POR QUE A REABERTURA DAS IGREJAS É TÃO IMPORTANTE?

O que responder quando perguntam: “Porque reabrir as igrejas se podemos rezar em casa? 

Cada dia a mais que ficamos em quarentena, mais divididos percebemos os católicos. Alguns, tomados pelo medo preferem a segurança, enquanto outros sentem-se angustiados pela falta dos sacramentos.

Neste contexto, surgem acusações, até mesmo de católicos contra católicos, pelo simples fato de pedirem de maneira respeitosa, como uma súplica filial, a reabertura das igrejas.

Os principais argumentos dos que defendem o fechamento das igrejas são de que o momento ainda é muito perigoso, que pode colocar em risco a própria saúde e a de outras pessoas. Ainda dizem que tais pessoas não passam de “Tomé’s” que precisam estar na igreja para acreditar em Deus, fazendo referência à passagem bíblica do “tocar para crer”.

E por fim, utilizam-se de um argumento que tornou-se muito popular, que tem confortado e ao mesmo tempo confundido muitas pessoas, dizendo que as igrejas não estão fechadas, pois cada Lar se tornou uma Igreja.

A principal provocação que fazem é: “Por que precisamos estar ‘na igreja num momento desses’?

Realmente, não precisamos estar “na” Igreja “num momento desses”. Nós precisamos da Santa Igreja a “Todo Momento”!

Precisamos estar em Comunhão com Deus e em sua Graça a todo instante. De fato, é preciso que estejamos sempre preparados para o dia no qual Deus nos chamará desta vida, pois “não sabemos nem o dia e nem a hora.”

Entretanto, para que possamos estar em estado de Graça, ou seja, em união e amizade com Deus, somos totalmente dependentes da Igreja, pois toda Graça nos vem do alto e não conseguimos produzi-la por nós mesmos, nem por nossos maiores esforços.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

Leia também: O que é Graça

A Santa Igreja, instituída pelo próprio Deus, é o canal pelo qual nos vêm toda a Graça. Nos ensina a Doutrina Católica que os sacramentos são o principal meio pelo qual nos é fornecida a graça, e o Santo Sacrifício da Missa é a atualização do Sacrifício de Jesus na Cruz, uma fonte inesgotável de graças, e pelo qual fomos salvos.

É somente pelo batismo que o pecado original pode apagado e inserida em nós a Graça Santificante. A Confissão que recupera em nós a graça perdida quando cometemos pecados mortais, e o sacramento da Eucaristia alimenta e restaura nossa alma afim de que tenhamos forças para evitar todo pecado.

Jesus mesmo nos alertou; Aquele que não comer da minha carne (Eucaristia), e não beber do meu sangue (Confissão) não terá a vida eterna.

Se para termos acesso aos sacramentos é preciso que as igrejas sejam reabertas, então o mais do que nunca é urgente que sejam abertas. Mesmo que seja necessário tomar cuidados extras, que na maioria dos lugares considerados essenciais (mercados, comércios, lotéricas, bancos, etc) não são respeitados.

Devemos nos conscientizar que, acima de qualquer necessidade material, ou mesmo de nossa saúde física e bem estar, está a necessidade que temos da Graça de Deus, que garante para nós o Céu!

É inconcebível que, no momento em que a necessidade que temos dos sacramentos é mais evidente, não temos a Santa Igreja para nos socorrer. É ela o principal meio pelo qual a graça de Deus chega até nós, e somente através dela que temos acesso aos sacramentos, que por sua vez nos abrem as portas do Céu.

Para quem é católico, o Céu sempre será o principal objetivo, pois nossa Vida nesta Terra é um sopro perto da Eternidade que nos espera. Nossa vida aqui pode durar algumas décadas e chegar no máximo a “cento e poucos anos”, mas isso nem se compara a uma eternidade (milhões e milhões de milênios) que nos espera na próxima vida.

Infelizmente, grande parte dos católicos sequer acreditam nessa realidade básica da doutrina católica, e por isso sentem-se confortáveis vivendo longos períodos em estado de pecado mortal.

Alguns chegam até a acusar os católicos que pedem a volta dos sacramentos de “egoístas” que “só pensam em si próprios e na própria salvação”, o que demonstra ainda mais a cegueira espiritual, ignorância doutrinária e falta de apreço pela própria salvação, pois a Igreja e os sacramentos não são privilégios para alguns, mas é uma necessidade de todos.

Se para estes, a necessidade da reabertura das igrejas é nula, que fiquem confortáveis no caminho que lhes compraz, porém, anátema sejam aqueles que impedem que o menor dos pequeninos do Senhor supliquem para si os sacramentos e a graça da salvação.

Foi Jesus mesmo quem disse: “Deixai vir a mim os pequeninos, não os impeça”!

Que Deus nos ajude!