Categorias
Vaticano

Cardeal Joseph Zen é preso pelo governo Comunista Chinês

A polícia prendeu ontem à noite o Cardeal Joseph Zen Ze-kiun, 90 anos, bispo emérito de Hong Kong e um conhecido defensor do movimento democrático chinês, bem como um opositor do acordo entre a Santa Sé e o país asiático. Foi detido por uma acusação absurda.

Por Aleteia/Infocatolica – A acusação é tão absurda como – na lógica do governo autoritário chinês – plausível e verdadeira. De fato, o prelado chinês, o Cardeal Joseph Zen, que sempre esteve próximo do movimento democrático local, é acusado de “conluio com forças estrangeiras” como parte de uma investigação a uma organização (o 612 Humanitarian Relief Fund) que ajudou os manifestantes de 2019 a pagar os seus honorários legais pela sua defesa após as detenções, bem como as despesas médicas. Isto foi noticiado pelo jornal local The Standard.

O portal Asia News, explica que “o Zen foi um dos administradores da instituição de caridade, que deixou de funcionar em outubro passado. As autoridades prenderam-no juntamente com outros promotores do fundo, incluindo a conhecida advogada Margaret Ng, a académica Hui Po-keung e a cantora e compositora Denise Ho”.

O Cardeal que está há muito tempo na mira do governo chinês pela sua posição contra as políticas de Pequim sobre o controle das atividades religiosas e tinha criticado a introdução da controversa Lei de Segurança Nacional, porque – segundo ele – poderia ser utilizada contra a Igreja. Em janeiro, a imprensa pró-governo publicou quatro artigos acusando-o de incitar estudantes a se rebelarem em 2019 contra uma série de medidas tomadas pelo governo.

Pequim não recebe o cardeal por suas críticas ao controle do Partido Comunista Chinês sobre as comunidades religiosas. Zen condenou a remoção de cruzes fora das igrejas na China e ao longo dos anos realizou missas em memória dos mártires de Tiananmen em Pequim: os jovens massacrados pelas autoridades em 4 de junho de 1989 por clamarem pela liberdade e democracia. O cardeal também é contra o acordo entre o Vaticano e a China sobre a nomeação de bispos.

Defensor ferrendo dos direitos civis em Hong Kong e na China continental, o Cardeal Zen tem frequentemente participado de audiências que terminaram com a sentença de prisão de políticos e ativistas pró-democracia acusados de violar a lei de segurança nacional.

O cardeal Kung passou 30 anos em prisões chinesas por desafiar as tentativas da China de controlar os católicos na igreja estatal do país, a Associação Católica Patriótica Chinesa.

Sua oposição ao acordo entre a Santa Sé e a China para a nomeação de bispos também é bem conhecida.

Leia também
Prisão do Cardeal Zen testará acordo do Vaticano com a China comunista

Cardeal Zen

Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, completou 90 anos em janeiro passado. Um aniversário que o cardeal celebrou de forma simples com seus sucessores: o novo bispo Stephen Chow Sau Yan e o Cardeal John Tong.

O Cardeal Zen nasceu em Xangai em 13 de janeiro de 1932. Ele foi ordenado padre em Turim em 11 de fevereiro de 1961.

O Papa João Paulo II nomeou-o bispo coadjutor de Hong Kong em 13 de setembro de 1996, aos 64 anos. Foi bispo de Hong Kong em 23 de setembro de 2002. Bento XVI criou-lhe um cardeal no consistório de 24 de março de 2006.

Em 15 de abril de 2009, aos 77 anos, Benedict aceitou a demissão de Zen, nomeando John Tong Hon como seu sucessor.

O cardeal chinês tem sido um crítico ferrenho do famoso acordo secreto entre a Santa Sé e o governo comunista da China para a nomeação de bispos, assinado em 2018. Além disso, ele não teve escrúpulos em criticar, nos últimos anos, algumas decisões que foram tomadas na Igreja, como a defenestração da Missa Tradicional ou as missas individuais em São Pedro.

Leia também
Cardeal Zen: “O governo comunista da China quer a rendição do Vaticano”

O Cardeal Zen tem sido muito crítico do regime chinês e também dos acordos assinados pela Santa Sé com o regime comunista. Em 2020, ele se referiu à perseguição sofrida pelos católicos na China e ao pacto secreto assinado pelo Vaticano com a administração comunista. A China, diz Zen, hoje oferece a imagem de um país rico, mas “em um regime totalitário as pessoas contribuem para a riqueza da nação sem obter uma parte justa de sua prosperidade. Na China, as pessoas são escravas do Partido Comunista.” E os escravos, acrescenta Zen, “não são permitidos o luxo da dignidade”.

O cardeal Zen, disse Lord Alton, está “seguindo seus passos” sendo “inabalável em sua coragem e determinação de não trair todos aqueles que sofreram por sua fé nas mãos do Partido Comunista Chinês (PCC)”.

Leia também
Vaticano entrega aos comunistas o controle da Igreja Católica na China