os bispos que ocupam “cargos públicos”. A sua voz festiva e confiante cobre a realidade da Igreja perseguida e cobre as outras vozes carregadas de emoções dolorosas.

Na China, as pessoas que acreditam em Cristo são uma minoria. Freqüentemente, são discriminados e reprimidos. O mundo exterior tem dificuldade em ouvir suas vozes. E agora, com os gritos alternativos desses bispos com “cargos públicos”, as verdadeiras vozes ficam ainda mais obscurecidas.

A maioria das crianças sob os cuidados das irmãs tem deficiências, algumas físicas, outras mentais. São pessoas que precisam de alguém para cuidar delas; são abandonados pelos pais e pela sociedade e sofrem dores físicas e emocionais. Diante dessas injustiças, eles são a voz mais fraca. E agora, diante desta dura realidade, a Igreja universal continuará calada e ignorando o seu pedido de ajuda?

Por fim, gostaria de pedir ao Papa, pai da Igreja universal: Santidade, ouça esta voz, a voz mais fraca e verdadeira da Igreja na China.

Postado originalmente em asianews.it | Traduzido de Infovaticana

Leia também
O Partido Comunista Chinês continua determinado a extinguir a fé católica