Categorias
Notícias

GRAVE: Arquidiocese emite certidão de batismo contendo “mãe 1” e “mãe 2” e militância gay comemora

O recente batismo do filho de um par de lésbicas causou polêmica na Colômbia, não por causa da administração do sacramento, mas por causa da decisão do padre de emitir o certificado de batismo com os nomes das “duas mães”.

A arquidiocese de Medellín – Colômbia, emitiu um certificado batismal nomeando “mãe 1” e “mãe 2” como “pais” para um batizado envolvendo o par de lésbicas formado por Manuela e Luisa Fernanda Gómez, que eram civilmente “casadas” pela lei colombiana, queriam batizar seu filho Matías de 17 meses de idade na cidade de Medellín.

Claramente, a mídia colombiana aproveitou para celebrar o “fato histórico” apresentando o certificado como uma vitória do lobby gay sobre a Igreja.

Nos últimos anos, muitos batizados onde dois homossexuais eram exibidos como “pais” ocorreram na decadente Igreja ocidental, incluindo catedrais.

Leia também: PODE UMA PESSOA COM TENDÊNCIAS HOMOSSEXUAIS SER UM BOM CATÓLICO?

Como aconteceu

Como salienta a imprensa local, ambos recorreram a várias paróquias, onde os padres indicaram que a criança receberia o sacramento do Baptismo, mas que no jogo apenas o nome da mãe grávida e não do seu parceiro seria colocado, porque a Igreja não reconhece “casamento” entre pessoas do mesmo sexo.

No entanto, ambos queriam que seus nomes estivessem na festa de batismo, então continuaram procurando, até que um amigo recomendou que fossem a uma paróquia em particular, cujo padre fez a consulta à Arquidiocese de Medellín e ela teria dito a ele que No registro do batismo, os mesmos dados do registro civil da criança devem ser inseridos e, nesse caso, o documento incluía mãe um e mãe dois.

“Ele escreveu para a Cúria, investigou e nos disse que isso poderia ser feito porque sob o Direito Canônico o sacramento deveria ser documentado com os mesmos dados que aparecem no registro civil do nascimento do menor, que neste caso tinha dois campos. : mãe 1 e mãe 2 ”, Manuela disse à mídia local. O batismo aconteceu no dia 13 de julho.

Em um comunicado divulgado em 23 de julho, a Arquidiocese de Medellín pronunciou-se e indicou que há vários anos “o sacramento do batismo é administrado aos filhos de pares de pessoas homossexuais”, com o qual “a Igreja dá a graça de Vida cristã para menores e não um reconhecimento dos próprios casais. ”

Além disso, ele indicou que “para o registro do Batismo e a emissão do certificado deste último, a Igreja assume os dados que aparecem nos documentos civis, que devem ser apresentados antes da administração do Sacramento, levando em conta que a inscrição é registrada. os nomes daqueles que aparecem no registro civil de nascimento do menor ou do menor como pais, na mesma ordem em que estão registrados naquele registro ”.

Leia também: “Quem comunga em pecado mortal, comunga sua própria condenação!” – Pe. José Augusto

Os regulamentos da arquidiocese contradizem o direito canônico

Um perito canonista consultado pela ACI Prensa advertiu que os regulamentos da Arquidiocese de Medellín, que garante que o certificado batismal deve coletar os dados dos documentos civis, “contradiz o Código de Direito Canônico, especificamente a Canon 877 que diz em sua subseção 1 que o pastor do lugar onde o batismo é celebrado deve anotar o nome dos batizados diligentemente e sem demora no livro de batismo, mencionando o ministro, os pais, padrinhos, testemunhas, se houver, e o lugar e dia foi administrado, indicando também o dia e local de nascimento ‘”.

No caso dos filhos de mães solteiras, a subseção 2 do cânon 877 declara que “o nome da mãe deve ser registrado, se sua maternidade é publicamente declarada ou se ela voluntariamente o solicita por escrito ou perante duas testemunhas; e o nome do pai também deve ser registrado, se sua paternidade for comprovada por documento público ou por sua própria declaração perante o pastor e duas testemunhas; nos outros casos, somente o nome da pessoa batizada será registrado, sem declarar em absoluto o nome do pai ou dos pais ”.

O canonista assinalou que “no caso de um par homossexual, uma vez que apenas um deles é a mãe natural, o princípio da subseção 2 do cânon é aplicado, isto é, a Igreja deve agir considerando a mãe natural como mãe solteira, já que isso não é casado canonicamente ”.

Portanto, a paróquia onde o pequeno Matias foi batizado “teve que registrar apenas o nome da mãe natural ou, na sua falta, a mãe natural e o pai biológico da criança”.

O especialista enfatizou que “em nenhum caso os nomes no Registro Civil podem ser impostos ao Direito Canônico quando se trata de sacramentos da Igreja, como o Batismo. Se esta é a norma atual da Arquidiocese de Medellín ou de qualquer outra diocese em um país onde as uniões homossexuais tenham sido legalizadas, essa regulamentação deve mudar para ser consistente com o Código de Direito Canônico ”.

“Caso contrário, a Igreja estaria reconhecendo, através de um registro sacramental vitalmente importante, que de alguma forma ‘aceita’ a dupla maternidade de um par de lésbicas, que não só vai contra os ensinamentos da Igreja, mas também contra a ordem natural, já que duas mulheres não conseguem procriar um ser humano ”, alertou.

Leia também: PECADO MORTAL – O OBSTÁCULO PARA NOSSA SALVAÇÃO

Vaticano já falou em 2017

Em uma carta assinada em 2017 pelo cardeal Francesco Coccopalmerio, então prefeito do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, a Santa Sé esclareceu como o batismo de uma criança de um casal do mesmo sexo ou de “pessoas trans” deve ser registrado.

“No Código atual, não existe nenhuma lei específica sobre a entrada de casais do mesmo sexo ou ‘pessoas trans’ como pais no registro do batismo. O termo ‘pais’ usado por can. 877 CIC refere-se claramente ao pai e mãe, homem e mulher criados por Deus que está unido no sacramento do casamento ”, disse ele em sua carta datada de 15 de novembro de 2017 .

Nesse sentido, de acordo com 877, “o pastor deve registrar no registro batismal o nome do pai e da mãe natural ou adotiva (homem e mulher) ou da mãe solteira (mulher), assim como do pai (homem) se a sua paternidade for comprovada por um documento público ”.

“A notação de casais do mesmo sexo ou ‘pessoas transexuais’ como pais seria contrária ao cânon mencionado acima e ao ensino de Nosso Senhor e da Igreja sobre o casamento como Deus deseja como uma união entre um homem e uma mulher. Se um dos parceiros é natural pai ou mãe da criança, deve ser mencionado no registro; o outro parceiro não pode ser notado ”, esclareceu ele.

Em sua carta, o Cardeal foi enfático ao assinalar que “dadas as indicações acima, não consideramos possível escrever no registro do batismo duas mães ou dois pais ou um ‘pai transgênero’ cuja natureza real é uma mulher ou uma ‘mãe transexual’ a verdadeira natureza é um homem ”.

O recente batismo do filho de um par de lésbicas causou polêmica na Colômbia, não por causa da administração do sacramento, mas por causa da decisão do padre de emitir o certificado de batismo com os nomes das “duas mães”.

A arquidiocese de Medellín – Colômbia, emitiu um certificado batismal nomeando “mãe 1” e “mãe 2” como “pais” para um batizado envolvendo o par de lésbicas formado por Manuela e Luisa Fernanda Gómez, que eram civilmente “casadas” pela lei colombiana, queriam batizar seu filho Matías de 17 meses de idade na cidade de Medellín.

Claramente, a mídia colombiana aproveitou para celebrar o “fato histórico” apresentando o certificado como uma vitória do lobby gay sobre a Igreja.

Nos últimos anos, muitos batizados onde dois homossexuais eram exibidos como “pais” ocorreram na decadente Igreja ocidental, incluindo catedrais.