Categorias
CNBB

PUC deve contribuir para Igreja, “aberta à universalidade de pensamentos”, afirma Dom Odilo

O arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer, celebrou na sexta-feira, 20 de agosto, missa pelos 75 anos da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Na ocasião, disse que a instituição é chamada a contribuir para a missão da Igreja “à sua própria maneira”, isto é, “aberta à universalidade de pensamentos, ao confronto de ideias e à colaboração e ao acolhimento”.

Durante sua homilia, o arcebispo, que também é grã-chanceler da PUC-SP, afirmou que celebrar os 75 anos da instituição é um tempo para “projetar para o futuro” e, por isso, “como instituição ligada à Igreja, a PUC é chamada a dar sua parte, à sua própria maneira, para a missão da Igreja”. “Quero destacar que é à sua própria maneira que a PUC-SP fará isso, ou seja, não como um colégio, uma paróquia ou um mosteiro, mas como universidade, que está aberta à universalidade de pensamentos, ao confronto de ideias e à colaboração e ao acolhimento”.Segundo dom Odilo, “todos estes são sinais da sociedade que desejamos, na qual em vez de brigar as pessoas dialoguem, busquem juntas soluções, estejam atentas às pessoas mais fragilizadas. Uma sociedade que viva em paz, não por passar por cima dos conflitos, mas por resolvê-los da melhor maneira”.

A PUC-SP foi fundada em 22 de agosto de 1946, a partir da união da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bento e da Faculdade Paulista de Direito. A entidade é mantida pela Fundação São Paulo e recebeu o título de pontifícia em 1947 pelo papa Pio XII. Com isso, deve ter em seus estatutos o compromisso com os “princípios da doutrina católica”, como afirma na descrição de sua missão. “Dentro desse espírito, assegura a liberdade de investigação, de ensino e de manifestação de pensamento, objetivando sempre a realização de sua função social, considerada a natureza e o interesse público de suas atividades”, diz em seu site.

O cardeal Scherer disse na missa celebrada na Paróquia Imaculado Coração de Maria, também conhecida como capela da PUC, que o fato de a universidade ser pontifícia “significa que está ligada ao papa, portanto está no coração da Igreja e a serviço daquilo que é próprio da missão da Igreja”.Segundo ele, a PUC-SP carrega “uma história, uma comunidade na qual todos são chamados a fazer sua parte, a fim de que a universidade também contribua para a edificação do Reino de Deus, que um grande sonho que, se acolhido, não fará mal a ninguém, porque é de paz, justiça, luz, alegria, solidariedade e fraternidade”.

Para o cardeal, uma universidade ligada à Igreja serve para propor “os valores do Reino de Deus, mesmo a quem não é católico, que não é cristão, que crê diversamente ou não crê”. “Esta é a razão de ser da nossa PUC-SP aos 75 anos”, disse.

Dom Odilo afirmou também que, “como comunidade acadêmica e ambiente cultural”, a PUC-SP “pode ser uma imagem da sociedade que busca valores altos e que não se satisfaz em rastejar nas trevas, seguindo valores inconfessáveis”. “Pode representar, justamente, a busca de uma convivência de muitas diversidades, onde, enfim, reconhecemos as diferenças com respeito, mas tomamos consciência de que algo ainda mais importante nos une: somos todos humanos, filhos de Deus e revestidos de uma dignidade que ninguém nos deve tirar ou manchar”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao final da missa, a reitora da PUC-SP, Maria Amalia Pie Abib Andery, disse que o cardeal Scherer “representou a PUC-SP como ela quer e pretende ser”. Segundo ela, tudo o que deseja para a instituição “devemos à Igreja Católica e ao compromisso dela com a universidade, com a formação de consciências”. “Eu não sou especialista em religiões, mas diria que apenas a Igreja Católica tem o compromisso com o conhecimento, com a universidade, com a formação de consciências”.

Segundo Maria Amalia Andery, “as universidades são instituições para o bem, que pretendem mudar as consciências das pessoas, formando consciência coletiva, solidária, comprometidas com a justiça, a igualdade e a alegria de produzir conhecimento, reflexão e de causar impacto na vida das pessoas”.

A reitora afirmou que, “desde o surgimento das universidades, há 800 anos, a Igreja Católica esteve presente. É uma Igreja que oferece ao mundo, e não apenas à sua comunidade, a oportunidade que as instituições universitárias oferecem às sociedades”. “Esse compromisso nós sentimos na pele e a PUC-SP, nesse sentido, continua agradecendo à Igreja Católica, pelo contínuo compromisso com a construção de uma universidade” que tenha as características citadas pelo grão-chanceler.

A comemoração dos 75 anos da PUC-SP terá uma sessão solene na terça-feira, 24 de agosto, às 18h,com a participação de dom Odilo Scherer, da reitora Maria Amalia Andrey, do secretário estadual da Educação, Rossieli Soares da Silva, e do secretário municipal de Educação, Fernando Padula. O evento será transmitido pelo youtube da TV PUC e pelo facebook oficial da Universidade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE