Categorias
Campanha da Fraternidade

Sacrilégio: Pastor protestante co-celebra e recebe comunhão na abertura da Campanha da Fraternidade

Mais uma vez a Campanha da Fraternidade é responsável por graves ofensas a Nosso Senhor Jesus Cristo. Desta vez o impensável aconteceu na paróquia Sagrado Coração de Jesus na diocese de Jundiaí.

O “pastor” participou da liturgia da Santa Missa no altar ao lado do Sacerdote, rezou a oração eucarística, fez a elevação do Corpo e Sangue de Nosso Senhor, e por fim foi convidado pelo pároco para comungar.

Clique aqui para assista o vídeo:

Leia também
Bispo emite nota após grave sacrilégio em missa co-celebrada por pastor protestante

Após assistir o vídeo lamentável, assista a maravilhosa formação do padre Ubirajara Vieira sobre os problemas da Campanha da Fraternidade. Clique aqui para assistir:

A Congregação para a Doutrina da Fé, nos termos do art. 52 da Constituição Apostólica Pastor bonus, julga os delitos contra a fé e os delitos mais graves cometidos contra os costumes ou na celebração dos sacramentos e, se for o caso. Leia as normas abaixo:

Art. 3

§ 1. Os delitos mais graves contra a santidade do augustíssimo Sacrifício e sacramento da Eucaristia reservados ao julgamento da Congregação para a Doutrina da Fé são:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

1° a ablação ou a conservação para fins sacrílegos, ou a profanação das espécies consagradas, a que se refere o cân. 1367 do Código de Direito Canónico e o cân. 1442 do Código dos Cânones das Igrejas Orientais;

2° a tentada acção litúrgica do Sacrifício eucarístico segundo o cân. 1378 §2 n. 1 do Código de Direito Canónico;

3° a simulação da acção litúrgica do Sacrifício eucarístico segundo o cân. 1379 do Código de Direito Canónico e o cân. 1443 do Código dos Cânones das Igrejas Orientais;

a concelebração do Sacrifício eucarístico proibida pelo cân. 908 do Código de Direito Canónico e pelo cân. 702 do Código dos Cânones das Igrejas Orientais, a que se refere o cân. 1365 do Código de Direito Canónico e o cân. 1440 do Código dos Cânones das Igrejas Orientais, juntamente com os ministros das comunidades eclesiais que não têm a sucessão apostólica e não reconhecem a dignidade sacramental da ordenação sacerdotal.

§ 2. Está reservado à Congregação para a Doutrina da Fé também o delito que consiste na consagração para fim sacrílego de uma só matéria ou de ambas, na celebração eucarística ou fora dela. Quem comete este delito, seja punido segundo a gravidade do crime, sem excluir a demissão ou a deposição.

Saiba mais
Veja tudo que já foi dito sobre a Campanha da Fraternidade 2021 até agora

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE