Categorias
Vaticano

Bento XVI reafirma a Fé: a legalização das uniões LGBT deve ser rejeitada

Na introdução de um novo livro, Bento XVI alertou que qualquer tipo de legalização das uniões homossexuais, que até mesmo alguns bispos defendem (quando não são chamados de casamento), é uma perversão do direito natural e uma revolução oposta a toda a tradição da humanidade até hoje. O pontífice emérito, que assegura que a deriva começou com a aceitação da contracepção, reafirma o que a Igreja sempre ensinou sobre essas questões, uma doutrina que defendeu como Cardeal Prefeito da Doutrina da Fé, endossada por João Paulo II, e depois como Papa.

O último livro do Papa Emérito Bento XVI chamado “Verdadeira Europa, Identidade e Missão” acaba de ser publicado em italiano. O livro, cujo prólogo está no comando do Papa Francisco, foi publicado por ocasião do 50º aniversário das relações diplomáticas entre a Santa Sé e a União Europeia. O livro corresponde ao terceiro volume de uma coleção de obras e textos de Ratzinger.

O livro, que conta com 264 páginas, é o terceiro volume de um projeto editorial que reúne uma seleção de textos de Joseph Ratzinger-Bento XVI. Os dois trabalhos anteriores também foram prefaciados pelo Papa Francisco.

Em seu texto de pouco mais de duas páginas enviado ao editor em abril passado, Bento XVI faz uma análise em quatro etapas. Primeiro, ele explica que “o ‘casamento homossexual’ está em contradição com todas as culturas da humanidade que se sucederam até agora”.

Nunca antes se questionou o fato de que “a existência do homem – como homem e mulher – [era] destinada à procriação”, observa.

O papa emérito começa dizendo que “com a legalização do ‘casamento entre pessoas do mesmo sexo’ em dezesseis países europeus, a questão do casamento e da família assumiu uma nova dimensão que certamente não pode ser ignorada”. Da mesma forma, ele assegura que “estamos testemunhando uma distorção da consciência que evidentemente penetrou profundamente em setores do povo católico e isso não pode ser respondido com um pequeno moralismo ou mesmo com alguma referência exegetical”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Bento XVI afirma que acha importante observar que o conceito de “casamento entre pessoas do mesmo sexo” está em contradição com todas as culturas da humanidade que se seguiram até agora, e, portanto, significa uma revolução cultural que se opõe a toda a tradição da humanidade até agora. Para o sucessor de João Paulo II, “A certeza básica de que o homem existe como homem e mulher é que a transmissão da vida é uma tarefa atribuída ao homem; onde é a comunidade de homens e mulheres que cumpre essa tarefa; e que, além de todas as diferenças, o casamento consiste essencialmente, é uma certeza original que tem sido evidente para a humanidade até agora.”

Leia também
Papa Bento XVI diz que aborto e casamento gay são obra do anticristo

Fertilidade X sexualidade

Essa “certeza original e evidente para a humanidade” foi, segundo ele, revertida com a introdução da pílula anticoncepcional, pois possibilitou a “separação entre fertilidade e sexualidade”.

A partir de então, todas as formas de sexualidade se tornaram “equivalentes”; “Não há mais critérios substantivos”, observa o pontífice emérito.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A partir disso, Bento XVI afirma que, se a sexualidade for separada da fertilidade, “então, inversamente, a fertilidade pode ser pensada naturalmente sem sexualidade”.

A pessoa, portanto, não é mais entendida como “um presente recebido”, mas como um “produto planejado”. Porém, “o que pode ser feito também pode ser destruído”, alerta o teólogo, de 94 anos. E ele observa preocupação com a “tendência crescente” de recorrer ao “suicídio como fim planejado da vida“.

Casamento homossexual

Por fim, o Papa Emérito garante que por trás das reflexões sobre o casamento homossexual, a pílula ou o suicídio assistido se esconde uma “questão fundamental”: “Quem é o homem?

Ele, então, apresenta esta alternativa: “ou o homem é uma criatura de Deus, a imagem de Deus, o dom de Deus, ou o homem é um produto que ele mesmo sabe como criar.”

Leia também
PODE UMA PESSOA COM TENDÊNCIAS HOMOSSEXUAIS SER UM BOM CATÓLICO?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Análise aclamada pelo Papa Francisco

No prefácio do livro, fica evidente o apoio do Papa Francisco às ideias do Papa Emérito. “Fico feliz em apresentar este volume”, diz o Santo Padre, antes de retomar brevemente a alternativa existencial proposta por seu antecessor e as questões que ele levanta.

Francisco também se diz triste pelo fato de que, na Europa, “a ideia de respeito por toda a vida humana está desaparecendo cada vez mais, com a perda de consciência de seu caráter sagrado”.

O Papa continuou: “Ao longo dos anos, Bento XVI não teve medo de denunciar com grande coragem e previdência as múltiplas manifestações dessa dramática renúncia à ideia da criação, até as mais recentes consequências atuais”.

Consequências que, segundo o pontífice argentino, são “descritas de forma absolutamente clara e convincente no texto introdutório [de Bento XVI]”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na conclusão de seu prefácio, o Papa Francisco faz eco à esperança de seu antecessor, convencido de que “o desejo de Deus” está “profundamente inscrito em cada alma humana e não pode desaparecer”.

E para citá-lo: “Nós, humanos, estamos inquietos até encontrarmos Deus. Essa turbulência também existe hoje. É a esperança de que a humanidade, vez após vez, se encaminhe para Deus ”.

Abaixo, oferecemos-lhe o prólogo completo do Papa Francisco que ocupa as duas primeiras páginas do novo livro de seu antecessor.

Tenho o prazer de apresentar este volume, que reúne uma seleção de textos de Joseph Ratzinger/Bento XVI sobre a Europa, publicados por ocasião do 50º aniversário das relações diplomáticas entre a Santa Sé e a União Europeia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com a clareza, acessibilidade imediata e profundidade que a caracterizam, o Papa emérito descreve aqui magnificamente a “ideia da Europa” que, sem dúvida, inspirou seus pais fundadores e está no centro de sua grandeza, e cuja ofuscação definitiva levaria ao seu declínio global e irreversível.

Porque – isto é o que o homem que queria tomar o nome de Bento, também para lembrar a Europa de suas raízes – nos ensina, talvez melhor do que os outros – na base da Europa, de sua criatividade, de sua prosperidade saudável e, acima de tudo, de sua humanidade, há o humanismo da Encarnação. Joseph Ratzinger escreve que “a figura de Jesus Cristo está no centro da história europeia e é a base do verdadeiro humanismo, de uma nova humanidade. Pois se Deus se tornou homem, o homem adquire uma dignidade totalmente nova. Se, por outro lado, o homem não é nada mais do que o produto da evolução aleatória, então sua própria humanidade é uma coincidência, de modo que em algum momento será possível sacrificar o homem por fins aparentemente mais altos. No entanto, se Deus criou e quiser cada homem individualmente, as coisas são completamente diferentes. E se o próprio Deus se tornou homem, se ele mesmo sofreu pelo homem, então o homem compartilha a dignidade de Deus. Quem estiver errado sobre o que o homem está ataca o próprio Deus.”

Leia também
O dia em que Ratzinger explicou por que é errado votar em candidatos pró-aborto

Além de tantas palavras e proclamações de alto som, na Europa de hoje a ideia de respeito por toda a vida humana está cada vez mais perdida, a partir da perda da consciência de seu caráter sagrado, ou seja, da obscuridade da consciência de que somos criaturas de Deus. Ao longo dos anos, Bento XVI não teve medo de denunciar com grande coragem e clarividência as múltiplas manifestações dessa dramática renúncia à ideia de criação, até as consequências atuais e finais, descritas de forma absolutamente clara e convincente no texto que introduzo.

Embora o livro esteja imbuído de grande realismo, ele não permanece no pessimismo e na tristeza, pelo contrário: “Uma razão para minha esperança”, ele escreve, “é que o fato de desejar a Deus, a busca de Deus, está profundamente inscrito em toda alma humana e não pode desaparecer. Certamente, por um tempo, pode-se esquecer De Deus, colocá-lo de lado, cuidar de outras coisas; mas Deus nunca desaparece. É simplesmente verdade o que Santo Agostinho diz, que os humanos estão inquietos até encontrarmos Deus. Essa preocupação também existe hoje. É a esperança de que o homem sempre, mesmo hoje, siga o caminho para este Deus.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assim, revelando o segredo de sua alegria nestes tempos difíceis, Bento XVI também nos mostra o caminho para o renascimento da Europa.

Traduzido de Infovaticana

Leia também
Papa Bento XVI nos ensina os 10 Erros da Teologia da Libertação


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE