Categorias
Traditionis Custodes

Papa Francisco convoca institutos tradicionais em Roma

O superior da Fraternidade Sacerdotal São Pedro disse que a reunião seria para “trocar pontos de vista e ver o que podemos fazer juntos” antes de quaisquer futuras possíveis restrições impostas pelo Vaticano.

Segundo o escritor norte-americano Taylor Marshall, Sua Santidade convocou os superiores da Fraternidade de São Pedro, o Instituto Cristo Rei, o Instituto do Bom Pastor e outras sociedades que celebram a Missa Tridentina para se encontrarem com ele em Roma no próximo mês de setembro.

Segundo vários comentadores consultados, o encontro abordará questões como a plena aceitação do Concílio Vaticano II pelos tradicionalistas, a legitimidade da Missa Novus Ordo criada pelo concílio, a concelebração na Missa Crismal Novus Ordo e outras que ganharam relevância após a promulgação dos custódios motu proprio Traditionis. Alguns vêem isso como uma espécie de “teste de lealdade” que Francisco colocará nessas sociedades.

A Fraternidade de São Pedro chamou seus membros a rezar uma novena de 22 a 30 de agosto por Francisco e a Fraternidade.

Institutos Católicos Tradicionais discutirão ‘Traditionis Custodes’

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Superiores gerais dos institutos apostólicos que celebram exclusivamente o Santo Sacrifício da Missa de acordo com a forma tradicional do rito romano planejam se reunir na próxima semana para discutir o novo decreto do Papa Francisco que limita o uso mais antigo da sagrada liturgia. A reunião segue o lançamento em julho de Traditionis Custodes (Guardiões da Tradição), a carta apostólica de Francisco emitida o motu proprio que limita a celebração da forma mais antiga do rito latino.

O Pe. Andrzej Komorowski, superior geral da Fraternidade Sacerdotal de São Pedro (FSSP), disse que os superiores estavam se reunindo “para trocar pontos de vista e ver o que podemos fazer juntos”. Acrescentou que a ideia partiu dos superiores locais dos institutos tradicionais da França, logo após a publicação dos Custódios Traditionis.

Embora tenha havido especulação sobre outras restrições do Vaticano aos institutos, o padre Komorowski enfatizou que a discussão planejada da próxima semana não foi baseada em relatórios não confirmados, mas acrescentou que estes tornaram a reunião “mais urgente e pode até mesmo tê-la acelerado”.

A fraternidade sacerdotal é o maior dos três institutos internacionais tradicionais de vida apostólica que celebra a missa na forma extraordinária do rito romano – a forma da missa que foi universalmente usada por quase 500 anos antes das reformas do Papa São Paulo VI em 1970 Os outros dois institutos são o Instituto de Cristo Rei Soberano Sacerdote (ICKSP) e o Instituto do Bom Pastor (IBP).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Papa Francisco emitiu restrições radicais à celebração da Missa em latim tradicional quando publicou os Custódios Traditionis em 16 de julho, revertendo decretos papais anteriores que liberalizaram a Missa celebrada antes das reformas litúrgicas que se seguiram ao Concílio Vaticano II e limitando sua prática. Em particular, os bispos receberam “competência exclusiva” para autorizar a missa e foram instruídos a encontrar locais alternativos para os grupos praticá-la sem criar novas paróquias.

Sob os Custódios Traditionis, a responsabilidade pelos institutos tradicionais foi transferida da Congregação para a Doutrina da Fé para a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, cujo prefeito, o cardeal brasileiro João Braz de Aviz, foi considerado um “inimigo” da forma mais antiga da missa quando era arcebispo de Brasília.

O papa disse que agiu por acreditar que as reformas liberalizantes do papa São João Paulo II e Bento XVI da forma mais antiga da missa foram exploradas para criar divisão. Ele também disse que estava “entristecido” pelo uso do Missal de 1962 ter causado abusos, “muitas vezes caracterizado” pela rejeição do Concílio e das reformas litúrgicas que se seguiram.

O motu proprio de Francisco causou consternação entre os adeptos da missa tradicional em latim, que viam a repressão à antiga liturgia sagrada como injustificada e realizada de maneira injustificadamente rápida e severa. Mas, até agora, apenas uma pequena minoria de bispos suprimiu total ou parcialmente a celebração do rito latino tradicional em suas dioceses; a maioria permitiu que continuassem sem restrições.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Especulação recente

De acordo com especulações recentes, o Vaticano planeja proibir os institutos tradicionais de receber candidatos ao sacerdócio até que cada um deles tenha recebido uma visita canônica ou apostólica do Vaticano.

Os críticos dos Custódios Traditionis alegam que o Vaticano produzirá um documento, possivelmente já no próximo mês, sobre a aplicação geral dos Custódios Traditionis, que pode aprofundar as restrições à celebração da missa antiga.

Em comentários de 25 de agosto ao Registro, o Padre Komorowski disse que presumia que uma visita aconteceria “como é um procedimento normal” e porque a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica “não conhece nossos institutos e provavelmente deseja para nos conhecer melhor. ”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas sobre a possível restrição de aceitação de novos candidatos, ele disse que se tratava de “até agora apenas rumores na internet”, não de “uma fonte oficial”, por isso disse que é “muito difícil ter uma estratégia clara de como responder ” no momento. Ele também disse que, em qualquer caso, o motu proprio “não teve nenhum efeito imediato até agora” e ele não esperava mudanças de bispos favoráveis ​​à tradicional missa em latim.

Ele acrescentou que ele e seus colegas superiores do ICKSP e do IBP não foram convocados ao Vaticano, como alguns especularam. “Não fomos informados de tal encontro em Roma. Não tivemos nenhum contato oficial (ou informal) com a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica ”.

A Sala de Imprensa da Santa Sé e o Cardeal Braz de Aviz não responderam aos pedidos do Register perguntando se podiam confirmar ou refutar as notícias. Mas um alto funcionário do Vaticano disse ao Register que achava improvável tais restrições aos candidatos ao sacerdócio, que a publicação de um documento abordando essa questão seria “muito cedo”, e atribuiu os relatórios a “especulações infelizes”.

As preocupações com as possíveis medidas do Papa Francisco para restringir os institutos tradicionais datam de 2016, quando uma nova Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis – princípios fundamentais para a formação sacerdotal – foi publicada pela Congregação para o Clero.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O então prefeito da Congregação, Cardeal Beniamino Stella, disse que o documento propunha apenas uma formação sacerdotal que deveria ser aplicada a todos os Institutos de vida apostólica, incluindo os tradicionais “na Pontifícia Comissão Ecclesia Dei” – a comissão fundada pelo Papa São João Paulo II em 1988, em parte para acomodar esses institutos.

Outras indicações surgiram em 2019, quando Francisco suprimiu a Pontifícia Comissão Ecclesia Dei. Seu secretário, o arcebispo Guido Pozzo, foi enviado para se tornar tesoureiro do Coro da Capela Sistina e não substituído, enquanto as funções da comissão foram subsumidas em uma “seção especial” da Congregação para a Doutrina da Fé.

Após a publicação dos Custódios Traditionis, três dos quatro funcionários que trabalhavam naquela seção foram demitidos e o trabalho começou a transferir as responsabilidades da seção, arquivos e arquivos para a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica e a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos – um processo a ser concluído até outubro.

Contrariando a tendência

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O motu proprio do Papa Francisco veio em um momento em que os institutos tradicionais mostraram um crescimento significativo nas últimas duas décadas, contrariando a tendência da Igreja em geral com um número cada vez maior de vocações e crescente frequência à missa.

Em novembro de 2020, a Fraternidade Sacerdotal de São Pedro, fundada em 1988, contava com 330 sacerdotes, triplicando o número desde 2001, e 162 seminaristas. Em maio de 2020, o Instituto Cristo Rei, fundado em 1990, contava com 120 sacerdotes, 100 seminaristas e presença em 12 países, enquanto no ano passado o Instituto do Bom Pastor, fundado em Roma em 2006, contava com 48 sacerdotes em 10 países.

“Cada instituto tem uma grande participação de jovens e famílias jovens”, observou um padre tradicional radicado em Roma. “Essas pessoas de todas as extrações e idades são imediatamente atraídas pela pura e transparente catolicidade da Missa em toda sua simplicidade, com o simples objetivo de louvar a Deus e promover a vida interior, conscientes da necessidade de abandonar o pecado e viver em um estado de graça e reparação na companhia dos santos de Deus ”.

Mas o Papa Francisco emitiu os Custódios Traditionis depois de ter “considerado cuidadosamente” os resultados de uma pesquisa de nove pontos que a CDF enviou aos bispos no ano passado para avaliar a implementação do Summorum Pontificum (Dos Sumos Pontífices), o motu proprio de Bento XVI de 2007 liberalizando o latim tradicional Massa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa pesquisa, que deve conter alguns relatos dos abusos e da exploração que Francisco menciona em sua carta que acompanha o motu proprio, não foi tornada pública e é improvável que seja colocada no domínio público. O oficial sênior do Vaticano disse ao Register que a pesquisa está “em poder do Santo Padre, é sub secreto [sob o segredo pontifício] e não temos acesso a ela”.

O Padre Komorowski chamou os abusos e interpretações erradas que o Papa Francisco mencionou de “alegados”, visto que ele pessoalmente não tinha muita experiência com eles.

“Posso compreender que sempre e em toda parte haja alguns fiéis e até padres que nem sempre falam de uma forma muito diplomática”, disse ele, mas acrescentou que a Fraternidade “não foi solicitada de forma alguma a dar a nossa opinião, por isso é uma situação muito infeliz. ”

Da mesma forma, ele disse que o Vaticano deve consultar os institutos tradicionais para ver se eles têm ideias sobre como implementar o motu proprio. “Se formos convidados a vir e dar nossa opinião sobre todas essas coisas, ficaremos felizes em ajudar”, disse ele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Nesse ínterim, o padre Komorowski disse que a fraternidade sacerdotal estava tentando manter a esperança.

“Temos que permanecer positivos”, disse ele. “Queremos apenas viver o nosso carisma e permanecer apegados às nossas Constituições e recordar que as nossas Constituições foram aprovadas pela Santa Sé, por isso, se há algo vindo de lá para mudar o nosso carisma e as nossas Constituições, deve ser feito da maneira adequada através de um capítulo geral e respeitando a vontade dos fundadores e membros. ”

“Devemos realmente tentar manter o foco em nossas atividades apostólicas”, acrescentou ele, “e orar e esperar, como temos feito até agora, que a Providência divina nos ajude a superar esta crise.”


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE