Categorias
Mundo

Uma nova guerra fria: EUA alertam sobre a ameaça militar chinesa

O relatório anual do Pentágono sobre a ameaça militar da China aponta, talvez exagerando deliberadamente, que a China está eliminando rapidamente a lacuna militar com os Estados Unidos. O número mais impressionante diz respeito à frota, que superava a dos Estados Unidos. Mesmo que, em termos da qualidade dos navios e da potência dos armamentos, ainda não haja comparação. A China tem objetivos de longo prazo, visando se tornar verdadeiramente competitiva com os EUA a partir de 2035. O relatório, muito alarmante, visa um objetivo político específico: formar um cinturão de aliados dos EUA para conter a China, um cinturão que poderia incluir Japão, Austrália e Índia. 

O habitual relatório anual do Pentágono sobre as capacidades militares chinesas retoma a tradição “alarmista” herdada de relatórios sobre o instrumento militar soviético da era da Guerra Fria: o conhecido “Poder Militar Soviético” ilustrado pelo Pentágono, muitas vezes exagerando-o como ficou claro após o queda da URSS, as capacidades do instrumento militar de Moscou.

Este ano a ameaça chinesa é particularmente enfatizada, também tendo em vista o confronto cada vez mais acirrado com Washington em pelo menos três dossiês importantes: as responsabilidades de Pequim na disseminação do Covid-19, o fortalecimento nuclear e convencional das forças armadas de Pequim, o agressiva política expansionista chinesa no Mar da China Meridional e Oriental em detrimento dos países costeiros. De acordo com o relatório do Pentágono, nos próximos dez anos a China dobrará o número de ogivas nucleares em sua posse, estimado pelos EUA em cerca de 200, mas que segundo outras fontes pode ser quase o dobro: ainda pouco em comparação com as milhares de ogivas disponíveis para Rússia e EUA.

Com eles, Pequim também pretende fortalecer seus arsenais de mísseis balísticos, incluindo os intercontinentais, de acordo com o relatório “Desenvolvimentos Militares e de Segurança Envolvendo a República Popular da China 2020”, mais conhecido como ‘China Military Power’. O aumento das armas nucleares deve ser inserido “no contexto de uma expansão e modernização das forças nucleares chinesas”, explicou o subsecretário de Defesa, Chad L. Sbragia, em discurso ao American Enterprise Institute no qual ilustrou o objetivo do Pequim deve aumentar suas capacidades nucleares e balísticas, concentrando-os, como os EUA e a Rússia, em uma “tríade” formada por: porta-aviões e ogivas laváveis ​​(curto e médio alcance, “antiaéreos” até o intercontinental DF 41), submarinos (6 barcos com mísseis balísticos em serviço), bombardeiros (os novos H-6Ns são os primeiros com a capacidade de transportar armas nucleares)

Segundo o relatório, a China continua investindotambém na modernização do instrumento ciber militar ofensivo e convencional, visando ter uma “força armada de ponta no mundo” para desafiar a hegemonia dos Estados Unidos. Afinal, foi o próprio Xi Jinping quem indicou, por ocasião do décimo nono congresso do Partido Comunista Chinês em 2017, a data de 2049 em que a China deve ser uma “potência militar global” enquanto em 2035 as capacidades militares avançadas competitivas devem estar disponíveis com os dos EUA. Para atingir esses objetivos,

O relatório dos EUA mostra que a frota chinesa tem 350 navios de guerra (incluindo 130 grandes unidades de combate) em comparação com 293 nos EUA, mas a comparação é deliberadamente enganosa. A Marinha dos EUA tem 10 grandes porta-aviões e tantos navios de assalto anfíbios de convés completo capazes de transportar caças-bombardeiros F-35B. Além disso, os navios e submarinos de combate dos Estados Unidos são mais avançados tecnologicamente do que os da Marinha chinesa que, embora crescendo rapidamente, ainda dedica grande parte de seus navios às operações costeiras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O relatório do Pentágono atribui 2.500 aeronaves à força aérea chinesa, incluindo 2.000 aeronaves de combate, e aponta que a força aérea está “alcançando rapidamente as forças aéreas ocidentais em uma ampla gama de capacidades e habilidades”, conforme demonstrado pelas capacidades anti-satélite e o implementação de operações anti-acesso / negação de área (A2AD) nas áreas marítimas e insulares do Mar da China Meridional em disputas com estados vizinhos em que Pequim criou arbitrariamente “bolhas de segurança” para dissuadir aeronaves de outras nacionalidades de sobrevoá-las. Capacidades fortalecidas com o desenvolvimento da versão local do sistema russo de defesa aérea de longo alcance S-300 e a compra na Rússia do S-400 mais eficaz.

O objetivo de Washington com o relatório é despertar atenção e alarme em torno do maciço rearmamento chinês para criar um cordão de alianças capaz de “contê-lo”: mais ou menos a mesma estratégia adotada nas décadas de 1950 e 1960 em relação à União Soviética. O secretário de Defesa, Mark Esper, fez uma visita a bases militares e aliados do Pacífico no contexto de uma proposta apoiada pelo Departamento de Estado dos EUA para estabelecer um acordo com a Austrália, Índia e Japão visando aumentar a cooperação militar. na função anti-chinesa clara e para reduzir as relações econômicas com Pequim. Ao apresentar o relatório, o próprio Esper quis destacar um aspecto político enfatizado com mais frequência nos Estados Unidos do que na Europa: as Forças Armadas chinesas, ou seja, o Exército de Libertação do Povo “não servem ao seu povo nem a uma Constituição,

De Pequim, choveram imediatamente fortes críticas ao conteúdo do relatório definido como “cheio de preconceitos”, que expressa uma “mentalidade de guerra fria” e visa apoiar “a teoria da ameaça militar chinesa” declarada pelos ministérios da defesa e das relações exteriores: O porta-voz deste último negou que Pequim pretenda dobrar suas ogivas nucleares em 10 anos, argumentando que é um documento “totalmente errado”.

Traduzido por lanuovabq.it

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assista a formação:


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE