Categorias
Vaticano

Vaticano responde episcopado dos EUA sobre comunhão a Biden: “Chegue a um consenso”

 

“Seria enganoso se tal declaração desse a impressão de que o aborto e a eutanásia por si só constituem as únicas questões sérias no ensino moral e social católico que exigem o mais alto nível de responsabilidade por parte dos católicos.”

A orientação veio por meio de uma carta da Congregação para a Doutrina da Fé, assinada por seu prefeito, o cardeal espanhol Luis Francisco Ladaria, enviada em resposta ao presidente dos bispos dos Estados Unidos, José Gómez, arcebispo de Los Angeles, que havia escrito anteriormente para a congregação em 30 de março.

Em sua carta, Gómez informou ao Vaticano que os bispos dos Estados Unidos se preparavam “para enfrentar a situação dos católicos em cargos públicos que apoiam a legislação que permite o aborto, a eutanásia ou outros males morais”, lembra Ladaria na resposta.

«Agradecemos a sua intenção de nos enviar o rascunho do documento sobre a dignidade de receber a Sagrada Comunhão para uma revisão informal antes de sua apresentação ao corpo de bispos para votação», assegura o purpurado espanhol.

A respeito da carta de 2004 do Cardeal Ratzinger ao Cardeal McCarrick, na qual o futuro Papa afirmava que em alguns casos a comunhão poderia ser negada, «esta Congregação respeita a posição do Cardeal Ratzinger de que “estes princípios não estavam destinados ser publicados”. A carta tinha a forma de uma comunicação privada dirigida aos bispos».

«Durante as visitas ad limina de 2004 a que o senhor se refere na sua carta, surgiram várias questões sobre a recepção da Sagrada Comunhão por políticos católicos que apoiavam o chamado ‘direito de escolher’ o aborto», disse o purpurado. Quando a Nota Doutrinal foi discutida durante essas visitas ad limina, “ficou claro que não havia acordo sobre o assunto da comunhão entre os bispos”.

A carta de Ratzinger “deve ser discutida apenas no contexto da Nota Doutrinal autorizada que proporciona o ensino do Magistério sobre a base teológica para qualquer iniciativa relacionada com a questão da recepção digna da Sagrada Comunhão”, diz ele.

Este tema ressurgiu durante as visitas ad limina de 2019-2020 dos bispos dos Estados Unidos. A Congregação aconselhou que “seja estabelecido um diálogo entre os bispos para preservar a unidade da Conferência Episcopal em face das divergências sobre este assunto controverso”.

“A formulação de uma política nacional foi sugerida durante as visitas ad limina apenas se isso ajudasse os bispos a manter a unidade”, esclarece Ladaria, acrescentando que, “dada a sua natureza possivelmente contenciosa, poderia ter o efeito oposto e se tornar uma fonte de discórdia em vez de unidade dentro do episcopado.

“Assim, advertimos durante as visitas ad limina que o desenvolvimento efetivo de uma política nesta área requer que o diálogo ocorra em duas etapas: primeiro entre os próprios bispos e depois entre bispos e políticos católicos pró-aborto dentro de suas jurisdições”. o cardeal.

“A primeira etapa do diálogo ocorreria entre os bispos para que pudessem concordar como Conferência que o apoio à legislação pró-aborto não é compatível com o ensino católico”, disse Ladaria.

«Os bispos devem afirmar como Conferência que« os que estão directamente envolvidos na acção legislativa têm «a obrigação precisa de se opor« a qualquer lei que ameace a vida humana »(Nota Doutrinária art. 4º)», recorda o prefeito.

“Uma vez que este acordo seja alcançado, os bispos poderiam avançar para a implementação da segunda fase em que os Ordinários locais estenderiam a mão e dialogariam com os políticos católicos dentro de suas jurisdições que assumem uma posição pró-aborto sobre a legislação. Sobre aborto, eutanásia ou outros males morais, como um meio de compreender a natureza de suas posições e sua compreensão do ensino católico “, explicou o cardeal em sua carta.

“Uma vez realizadas estas duas etapas de diálogo longo e sereno, a Conferência enfrentará a difícil tarefa de discernir o melhor caminho a seguir para a Igreja nos Estados Unidos testemunhar a grave responsabilidade moral dos funcionários públicos. todos os estágios ”, escreve ele.

Se for decidido formular uma política nacional sobre dignidade para a comunhão, tal declaração deve expressar “um verdadeiro consenso dos bispos sobre o assunto, observando o pré-requisito de que qualquer disposição da Conferência nesta área respeite os direitos dos Ordinários individuais. em suas dioceses e nas prerrogativas da Santa Sé.

A Congregação adverte que qualquer declaração da Conferência sobre os líderes políticos católicos “seria mais bem enquadrada dentro do amplo contexto de dignidade para o recebimento da Sagrada Comunhão por todos os fiéis,” refletindo “sua obrigação de moldar suas vidas. Com todo o Evangelho de Jesus Cristo ao se prepararem para receber o sacramento.

“Seria enganoso se tal declaração desse a impressão de que o aborto e a eutanásia por si só são as únicas questões sérias no ensino moral e social católico que exigem o mais alto nível de responsabilidade por parte dos católicos”, disse Ladaria.

Leia a carta na íntegra:

CONGREGAZIONE PER LA DOTTRINA DELLE FEDE
Città del Vaticano, 7 de maio de 2021
PROT. N. 3277/70 – 82755

Sua excelência,

Obrigado por sua carta de 30 de março de 2021 informando esta Congregação que os bispos dos Estados Unidos estão se preparando para enfrentar a situação dos católicos em cargos públicos que apóiam a legislação que permite o aborto, a eutanásia ou outros males morais. Agradecemos que você planeje nos enviar um rascunho de um documento sobre a dignidade de receber a Sagrada Comunhão para revisão informal antes de ser apresentado ao corpo de bispos para votação.

Com respeito à carta do Cardeal Ratzinger de 2004 ao Cardeal McCarrick, esta Congregação respeita a estipulação do Cardeal Ratzinger de que “esses princípios não deveriam ser publicados.” A carta estava na forma de uma comunicação privada dirigida aos bispos. Na medida em que esses princípios não sejam publicados pela Conferência, eles podem ser úteis na preparação do esboço de seu documento. Deve-se notar que a Nota Doutrinária da Congregação: Sobre Algumas Questões Relativas ao Compromisso e Conduta dos Católicos na Vida Política (2002) é anterior à comunicação pessoal do Cardeal Ratzinger. Durante as visitas ad limina de 2004 a que se refere na sua carta, surgiram várias questões sobre a recepção da Sagrada Comunhão por políticos católicos que apoiavam o chamado “direito de escolher” o aborto. Quando a Nota Doutrinal foi discutida durante essas visitas ad limina, ficou claro que havia uma falta de acordo sobre o assunto da comunhão entre os bispos. Na época, o desenvolvimento de uma política nacional não estava sendo considerado, e o Cardeal Ratzinger ofereceu princípios gerais sobre a recepção digna da Sagrada Comunhão, a fim de ajudar os ordinários locais nos Estados Unidos em suas relações com os políticos católicos. jurisdições. Portanto, a comunicação do Cardeal Ratzinger deve ser discutida apenas no contexto da nota doutrinária autorizada que fornece o ensino do Magistério sobre o fundamento teológico para qualquer iniciativa relacionada com a questão da recepção digna da Sagrada Comunhão.

Quando esta questão ressurgiu durante as visitas ad limina de 2019-2020 dos bispos dos Estados Unidos, esta Congregação aconselhou que um diálogo fosse estabelecido entre os bispos para preservar a unidade da Conferência Episcopal em face das divergências sobre este assunto controverso. A formulação de uma política nacional foi sugerida durante as visitas ad limina apenas se isso ajudasse os bispos a manter a unidade. Esta Congregação observa que tal política, dada a sua natureza possivelmente contenciosa, poderia ter o efeito oposto e se tornar uma fonte de discórdia em vez de unidade dentro do episcopado e da Igreja maior nos Estados Unidos. Assim, advertimos durante as visitas ad limina que o desenvolvimento de políticas eficazes nesta área requer que o diálogo ocorra em duas etapas: primeiro entre os próprios bispos e, em seguida, entre bispos e políticos católicos pró-aborto dentro de suas jurisdições.

A primeira etapa do diálogo aconteceria entre os bispos para que pudessem concordar como Conferência que o apoio à legislação pró-aborto não é compatível com o ensino católico. Portanto, os bispos devem discutir e concordar com o ensino da mencionada Nota Doutrinal que afirma no artigo 3º que “o cristão é chamado a discordar de uma concepção de pluralismo na chave do relativismo moral, prejudicial a ela. necessita de fundamentos verdadeiros e sólidos, isto é, princípios éticos que, pela sua natureza e papel fundacional da vida social, não são ‘negociáveis’ ”. Os bispos devem afirmar como Conferência que “aqueles que estão diretamente envolvidos na ação legislativa têm” a obrigação precisa de se opor “a qualquer lei que ameace a vida humana” (Nota Doutrinária art. 4). Uma vez que este acordo seja alcançado, os bispos podem passar a implementar a segunda fase na qual os Ordinários locais estenderão a mão e se envolverão em um diálogo com os políticos católicos dentro de suas jurisdições que tomam uma posição pró-escolha em relação à legislação sobre aborto, eutanásia ou outra moral males, como um meio de compreender a natureza de suas posições e sua compreensão do ensino católico.

Uma vez realizadas essas duas etapas de diálogo longo e sereno, a Conferência enfrentará a difícil tarefa de discernir o melhor caminho a seguir para a Igreja nos Estados Unidos testemunhar a grave responsabilidade moral dos funcionários públicos católicos. estágios. Se for posteriormente decidido formular uma política nacional sobre dignidade para a comunhão, tal declaração deve expressar um verdadeiro consenso dos bispos sobre o assunto, observando o pré-requisito de que qualquer disposição da Conferência nesta área respeite os direitos dos Ordinários individuais. nas suas dioceses e nas prerrogativas da Santa Sé (cf. Apostolos Suos, 22 e 24). Além disso, a Congregação adverte que qualquer declaração da Conferência sobre os líderes políticos católicos seria mais bem enquadrada dentro do amplo contexto de dignidade para a recepção da Sagrada Comunhão por todos os fiéis, ao invés de apenas uma categoria de católicos, refletindo sua obrigação de conformar seus vive com todo o Evangelho de Jesus Cristo ao se preparar para receber o sacramento (Nota Doutrinária art. 4). Seria enganoso se tal declaração desse a impressão de que o aborto e a eutanásia por si só constituem as únicas questões sérias no ensino moral e social católico que exigem o mais alto nível de responsabilidade por parte dos católicos.

Todo esforço deve ser feito para dialogar com outras conferências episcopais, pois esta política é formulada tanto para aprender uns com os outros quanto para preservar a unidade na Igreja Universal.

Pedimos que esta carta seja compartilhada com todos os bispos dos Estados Unidos.

Assegurando-lhe as minhas mais calorosas saudações pascais e com gratidão pelo seu serviço à Igreja, permaneço,

Atenciosamente em Cristo,
Luis F. Card. LADARIA, S.I.
Prefeito


Sua excelência
Muito Reverendo José H. GOMEZ
Arcebispo de Los Angeles
Presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos
3211 Fourth Street NE
Washington D. C. 20017
ESTADOS UNIDOS

Traduzido de InfoVaticana

Carta do Cardeal Ratzinger aos bispos dos EUA em 2004

Os que desejarem, podem ler uma tradução da carta datada de 2004 do prefeito da Doutrina da Fé, na época Cardeal Joseph Ratzinger, endereçada ao Cardeal Theodore McCarrick e ao Cardeal Wilton Gregory, Presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos.

Dignidade para receber a Sagrada Comunhão

Princípios gerais

  1. Apresentar-se para receber a Sagrada Comunhão deve ser uma decisão consciente, baseada em um juízo fundamentado sobre a própria dignidade, para fazê-lo, de acordo com os critérios objetivos da Igreja, fazendo perguntas como: “Estou em plena comunhão com os católicos Igreja? Sou culpado de algum pecado grave? Incorri em uma pena (por exemplo, excomunhão, interdição) que me proíbe de receber a Sagrada Comunhão? Eu me preparei jejuando por pelo menos uma hora antes? ” A prática de se apresentar indiscriminadamente para receber a Sagrada Comunhão, simplesmente como consequência da presença na Missa, é um abuso que deve ser corrigido (cf. Instrução Redemptionis Sacramentum, números 81, 83).
  2. A Igreja ensina que o aborto ou a eutanásia é um pecado grave. A Carta Encíclica Evangelium vitae, relativa às decisões judiciais ou leis civis que autorizam ou promovem o aborto ou a eutanásia, declara que existe “uma grave e clara obrigação de opor-se por objeção consciente. … No caso de uma lei inerentemente injusta, como uma lei que permite o aborto ou a eutanásia, portanto, nunca é legal obedecê-la, ou ‘participar de uma campanha de propaganda em favor de tal lei ou votar por ela’ ”(n . 73). Os cristãos têm “uma grave obrigação de consciência de não cooperar formalmente em práticas que, mesmo permitidas pela lei civil, são contrárias à lei de Deus. Na verdade, do ponto de vista moral, nunca é lícito cooperar formalmente com o mal. … Tal cooperação nunca pode ser justificada invocando o respeito pela liberdade dos outros ou apelando para o fato de que o direito civil o permite ou exige ”(n. 74).
  3. Nem todas as questões morais têm o mesmo peso moral que o aborto e a eutanásia. Por exemplo, se um católico discorda do Santo Padre sobre a aplicação da pena de morte ou sobre a decisão de declarar guerra, ele não seria considerado, por isso, indigno de se apresentar para receber a Sagrada Comunhão. Embora a Igreja exorte as autoridades civis a buscarem a paz, e não a guerra, e a exercerem discrição e misericórdia ao punir criminosos, ainda seria lícito pegar em armas para repelir um agressor ou recorrer à pena capital. Pode haver uma legítima diversidade de opiniões entre os católicos a respeito de ir à guerra e aplicar a pena de morte, mas não, entretanto, em relação ao aborto e à eutanásia.
  4. Além do julgamento de um indivíduo sobre sua própria dignidade para se apresentar para receber a Sagrada Eucaristia, o ministro da Sagrada Comunhão pode se encontrar na situação em que ele deve se recusar a distribuir a Sagrada Comunhão a alguém, como no caso de um declarado excomungado , uma declarada questionada, ou uma persistência teimosa em pecado grave manifesto (cf. Can. 915).
  5. Quanto ao grave pecado do aborto ou da eutanásia, quando a cooperação formal de uma pessoa for manifesta (entendida, no caso de um político católico, como campanha e votação sistemática pelas leis de aborto e eutanásia permissivas), seu pastor deve se reunir com ele, instruir nos ensinamentos da Igreja, informando-o de que não deve comparecer à Sagrada Comunhão até que a situação objetiva de pecado seja completada, e advertindo-o de que, caso contrário, será negada a Eucaristia.
  6. Quando “estas medidas preventivas não surtiram efeito ou não foram possíveis”, e a pessoa em questão, com teimosa persistência, ainda se apresenta para receber a Sagrada Comunhão, “o ministro da Sagrada Comunhão deve recusar-se a distribuí-la «(cf. Declaração do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos« Sagrada Comunhão e Divórcio, os católicos voltaram a casar civilmente »[2002], números 3-4). Esta decisão, propriamente falando, não é uma sanção ou uma penalidade. Nem é que o ministro da Sagrada Comunhão esteja fazendo um julgamento sobre a culpa subjetiva da pessoa, mas sim que ele está reagindo à indignidade pública da pessoa em receber a Sagrada Comunhão devido a uma situação objetiva de pecado.

[N.B. Um católico seria culpado de cooperação formal no mal e, portanto, indigno de se apresentar à Sagrada Comunhão, se votasse deliberadamente em um candidato precisamente por causa da postura permissiva do candidato sobre o aborto e / ou eutanásia. Quando um católico não compartilha da posição pró-aborto ou da eutanásia de um candidato, mas vota a favor desse candidato por outras razões, isso é considerado cooperação material remota, que pode ser permitida na presença de razões proporcionais.]