Categorias
Vaticano

Peregrinos se aglomeram na Praça de São Pedro para funeral de Bento XVI

Faixas ‘Obrigado Papa Bento’ e ‘Santo Subito’ tremulam na Praça de São Pedro

Por NCRegister – A névoa que havia chegado a Roma no início desta manhã, obscurecendo a cúpula da Basílica de São Pedro, começou a se levantar lentamente enquanto os carregadores de caixão carregavam o caixão de cipreste simples do Papa Bento XVI para a Praça de São Pedro para longos e comoventes aplausos.

Estima-se que 100.000 pessoas se reuniram na praça, algumas acampando durante a noite, para dizer seu último adeus ao amado pontífice, que morreu aos 95 anos em 31 de dezembro, a festa do papa São Silvestre.

Cardeais assistem à missa fúnebre do Papa Emérito Bento XVI.

Bandeiras bávaras e alemãs com as palavras Danke Papst Benedikt! e Santo Subito tremulavam na névoa enquanto os sinos de luto de São Pedro tocavam. Os fiéis recitaram coletivamente o Rosário para a alma de Bento XVI em uma atmosfera de recolhimento, reverência e oração.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Depois de ser solenemente levado para a praça através da frente da basílica, o caixão foi colocado para descansar em um tapete vermelho ao pé do altar e um livro dos Evangelhos colocado no topo. O secretário pessoal de longa data de Bento XVI, o arcebispo Georg Gänswein, então se curvou para beijar o caixão antes de tomar seu assento na primeira fila, junto com aqueles mais próximos de Bento, incluindo as leigas consagradas do Memores Domini que cuidaram dele por muitos anos.

O arcebispo Georg Ganswein beija o caixão do Papa Emérito Bento XVI.

Uma procissão de centenas de cardeais, bispos e cerca de 3.700 padres ocuparam seus assentos. Entre eles estava o cardeal Joseph Zen Ze-kiun, de 90 anos, de Hong Kong, um aliado próximo de Bento XVI na luta para salvaguardar as liberdades religiosas dos católicos na China comunista. Os cardeais Sean O’Malley, de Boston, Timothy Dolan, de Nova York, Robert McElroy, de San DiDiego, e Daniel DiNardo, de Galveston-Houston, estavam entre os prelados dos EUA para comparecer ao funeral solene, juntamente com vários patriarcas orientais, incluindo o cardeal Louis Raphael Sako, patriarca católico caldeu de Bagdá, e o cardeal Bechara Rai, patriarca maronita de Antioquia, no Líbano.

Cardeais assistem à missa fúnebre do Papa Emérito Bento XVI.

Entre os representantes oficiais do Estado estavam o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier, o chanceler alemão Olaf Scholtz e uma grande delegação de dignitários italianos chefiada pelo presidente Sergio Mattarella e pela primeira-ministra Giorgia Meloni.

Outras nações enviaram funcionários, realeza ou representantes diplomáticos, mas não como delegações oficiais. Os EUA foram representados pelo embaixador do presidente Joe Biden na Santa Sé, Joseph Donnelly.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Papa Francisco entrou no sagrato em frente à basílica pouco antes das 9h30 para se tornar o primeiro papa a celebrar o funeral de seu antecessor desde 1802, quando Pio VII teve os restos mortais de Pio VI trazidos a Roma para enterrá-lo novamente depois que ele morreu e foi enterrado alguns anos antes no exílio como prisioneiro de Napoleão.

Cardeal Joseph Zen participa da missa fúnebre de Bento XVI (Foto: Diane Montagna)

O Santo Padre presidiu o rito inicial, as orações de entrada e o Ato Penitencial. Três leituras foram então proclamadas aos fiéis: a primeira (Isaías 12, 16-19) lida em espanhol, o Salmo 22 em latim, a segunda leitura (1 Pedro 1, 3-9) em inglês e o Evangelho (Lucas 23:39-46) em italiano.

A leitura do Evangelho foi do “Bom Ladrão” que se converte no crucifixo ao lado de Jesus e permite que o Senhor anuncie a Ressurreição com as palavras: “Em verdade vos digo: hoje estareis comigo no paraíso”. Um livreto da missa foi entregue aos fiéis para que pudessem participar melhor da liturgia.

Com uma imagem da ressurreição de Cristo envolta na frente da basílica atrás dele, Francisco começou sua breve homilia com as palavras finais de Jesus na cruz: “Pai, em suas mãos entrego o meu espírito” (Lucas 12:46) – palavras, disse o Papa, que “resumiam” a “vida inteira” de Jesus: uma incessante entrega de si mesmo nas mãos de seu Pai”. Em contraste com a homilia de Bento XVI no funeral do Papa São João Paulo II em 2005, na qual ele mencionou explicitamente as muitas qualidades e realizações de seu amigo íntimo e colaborador, Francisco implicitamente prestou homenagem à vida de Joseph Ratzinger com essas palavras, associando-o a cumprir fielmente as exigências e a devoção orante da vida consagrada.

“O povo fiel de Deus, aqui reunido, agora acompanha e confia a Ele a vida daquele que foi seu pastor”, disse ele. “Como as mulheres no túmulo, também nós viemos com a fragrância da gratidão e o bálsamo da esperança, para mostrar-lhe mais uma vez o amor que é imortal”, concluiu o Papa. “Queremos fazer isso com a mesma sabedoria, ternura e devoção que ele nos concedeu ao longo dos anos. Juntos, queremos dizer: ‘Pai, em Suas mãos nós confiamos o Seu espírito'”.

O Santo Padre acrescentou: “Bento, fiel amigo do Noivo, que a sua alegria seja completa ao ouvir a sua voz, agora e para sempre!”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No final da simples e solene Missa de réquiem, a primeira para um papa falecido não ter o Cânon Romano desde o século VI, o Papa Francisco presidiu a Comenda Final e a Valedônia, que foram seguidas por um momento de oração silenciosa. Longos aplausos e cânticos de Santo Subito! e Viva il Papa! foram ouvidos enquanto os cardeais reunidos voltavam para a basílica.

Ao mesmo tempo, música solene de órgão foi tocada e sinos tocaram quando os portadores do caixão levantaram o caixão e o levaram para trás do altar, onde o Papa Francisco se curvou, colocou a mão na capa de madeira e o abençoou. Os portadores do caixão então carregaram o caixão envolto em cipreste pela porta principal da basílica, após o que Bento XVI foi enterrado nas grutas do Vaticano em uma cerimônia privada.

Papa Francisco diz um último adeus a Bento XVI na missa fúnebre do Papa Emérito Bento XVI.

Calorosas homenagens a Bento XVI têm chegado desde a sua morte na festa de São Silvestre. Em comentários ao Register, o cardeal Raymond Burke disse acreditar que o “maior legado de Joseph Ratzinger é seu ensino e seu cultivo e promoção do uso mais antigo do Rito Romano”. O cardeal americano, que Bento XVI nomeou prefeito da Assinatura Apostólica em 2008, disse que o falecido pontífice alemão será “lembrado pela profundidade do ensino e pela maneira completamente acessível com que o transmitiu”.

Ambrogio Jonghyu Jeong, ex-embaixador da Coreia do Sul na Santa Sé (2016-2018), disse ao Register que, após a morte de Bento XVI, “o sentimento geral de perda entre os católicos coreanos é imenso”. O ex-diplomata, que traduziu sete livros de Joseph Ratzinger para o coreano, disse que há nove anos a eleição do Papa Francisco “foi bem-vinda” e ele “foi uma espécie de popstar na Coreia”. Enquanto isso, ele disse que o Papa Bento XVI foi “gradualmente esquecido; [mas] recentemente o papa abdicado, o Papa Bento XVI, foi redescoberto”.

O autor alemão Paul Badde, que escreveu o livro de 2018 O Santo Véu de Manoppello e era próximo de Bento XVI, disse que o que mais o impressionou no funeral foi a leitura do Evangelho do “Bom Ladrão”. A leitura foi “a primeira canonização da história”, disse Badde, e isso não poderia ter representado uma indicação mais clara da futura canonização de Bento XVI no futuro. Depois disso, Badde observou que o Evangelho continua dizendo que “as trevas vieram sobre toda a terra”, mas em Roma hoje “foi o oposto”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Embora tivesse estado nublado a manhã inteira”, continuou Badde, “de repente, como parte celestial da bela liturgia no chão, o sol se refletiu na esfera dourada no topo da cúpula de São Pedro nesta vigília da Epifania do Senhor, que será o verdadeiro legado de Bento XVI: fazendo com que a Face de Deus seja conhecida em todo o mundo”.

Continua depois da publicidade