Categorias
Análise e Opinião

Sarah: Os portadores de coronavírus têm um “direito inegociável” à assistência de um padre

Em meio à praga que o planeta sofre, a assistência sacramental de um padre não pode ser negada aos doentes e moribundos, diz o cardeal guineense Robert Sarah em entrevista à publicação francesa Valeurs Actuelles.

“Os padres devem fazer tudo o que podem para ficar perto dos fiéis”, diz o prefeito da Adoração Divina e dos Sacramentos em Valeurs Actuelles. “Eles devem fazer tudo o que estiver ao seu alcance para ajudar os moribundos, sem prejudicar o trabalho das autoridades sanitárias e civis”

“Mas ninguém tem o direito de privar os doentes ou moribundos da assistência espiritual de um padre”, insiste Sua Eminência. “É um direito absoluto e inalienável.”

De fato, o prefeito está convencido de que muitos padres de todo o mundo redescobriram sua vocação em meio a essa pandemia. Eles descobriram em adoração, ele diz, “se não puderem segurar fisicamente cada pessoa que está morrendo pela mão como gostariam, poderão interceder por cada uma delas”, e os doentes e os isolados poderão saber que estão conectados em oração com seus padres.

Quanto aos saudáveis ​​que ainda têm a experiência irritante de confinamento, Sarah recomenda que redescobram a oração em família. “É hora de os pais aprenderem a abençoar seus filhos. Os cristãos, privados da Eucaristia, podem perceber a graça que isso implica. Encorajo-vos a praticar a adoração em casa, porque não há vida cristã sem vida sacramental “

O cardeal lembra que “no meio de nossas cidades e aldeias, o Senhor ainda está presente”, e enfatiza que um dos aspectos positivos dessa praga foi o “espírito de dedicação e sacramentalidade que surge dos corações”.