Categorias
Análise e Opinião

Papa pode quebrar a Lei do Celibato e permitir Sacerdócio para homens casados

 

A exortação pós-sinodal do Papa Francisco ao Sínodo da Amazônia abolirá o celibato, segundo vários bispos que vazaram o documento.

Assista abaixo o vídeo com a análise deste grave acontecimento:

LifeSiteNews ) – O historiador católico Roberto de Mattei está reivindicando, com base em documentos que recebeu de “vários bispos”, que a exortação pós-sinodal do Papa Francisco no Sínodo da Amazônia abrirá a porta para a abolição do celibato sacerdotal na igreja latina.  

Segundo documentos obtidos por  Corrispondenza Romana , a exortação apostólica, que deve ser lançada em fevereiro, reproduz literalmente um parágrafo dedicado ao celibato sacerdotal no documento final do sínodo.

De Mattei argumenta que a inclusão positiva desse texto na exortação apostólica “efetivamente abriria a porta” para os bispos alemães e outros, criarem um clero casado. “Não há razão para proibir em outras regiões do mundo o que será permitido em algumas partes da Amazônia”, escreve ele.

O LifeSite conversou com Roberto de Mattei esta noite em Roma. Ele confirmou que nos últimos dias um grupo de bispos recebeu uma “parte” do rascunho da exortação apostólica e que pelo menos um bispo compartilhou esse texto com ele. De Mattei confirmou que o parágrafo 111 do documento final do Sínodo Amazônico é reproduzido literalmente no rascunho da exortação apostólica. 

Ele disse que não está claro por que os bispos foram enviados apenas parte do texto preliminar, mas especulou que a medida pode ter como objetivo avaliar as reações dos bispos. De Mattei também teve o cuidado de observar que o texto preliminar recebido pelos bispos pode não ser o texto final promulgado pelo Papa Francisco.

Não são “notícias falsas”, disse o respeitado historiador italiano. 

Bento XVI e o cardeal Robert Sarah foram co-autores de um novo livro sobre o celibato sacerdotal, assumindo uma posição firme contra a ordenação sacerdotal de homens casados ​​na Igreja Latina. 

Na obra, Bento XVI escreve :

A capacidade de renunciar ao casamento para se colocar totalmente à disposição do Senhor é um critério para o ministério sacerdotal. Quanto à forma concreta de celibato na Igreja antiga, deve-se salientar também que os homens casados ​​só poderiam receber o sacramento das Ordens Sagradas se tivessem se comprometido com a abstinência sexual, ou seja, com um casamento Josefino. Tal situação parece ter sido bastante normal durante os primeiros séculos.

Esta declaração ecoa sua reafirmação do significado sagrado e do caráter obrigatório do celibato sacerdotal, em sua exortação pós-apostólica de 2007 sobre a Eucaristia, Sacramentum Caritatis :

“Em união com a grande tradição eclesial, com o Concílio Vaticano II e meus predecessores no Ministério Petrino, afirmo a beleza e a importância de uma vida sacerdotal vivida no celibato como um sinal expressivo de dedicação total e exclusiva a Cristo, ao Igreja e ao Reino de Deus e, consequentemente, confirmam seu caráter obrigatório para a tradição latina ”(n. 24).”

Em uma entrevista recente em seu livro de co-autoria, o cardeal Robert Sarah também afirmou:

O celibato sacerdotal não é uma simples disciplina canônica. Se a lei do celibato for enfraquecida, mesmo para uma única região, abrirá uma brecha, uma ferida no mistério da Igreja. Existe um vínculo ontológico-sacramental entre o sacerdócio e o celibato. Esse link nos lembra que a Igreja é um mistério, um presente de Deus que não nos pertence. Não podemos criar um sacerdócio para homens casados ​​sem danificar o sacerdócio de Jesus Cristo e Sua Noiva, a Igreja. (Sínodo na Amazônia, documento final, n. 111)

Aqui abaixo está uma tradução do artigo do Prof. Roberto de Mattei, publicado sta noite em Roma.

***

As notícias que estamos relatando agora estavam no ar, mas a confirmação chegou a nós confidencialmente de vários bispos que receberam uma parte (não todas) da Exortação Apostólica pós-sinodal do Papa Francisco no Sínodo da Amazônia. Esta parte reproduz substancialmente o parágrafo 111 que foi aprovado no documento final do sínodo

Muitas comunidades da Igreja no território amazônico têm enormes dificuldades em frequentar a Eucaristia. Às vezes, não leva apenas alguns meses, mas até vários anos antes que um padre possa retornar a uma comunidade para celebrar a Eucaristia, oferecer o sacramento da reconciliação ou ungir os doentes na comunidade.

Apreciamos o celibato como um presente de Deus, na medida em que esse dom permite ao discípulo missionário, ordenado ao sacerdócio, dedicar-se totalmente ao serviço do Santo Povo de Deus. Estimula a caridade pastoral, e oramos para que haja muitas vocações vivendo o sacerdócio celibatário. Sabemos que essa disciplina “não é exigida pela própria natureza do sacerdócio” ( PO  16), embora haja muitas razões práticas para isso. Na sua encíclica sobre o celibato sacerdotal, São Paulo VI manteve essa lei e estabeleceu motivações teológicas, espirituais e pastorais que a apóiam. Em 1992, a exortação pós-sinodal de São João Paulo II sobre a formação sacerdotal confirmou essa tradição na Igreja Latina (cf.  PDV  29).

Considerando que a diversidade legítima não prejudica a comunhão e a unidade da Igreja, mas a expressa e serve (cf.  LG 13;  OE  6), testemunha a pluralidade de ritos e disciplinas existentes, propomos que critérios e disposições sejam estabelecidos pelo autoridade competente, no âmbito de  Lumen Gentium  26, para ordenar sacerdotes homens adequados e respeitados da comunidade com uma família legitimamente constituída e estável, que tiveram um diaconado permanente frutífero e recebem uma formação adequada para o sacerdócio, a fim de sustentar a vida da comunidade cristã através da pregação da Palavra e da celebração dos sacramentos nas áreas mais remotas da região amazônica.

Portanto, a porta está aberta. Não há razão para proibir em outras regiões do mundo o que será permitido em algumas partes da Amazônia. Os bispos alemães e outros estão prontos para estender o acesso ao presbiterado a homens casados ​​considerados adequados pelas autoridades competentes. O que está sendo eliminado não é apenas uma “disciplina eclesiástica” sujeita a mudanças, mas uma lei da Igreja baseada em um preceito de origem divina e apostólica.

Cinquenta anos atrás, no simpósio dos bispos europeus realizado em Chur em julho de 1969, o cardeal Leo-Joseph Suenens, durante sua conferência final, leu um apelo de Hans Küng para suprimir o celibato sacerdotal. Esse pedido foi consistente com o papel que a teologia progressiva atribuiu à sexualidade: um instinto que o homem não deve reprimir através do ascetismo, mas “libertar”, encontrando no sexo uma forma de “realização” da pessoa humana. Desde então, essa demanda se expandiu e acompanhou o processo de secularização e auto-demolição da Igreja.

Na realidade, a transgressão do celibato e da simonia foram as grandes pragas que sempre afligiram o Corpo Místico de Cristo em tempos de crise. E o chamado à continência e à pobreza evangélica foi o padrão de batalha dos grandes santos reformadores. Nos próximos dias de fevereiro, o anti-reformador não será, como tem acontecido tantas vezes, um bispo ou um grupo de bispos, mas o sucessor do próprio São Pedro.

O celibato eclesiástico é uma glória da Igreja e o que ele está humilhando é a própria vontade de Cristo, transmitida pelos apóstolos até nossos dias. Como podemos imaginar os católicos em silêncio diante desse escândalo? 

Traduzido do italiano por Diane Montagna da LifeSiteNews.