Papa Bento XVI nos ensina os 10 Erros da Teologia da Libertação

Temos recebido muitas perguntas sobre o que é a Teologia da Libertação (TL) de cunho marxista; e isto é muito bem explicado pelo Papa Bento XVI em muitos de seus artigos e livros.

Vamos resumir em 10 itens o que o Papa Bento XVI explica sobre os erros da Teologia da Libertação. As frases entre aspas são do Papa:

1. “A TL substituiu a palavra “salvação” por “libertação”, aplicada em cunho político. Propõe resolver o problema da injustiça social, especialmente na América Latina, pela “mudança radical das estruturas do mundo”, que são estruturas de pecado e do mal. Não é pela conversão pessoal, mas somente mediante a luta contra as estruturas injustas. E esta luta “precisa ser uma luta política”, pois as estruturas se mantém e se consolidam por meio da política”.

2. Afirma Bento XVI: “Para a TL a salvação tornou-se um processo político, para o qual a filosofia marxista oferecia as diretrizes essenciais. Assim, a salvação tornou-se uma tarefa que o próprio homem podia realizar. A salvação consistiu, a partir de então, uma esperança exclusivamente prática”.

3. O homem passa a ser o salvador do próprio homem, anula-se a Redenção que Cristo conquistou com sua Cruz. Aqui está o grande perigo de uma TL de fundo marxista. Toda espiritualidade católica cai por terra e perdem a sua importância os sacramentos, mandamentos, etc.

4. “A TL não entra em nenhum esquema de heresia até hoje existente; é a subversão radical do Cristianismo, que torna urgente o problema do que se possa e se deva fazer frente a ela”.

5. “A TL se concebe uma nova hermenêutica [interpretação] da fé cristã, como nova forma de compreensão e de realização do cristianismo na sua totalidade. Por isto mesmo muda todas as formas da vida eclesial: a constituição eclesiástica, a liturgia, a catequese, as opções morais”.

6. “Os teólogos da libertação continuam a usar grande parte da linguagem ascética e dogmática da Igreja em chave nova, de tal modo que aqueles que leem e que escutam partindo de outra visão, podem ter a impressão de reencontrar o patrimônio antigo”.

7. “A comunidade “interpreta” com a sua “experiência” os acontecimentos e encontra assim sua “práxis”. Assim, por exemplo, “Povo” torna-se um conceito aposto ao de “hierarquia” e em antítese a todas as instituições indicadas como forças da opressão”. “O Reino de Deus não deve ser compreendido espiritualmente, nem universalmente… Deve ser compreendido em forma partidária e voltado para a práxis”.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

8. “A TL vê no Magistério da Igreja, que insiste em verdades permanentes, uma instância inimiga do progresso, dado que pensa “metafisicamente” e assim contradiz a “história”. Pode-se dizer que o conceito de história absorve o conceito de Deus e de revelação”.

9. “O Êxodo se transforma em uma imagem central da história da salvação; o mistério Pascal é entendido como um símbolo revolucionário e, portanto, a Eucaristia é interpretada como uma festa de libertação no sentido de uma esperança político-messiânica e da sua práxis”.

10. “A verdade não deve ser compreendida em sentido metafísico; trata-se de “idealismo”. A verdade realiza-se na história e na práxis. A ação é a verdade. A única coisa decisiva é a práxis. A práxis torna-se, assim, a única e verdadeira ortodoxia”.

O marxismo foi muitas vezes condenado pelos papas. Como pode, então, esta ideologia ser a base de uma teologia? O marxismo prega a luta de classes, o materialismo e ateísmo, é inimigo da religião e da liberdade religiosa, elimina a propriedade privada, impõe a estatização das empresas e a coletivização das terras, impõe a ditadura de partido único do proletariado, o fim da liberdade de imprensa, de ir e vir, etc.. A aplicação dele pelo comunismo gerou, segundo “O livro negro do comunismo” (Stephan Courtois e outros), 100 milhões de mortos.

O que é libertação segundo o Magistério da Igreja?

Segundo o Papa Paulo VI:

“Como núcleo e centro da sua Boa Nova, Cristo anuncia a salvação, esse grande dom de Deus que é libertação de tudo aquilo que oprime o homem, e que é libertação sobretudo do pecado e do maligno, na alegria de conhecer a Deus e de ser por ele conhecido, de o ver e de se entregar a ele. Tudo isto começa durante a vida do mesmo Cristo e é definitivamente alcançado pela sua morte e ressurreição; mas deve ser prosseguido, pacientemente, no decorrer da história, para vir a ser plenamente realizado no dia da última vinda de Cristo, que ninguém, a não ser o Pai, sabe quando se verificará” (EN,9).

Por outro lado, a Igreja ensina desde Leão XIII a “Doutrina Social da Igreja”, que não é aceita pela TL como uma opção eficaz para realizar a justiça social e a paz no mundo. A Santa Sé publicou há mais de dez anos o “Compêndio de Doutrina Social da Igreja”, com os ensinamentos de cerca de dez Encíclicas papais sobre o tema. Quem o leu? Quem o aplicou?

Ao apresentar este Compêndio, o Cardeal Camilo Ruíni disse:

“A Doutrina Social da Igreja é como uma verdadeira revolução antropológica, cuja proposta é anunciar a verdade de Cristo na sociedade”. “A Doutrina Social da Igreja é ‘Caritas in Veritate in re sociali’: anúncio da verdade de Cristo na sociedade”.

Outro ponto: nenhuma instituição na terra fez e faz tanta caridade como a Igreja Católica, mas nunca precisou usar de uma ideologia estranha ao Evangelho para isso. Basta examinar a vida de São Francisco, São João Bosco, Santa Teresa de Calcutá (que rejeitava a TL!), São José de Anchieta, Santo Frei Galvão, Santo Padre Pio, São Vicente de Paulo, etc… Nunca usaram nada parecido com a ideologia marxista, apenas a caridade evangélica.

Fonte: Cleofas

Aprofundamento sobre o tema

Aos que desejarem se aprofundar no tema, recomendamos que assistam o curso ministrado pelo Padre Paulo Ricardo contendo 6 aulas, cujo tema é: Marxismo e Revolução Cultural.

Clique aqui para assistir as 6 aulas do curso

Assista a primeira aula:

Curta nossa Página: