Categorias
Brasil

Outra vez Porta dos Fundos ataca os cristãos no Natal e católicos promovem abaixo-assinado

 A produtora Porta dos Fundos lançou no dia 6 de dezembro o teaser e o cartaz de seu especial de Natal deste ano, intitulado “Te Prego La Fora”. O vídeo volta a ofender e desrespeitar o cristianismo, fé da imensa maioria da população brasileira, como na produção de 2019 “A Primeira Tentação de Cristo”.

O video, um desenho animado dublado pelos comediantes do grupo, mostra Jesus como um adolescente que consome pornografia e encontra seu pai em um prostíbulo. O advogado Miguel Vidigal, da União dos Juristas Católicos de São Paulo (Ujucasp) afirmou à que “o respeito à dignidade da religião” é garantido pela Constituição e não pode ser violado por manifestações artísticas.

O especial tem lançamento marcado para 15 de dezembro, no serviço de streaming Paramount+, que detém 51% da produtora.

Na história, Jesus é um adolescente que precisa se adaptar como aluno novo na Escola Municipal Eva & Adão. Para que não suspeitem que ele é o Messias, adota uma postura de “bad boy”. Em uma das cenas do teaser, alguém pergunta: “Por acaso Jesus teria isso aqui, pornografia?” e mostra um pergaminho com os pés de uma mulher. Em outra cena, Jesus aparece em um prostíbulo e diz “isso não é de Deus”. Outra pessoa aponta para uma prostituta e responde: “Na verdade, aquela mais alta ali é exclusiva de Deus”. Em seguida, aparece em uma cama com outras mulheres um homem mais velho, de barba branca, que remete ao imaginário sobre a aparência de Deus. Ele diz: “Jesus?”, e as mulheres se transformam em pombas brancas.

Segundo o advogado Miguel Vidigal, “o respeito à dignidade da religião é dever de todos e um dos direitos fundamentais, previsto na nossa Constituição Federal no artigo 5º, inciso VI, que garante proteção à religião e à liturgia. Nenhuma manifestação pretensamente artística pode sobrepor-se à inviolabilidade de consciência e crença”.  Recordou ainda que o artigo 208 do Código Penal estabelece o crime de “escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa”.

“Em um mundo cheio de divisões e brigas, o que essa produção pretende? Produzir união, difundir o amor, ou por outra, procura alegrar meia dúzia de ateus e agnósticos, zombando da crença alheia e blasfemando contra Deus?”, questionou o advogado, acrescentando que “obviamente os produtores sabem que estão espalhando ódio e confusão”.

O Instituto Plínio Corrêa de Oliveira lançou um abaixo-assinado contra o especial de Natal do Porta dos Fundos que “escarneia da fé cristã no Brasil”. Na petição, solicita “uma legislação mais efetiva para proteger o cristianismo em nosso país”.

Clique aqui para assinar o abaixo-assinado

Esta não é a primeira vez que o Porta dos Fundos produz conteúdo com ofensas ao cristianismo. O especial de Natal de 2019, “A Primeira Tentação de Cristo”, lançado pela Netflix, mostrou Jesus como homossexual, a Virgem Maria como prostituta e os apóstolos como alcoólatras.

A Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura (CDB) ajuizou Ação Civil Pública contra o Porta dos Fundos e a plataforma de streaming Netflix. Em janeiro de 2020, o desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio (TRJ), atendeu a pedido liminar para suspender a exibição do filme, bem como trailers, making of, propaganda e qualquer publicidade da obra. No dia seguinte, o então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, concedeu uma liminar autorizando a Netflix a exibir o filme. Essa decisão foi referendada pela Segunda Turma do Supremo, em novembro do ano passado.

Leia também
Mais de 1 milhão pessoas exigem que Netflix retire filme do Porta dos Fundos com “Jesus gay”

Em abril deste ano, a Juíza Adriana Sucena Monteiro Jara Moura, da 16ª Vara Cível do TRJ, julgou improcedentes os pedidos do Centro Dom Bosco. Na decisão, a juíza afirmou que “não ocorreu no caso em julgamento qualquer intolerância religiosa, sendo que esta não pode ser confundida com a crítica religiosa, realizada por meio de sátira, a elementos caros ao Cristianismo”.

Brasil Paralelo ou Porta dos Fundos: Jesus na manjedoura ou no prostíbulo?

Qual Especial de Natal representa os seus valores? Dezembro chegou e mais uma vez Gregório Duvivier e outros humoristas do grupo Porta dos Fundos parodiaram a história de Jesus Cristo.

Não é a primeira vez que o Porta dos Fundos se envolve em polêmicas envolvendo a fé dos cristãos. Em 2019, lançaram na Netflix o filme “A Primeira Tentação de Cristo”, no qual Jesus é homossexual e Maria é uma mulher promíscua.

Para Gregório Duvivier, que interpretou Jesus gay, “O Cristo do Porta dos Fundos é o Cristo do amor”.

Na época, o bispo Dom Henrique Soares perguntava tanto a cristãos quanto a não cristãos: “Para onde vai uma sociedade que desrespeita a religião e a sensibilidade das pessoas? Como construiremos um espaço de tolerância e respeito deste modo?”

Leia também
PORTA DOS FUNDOS: BLASFÊMIA E ESCÁRNIO CONTRA A FÉ CRISTÃ

Criticados por todo ano fazerem humor com a fé cristã, Fábio Porchat certa vez relatou ao jornal Estadão: “A gente tem batido em coisas que, na verdade, merecem apanhar. (…) Eu, por exemplo, não faço piada com Alá e Maomé, porque não quero morrer! Não quero que explodam a minha casa só por isso (risos)”. 

Este ano, o grupo voltou a fazer piadas sobre a vida de Jesus.

Anunciaram para o dia 15 de dezembro uma animação chamada “Te prego lá fora”. No filme, Jesus é um adolescente que estuda na Escola Municipal Eva & Adão, quer ser Bad Boy e não quer ser descoberto como o Messias – detalhes pouco polêmicos em comparação ao conteúdo do filme.

Em conversa com Otaviano Costa, no Otalab, a atriz do Porta dos Fundos, Evelyn Castro, que interpreta Maria há três anos, disse não entender o que causa revolta nas pessoas. Disse também que eles não fazem deboche, mas sim uma crítica social para as pessoas pensarem.

Leia também
Muçulmanos defendem fé católica contra Netflix e Porta dos Fundos; CNBB se mantém calada

O Especial de Natal da Brasil Paralelo

Para a empresa Brasil Paralelo, o que está por trás das paródias do Porta dos Fundos é uma mensagem ideológica.

A proposta da empresa de entretenimento e educação é fortalecer o verdadeiro sentido do Natal e isso envolve reflexões sobre família, amor ao próximo, caridade, fé e esperança.

No ano passado a produtora lançou um Especial que alcançou mais de dois milhões de espectadores.

A intenção é tornar o especial uma tradição anual, através de forte investimento e divulgação gratuita.

A segunda edição do Especial de Natal foi ao ar nos dias 13, 14 e 15 de dezembro.

Os apresentadores serão o jornalista Luís Ernesto Lacombe e a professora Lara Brenner.

evento foi gravado no palco do Teatro Bradesco e por lá passaram mais de 20 convidados ao longo dos três dias. Eles partilharam suas reflexões, aprendizados e histórias emocionantes, tudo acompanhado de orquestra e música ao vivo.

A parte musical contou com o solista Alvaro Siviero, pianista convidado a tocar para o papa Bento XVI, o tenor Marcello Vannucci, a soprano Claudia Neves e o cantor Douglas Alessi, destaque do The Voice Brasil.

Grandes obras como Adeste Fidelis, Nessun Dorma, Ave Maria de Gounod e Noite Feliz foram acompanhados pela Orquestra Mozarteum Brasileiro e pelo Coral Del Chiaro. A classificação indicativa é livre para toda a família.

O filme “Te prego lá fora”, do Porta dos Fundos, vai ao ar no dia 15 de dezembro.

Especial de Natal da Brasil Paralelo, vai ao ar nos dias 13, 14 e 15 de dezembro.

Ambos estreiam na mesma semana, mas um segue a linha de ruptura com a mensagem do Natal e o outro a do resgate.

É possível que os dois programas sejam frutos de polêmicas, porém, por motivos diferentes.

O Especial de Natal da Brasil Paralelo contrasta com o Especial de Natal da produtora Porta dos Fundos. Qual deles representa os seus valores?

Assista:


Leia também
Governo polonês pede que Netflix exclua filme do Porta dos Fundos

Fã-clube de Jesus tem se mostrado perigoso e triste, diz Fábio Porchat

“A gente está rindo, brincando com pessoas que não sofrem por serem quem são. Isso que o Porta sempre tentou fazer, não rir de quem está apanhando, mas de quem está batendo e, ultimamente, o fã-clube de Jesus tem se mostrado bastante perigoso e bastante triste”, disse o comediante Fábio Porchat, do grupo Porta dos Fundos, na entrevista coletiva de lançamento do especial de Natal, “Te Prego lá Fora”.

O especial será lançado no dia 15 de dezembro, no serviço de streaming Paramount+ no Brasil, México, Argentina e Colômbia. O teaser do filme foi lançado no dia 6 de dezembro. O vídeo é um desenho animado dublado pelos comediantes do grupo. Na história, Jesus é um adolescente que precisa se adaptar como aluno novo na Escola Municipal Eva & Adão. Para que não suspeitem que ele é o Messias, adota uma postura de “bad boy”, que consome pornografia e encontra o Pai em um prostíbulo.

Durante coletiva de apresentação do filme à imprensa em 13 de dezembro, Porchat, que é roteirista do especial, afirmou que o Porta dos Fundos “lança vários tipos de conteúdo” durante o ano e “brinca com todas as religiões”. “É claro que, em um país que talvez seja o maior país cristão do mundo em quantidade, as pessoas conhecem as histórias da Bíblia, têm essa referência. A gente ri daquilo que a gente conhece”, declarou.

“Agora, tem muita gente que diz: por que pode brincar com Jesus, mas não pode fazer piada com gay? A gente tem que lembrar que a gente vive em um país que mata gays por eles serem gays. Mas ninguém mata um católico por ele ser católico, um evangélico por ser evangélico”, disse.

Leia também
Resposta ao questionamento do Porta dos Fundos: “E se Jesus fosse gay? Qual o problema?”

Esta não é a primeira vez que o Porta dos Fundos produz conteúdo com as mesmas piadas ofensivas ao cristianismo. O especial de Natal de 2019, “A Primeira Tentação de Cristo”, lançado pela Netflix, mostrou Jesus como homossexual, a Virgem Maria como prostituta e os apóstolos como alcoólatras. A produção foi alvo de ação na Justiça, mas em abril deste ano, a juíza Adriana Sucena Monteiro Jara Moura, da 16ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, decidiu manter a exibição do filme por considerar que não houve “intolerância religiosa”. Na época do lançamento deste especial, a sede da produtora no Rio de Janeiro sofreu um ataque com coquetel molotov.

Para Porchat, as críticas ao Porta dos Fundos não têm consequências negativas para suas produções, ao contrário, geram maior interesse. “É engraçado porque as pessoas gostam muito mais de aparecer do que se importar de verdade. Os especiais de Natal ‘A primeira tentação de Cristo’ e ‘Se beber não ceie’ já estão no Youtube e não deu problema nenhum. As pessoas reclamaram e jogaram bomba depois que saiu, mas depois que passou essa maré, está lá e todo mundo está assistindo. Inclusive, estava no Netflix, que é pago, e agora está no Youtube, que é de graça e ninguém mais reclamou”, disse.

“No fim das contas, isso só ajuda a gente, só chama mais atenção para o especial, só chama atenção para nosso conteúdo, só faz com que as pessoas queiram saber o que está acontecendo. Eles não percebem que isso só atrai mais público para gente”, afirmou.

Fonte ACI Digital

Leia também
Mais um bispo se manifesta contra Porta dos Fundos: “Liberdade de expressão ou autorização do desrespeito?”