Categorias
Dúvidas de Fé

Qual a importância de um Diretor Espiritual?

O objetivo da direção espiritual, que sempre fez parte da tradição cristã, é ajudar uma pessoa a desenvolver uma relação mais profunda com Deus e discernir melhor a ação do Espírito Santo em suas vidas – em suma, o objetivo é ajudar uma pessoa a se tornar mais santa.

Uma pessoa pode se perguntar se realmente necessário ter um diretor espiritual, uma vez que está lendo a Bíblia, o Catecismo, recebendo os sacramentos regularmente, e cercando-se de amigos tementes a Deus…

Embora não seja estritamente necessário ter um diretor espiritual, a orientação extra e a responsabilidade são geralmente necessárias se for para avançar mais rapidamente em suas vidas com Deus, especialmente através de uma oração mais profunda. Deus projetou a pessoa humana para trilhar o caminho da santidade não na solidão, mas na companhia dos outros.

A direção espiritual é aconselhada para aqueles que desejam amadurecer na vida cristã, que querem crescer na intimidade com Deus e buscam uma vida de santidade. Um diretor espiritual pode ser um sacerdote – ou alguém mais maduro na fé – que fará o acompanhamento do fiel ajudando-o a discernir sua vocação, mas, não apenas isso, o ajudará a seguir os desígnios de Deus. O diretor espiritual é aquele que nos orienta e nos ajuda a fazer a escolha conforme a vontade de Deus para nossa vida.

Essa é uma prática empregada desde tempos antigos para encontrar a Deus e progredir na vida de santidade. A direção espiritual pode se apresentar como um processo de transformação profunda e abrangente centrada na pessoa de Cristo, que atinge o homem interior e também o comportamento exterior. Ela consiste na “arte de conduzir as almas progressivamente desde os começos da vida espiritual até o cume da perfeição cristã” (Royo Marín).

Os santos e a direção espiritual

Muitos que foram proclamados santos pela Igreja – ou quase todos! – tiveram a figura da direção espiritual em seu itinerário de busca pela perfeição e a imitação de Cristo. Santa Faustina Kowalska, religiosa polonesa que teve revelações de Jesus sobre a Misericórdia Divina nos anos 30, durante muito tempo rezou a Deus para ter a graça de encontrar um diretor espiritual que lhe ajudasse a discernir os desejos de Deus.

Assim ela se expressou: “desde o momento em que o Senhor me deu um diretor espiritual, sou mais fiel à graça. Graças ao diretor espiritual, e à sua vigilância sobre a minha alma, conheci o que é a direção espiritual e como Jesus a considera. Jesus me repreendia pela menor falta e fazia-me sentir que Ele mesmo julga as coisas que eu apresento ao confessor” (Diário de Santa Faustina, 145).

À exemplo desta santa, todo aquele que deseja beneficiar-se da direção espiritual deve pedir o auxílio do Espírito Santo para escolher aquele que será para si a voz do próprio Deus. Depois de decidir-se, para que a direção espiritual seja frutuosa é importante determinar encontros periódicos mensais para a confissão e orientação.

A finalidade da Direção Espiritual

Primeiro, é importante entender que um diretor espiritual não deve ser considerado como um oráculo pessoal com alguma visão secreta do seu futuro, que será capaz de dizer exatamente o que fazer em todas as circunstâncias particulares. Ele é um companheiro que nos ajuda a ouvir a voz de Deus interior – ele não necessariamente sabe o que Ele está dizendo a você! Deus é o verdadeiro diretor.

O primeiro grande objetivo de uma direção espiritual é – a partir de Deus – nos fazer olhar para nós mesmos. É o autoconhecimento: o que sou eu? Com Deus se relacionou comigo em minha história? Para quê eu nasci? Tenho sido presença de Deus para os outros? É enxergar aquilo que em mim me faz precisar da Misericórdia Divina e depositar tudo nas mãos de Deus.

Contudo, para que esse autoconhecimento seja pleno e verdadeiro é preciso que nos coloquemos diante do diretor espiritual sem máscaras, com humildade. Esse exercício nos torna humilde.

A direção espiritual nos ajuda a encontrar as respostas sobre os desejos de Deus para a nossa vida. “Sem um diretor espiritual, é fácil incorrer em erro”, alertou Santa Faustina (Cf. Diário, 61). Por outro lado, o acompanhamento de um sacerdote por meio da direção espiritual nos conduz mais facilmente a Jesus e nos ajuda a viver as virtudes cristãs.

Um bom diretor espiritual conhece profundamente os ensinamentos da Igreja e sempre oferece conselhos através de uma observância fiel deles. Ele vai ajuda, através da reflexão sobre os eventos atuais da vida, e através da oração mútua, com intuito de ajudar o dirigido a ouvir o chamado e fazer a vontade de Deus. Ele pode ajudar a discernir quais práticas espirituais são ou métodos de orações são mais úteis.

Em geral, os diretores espirituais são sacerdotes, por exemplo, os párocos são aqueles que possuem as graças de estado para atender os fiéis de sua paróquia, porém também é um papel que pode ser realizado por religiosos consagrados ou mesmo por leigos (homens ou mulheres). As qualidades que garantirão sua capacidade de cumprir seu papel são uma fé madura e bem informada e uma vida de oração própria e a capacidade de ouvir, encorajar e desafiar sua carga espiritual para uma maior consciência da ação de Deus e chamar em sua vida.

Não é necessário lembrar que, infelizmente, muitos católicos, inclusive sacerdotes, são vítimas de uma má formação e ideologias. Portanto é muito importante escolher bem o diretor espiritual, de modo que seja realmente católica e professe a sã doutrina da Santa Igreja.

Com informações de regnumchristi.com.br