Categorias
Vaticano

Governo chinês estabelece normas para nomeação de bispos sem participação do Vaticano

 

O acordo entre o governo comunista chinês e o Vaticano foi renovado em outubro de 2020, mas os termos do acordo nunca foram totalmente divulgados. Assista uma análise completa sobre o acordo no final do artigo.

Se você vai jantar com o diabo, diz um velho ditado inglês, você precisará de uma colher muito comprida. Imagino que a diplomacia vaticana, uma das mais antigas e eficazes do mundo, os prometeu com muita alegria quando Pequim se abriu para negociar um acordo com a Santa Sé, ou seja, com a própria Igreja Católica.

O resultado pode ser um triunfo maravilhoso para o Vaticano, para o pontificado de Francisco, em muitos aspectos, pelo menos um golpe em sua imagem. Por si só, normalizar as relações diplomáticas com o gigante asiático pela primeira vez na história recente seria um passo gigantesco, permitindo que os canais oficiais pressionassem a favor da população católica chinesa, condenada à perseguição, ostracismo e cisma.

Os chineses não parecem se sentir limitados pelo acordo. Desde o seu anúncio – que permanece em segredo nos seus detalhes – temos narrado a crescente perseguição aos clérigos e fiéis chineses por parte do governo de Pequim, como advertiu desde o início o arcebispo emérito de Hong Kong, cardeal Joseph Zen., Que, embora ele conhece bem seus compatriotas do PCCh, pregou no mais absoluto deserto.

As autoridades decretaram o que os padres deveriam pregar em suas igrejas (e quais não), como eles deveriam incluir elogios ao socialismo (incompatível) com características chinesas em suas pregações, ou como os fiéis deveriam substituir imagens e crucifixos em suas casas por imagens de Mao ou Xi Jinping.

De acordo com o site ACI Digital, segundo as novas normas que entrariam em vigor a partir de 1º de maio, a Associação Patriótica Católica Chinesa (APCC), controlada pelo governo comunista, será a instituição que selecionará e aprovará os bispos. O texto não menciona o Vaticano no processo.

As novas “Medidas Administrativas para o Clero Religioso” na China foram traduzidas pela revista Bitter Winter, especializada em informações sobre liberdade religiosa na China.

De acordo com essas medidas, a APCC ficará encarregada de todo o processo com os novos bispos, que depois serão “aprovados e consagrados pela Conferência de Bispos Católicos da China”.

Estas normas não mencionam o papel do Vaticano na aprovação dos bispos, apesar do acordo assinado com a China em 2018, segundo o qual as autoridades da Santa Sé e do governo chinês deveriam se encarregar do processo de nomeação dos bispos.

O acordo foi renovado em outubro de 2020, mas os termos do acordo nunca foram totalmente divulgados.

Assista a seguinte análise antes de continuar a leitura:

Segundo alguns relatórios, o acordo permite que a APCC, controlada pelo governo chinês, selecione candidatos que poderiam ser aprovados ou vetados pelo Vaticano. Quando o acordo foi renovado em outubro, o jornal do Vaticano informou que dois bispos foram nomeados no “âmbito regulatório estabelecido pelo acordo”. O Vaticano confirmou em novembro que um terceiro bispo foi nomeado desta forma.

O Cardeal Joseph Zen ze-kiun, Bispo Emérito de Hong Kong e crítico do acordo, disse que este pode colocar o Vaticano na posição de ter de vetar repetidamente os candidatos apresentados pela China.

O acordo também teve como objetivo unificar a APCC com a Igreja Católica clandestina ou subterrânea que sempre se manteve fiel e em comunhão com o Papa. Acredita-se que seis milhões de católicos fazem parte da APCC, enquanto outros vários milhões pertencem a comunidades católicas que sempre permaneceram leais à Santa Sé.

Segundo as novas regras, assim que um bispo for consagrado, a APCC e a Conferência Episcopal enviarão as informações à Administração de Assuntos Religiosos do Estado.

O registro do clero no banco de dados é uma parte essencial das novas medidas administrativas, segundo as quais os clérigos devem promover os valores do Partido Comunista Chinês.

Por exemplo, o artigo III das medidas administrativas afirma que o clero “deve amar a pátria, apoiar a liderança do Partido Comunista Chinês, apoiar o sistema socialista” e “aderir-se à direção da sinicização da religião na China”.

A prática de sinicização foi anunciada e implementada pelo presidente Xi Jinping nos últimos anos. Os críticos a consideram como uma tentativa de forçar a prática religiosa sob o controle do governo chinês e alinhada com os valores da APCC.

Além disso, espera-se que os clérigos “trabalhem para manter a unidade nacional, a harmonia religiosa e a estabilidade social”.

A seção D das medidas afirma que o clero deve “guiar” os cidadãos “a serem patriotas e obedientes à lei”. Estão proibidos de trabalhar para “minar a unidade nacional” ou apoiar “atividades terroristas”.

Não fica claro como o governo chinês define “terroristas” nessas novas medidas. Em Hong Kong, a lei de segurança nacional foi imposta de fora pela legislatura nacional em 2020. Nessa lei, o “terrorismo” inclui atos como incêndios ou vandalizar o transporte público.

Os membros registrados do clero na China não podem “organizar, acolher, organizar ou participar de atividades religiosas não autorizadas que ocorram fora de locais autorizados para atividades religiosas” e não podem pregar em escolas que não tenham conotação religiosa.

Os membros registrados do clero devem pertencer a uma das religiões administradas pelo estado. Os pastores de “igrejas domésticas” ou igrejas “clandestinas” não podem se registrar como clérigos.

A entrada em locais de culto “deve ser regulamentada por meio de entrada estrita, verificação de identidade e registro”, afirma o documento.

As normas também propõem um “programa de capacitação do clero” para a “educação política do clero religioso”, bem como para sua “educação cultural”. O clero também deve ser julgado por sua conduta com um sistema de “reconhecimentos e castigos”.