Categorias
Vaticano

O Papa Francisco não mudou o ensino da Igreja sobre o casamento

 

COMENTÁRIO: Há menos nos comentários do Santo Padre do que aparenta, mas continua a ser uma declaração impactante, contudo o que significa exatamente permanece obscuro.

Padre Raymond J. de Souza | Traduzido de National Catholic Register

As manchetes globais informando que o Papa Francisco é a favor das uniões civis para casais do mesmo sexo apresentaram os comentários do Santo Padre como uma mudança dramática no ensino da Igreja Católica sobre as relações homossexuais. Há menos aqui do que aparenta, mas continua sendo uma afirmação significativa. 

O que isso significa exatamente permanece obscuro. Os breves comentários do Santo Padre – algumas frases – em um documentário lançado em 21 de outubro não faziam parte de um discurso cuidadosamente redigido, muito menos de um documento formal de ensino. Os comentários têm o mesmo peso e caráter das conferências de imprensa aerotransportadas que o Papa Francisco não teve a oportunidade de realizar neste ano pandêmico. Talvez este filme tenha sido abraçado como uma oportunidade de coçar aquela coceira tagarela.

Mas tem havido discussão de que a edição inadequada das declarações do Papa gerou muita confusão.

Há algo de “imbergoglio” em tudo isso.  (imbróglio)

Uma operação de comunicação modestamente competente do Vaticano deveria ter previsto o documentário e preparado materiais de base explicativos para ajudar os telespectadores a entender o que o Santo Padre estava fazendo – e o que ele não estava fazendo.

O que o Papa Francisco fez

É uma característica marcante do pontificado de Francisco que ele se aproxima dos que estão nas “periferias”, dos que sofrem e dos feridos. Na verdade, é um dos aspectos mais atraentes de seu testemunho e ministério. Se o movimento pelos “direitos dos homossexuais” está nas periferias é discutível, mas o fato de que há aqueles na comunidade “LGBT” que se sentem excluídos, até mesmo condenados ao ostracismo, da vida da Igreja é uma realidade pastoral que o Santo Padre tem procurado abordar. Seu comentário inicial é totalmente consistente com muitas de suas declarações e ações anteriores:

“Os homossexuais têm o direito de pertencer a uma família. Eles são filhos de Deus. Você não pode expulsar alguém de uma família, nem tornar sua vida miserável por isso. ”

Deve-se notar que o uso da sigla “LGBT” em muitas notícias e comentários é, neste caso, extremamente impreciso. O Santo Padre falou de “pessoas homossexuais” (LGB) e não de pessoas “trans” (T); pelo contrário, o Papa Francisco é talvez o líder mundial que mais veementemente se opõe ao que ele freqüentemente denuncia como “ideologia de gênero”.

A segunda parte do comentário do Santo Padre tratou dos arranjos legais para casais do mesmo sexo:

“O que temos que criar é uma lei da união civil; dessa forma, eles são legalmente cobertos.”

Como foi bem documentado nas biografias do Papa Francisco, em 2010 como arcebispo de Buenos Aires ele lutou contra o “casamento” de pessoas do mesmo sexo, mas defendeu as “uniões civis” ou algumas proteções legais para casais do mesmo.

A distinção que ele fez na época foi que apenas casamento é casamento – significando um homem e uma mulher – mas que os indivíduos em outros relacionamentos podem receber a proteção da lei. 

O fato de o Santo Padre ter dito que “temos que criar” foi interpretado por alguns como uma espécie de mandato pontifício, mas isso é demais para um comentário passageiro. Em qualquer caso, o cavalo da união civil há muito deixou o celeiro, então não está claro quais situações o Santo Padre tinha em mente. Em grande parte do mundo, as uniões civis seriam vistas como um retrocesso em relação aos direitos do mesmo sexo; em outras partes do mundo, é considerado uma distração do prêmio do “casamento” do mesmo sexo.

É estranho, mas verdadeiro, que a declaração do Papa Francisco seja quase totalmente irrelevante para o mundo. Continua relevante para a Igreja (veja abaixo). Dado que se referiu à sua posição em 2010 – “Eu defendi isso” – é perfeitamente possível que tenha feito um comentário explicativo sobre a história recente.

Leia também
PODE UMA PESSOA COM TENDÊNCIAS HOMOSSEXUAIS SER UM BOM CATÓLICO?

O que o Papa Francisco não fez

O Santo Padre não mudou os ensinamentos da Igreja sobre a natureza do casamento, nem sugeriu que outros arranjos poderiam tornar as relações entre pessoas do mesmo sexo equivalentes ao casamento. 

“Seus comentários de forma alguma indicam um afastamento do ensino da Igreja Católica a respeito do casamento ou da homossexualidade”, disse o bispo David Zubik, de Pittsburgh. “Trata-se, sim, de uma abordagem pastoral dessas questões”.

Dom Zubik observou que a exortação papal Amoris Laetitia (2016) convida à compaixão pelos homossexuais e suas famílias (250). Esse mesmo documento também ensina que “não há absolutamente nenhuma base para considerar as uniões homossexuais como de alguma forma semelhante ou mesmo remotamente análoga ao plano de Deus para o casamento e a família” (251). 

Ao dizer que “pessoas homossexuais” têm o “direito” de estar “em uma família” ou “parte da família” (dependendo da tradução), não parece que o Papa Francisco está falando sobre questões jurídicas complexas como FIV ou adoção. Ele provavelmente está se referindo às famílias de origem e que os homossexuais não devem ser expulsos ou privados do amor de seus pais, irmãos e parentes. Se o Santo Padre tivesse mais do que isso em mente, ele o teria dito; ele está repetindo aqui o que ensinou em Amoris Laetitia .

The San Francisco Solution

Em 1997, a cidade de San Francisco determinou que os empregadores – incluindo a Igreja Católica – fornecessem benefícios para casais do mesmo sexo. O arcebispo William Levada – o futuro prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé sob Bento XVI – propôs uma solução diferente. Um funcionário pode designar outra pessoa no mesmo endereço para compartilhar os benefícios. Isso atenderia às exigências da cidade de que casais do mesmo sexo em um relacionamento sexual teriam benefícios, mas também não envolvia a Igreja no reconhecimento formal de tais relacionamentos como equivalentes ao casamento. (A mesma lógica se aplica às relações de direito comum.) 

A solução de São Francisco permitiria a um funcionário designar um irmão, um pai idoso ou um filho adulto, e por isso argumentou-se que se tratava de uma política pró-família em vigor, mesmo que não tivesse se originado como tal.

O atual arcebispo de São Francisco, Salvatore Cordileone, emitiu uma declaração sobre as declarações do Santo Padre que colocam as “uniões civis” no contexto da solução de São Francisco:

“Eu acrescentaria que uma união civil desse tipo (que não é equiparada a casamento) deve ser tão inclusiva quanto possível, e não se restringir a duas pessoas do mesmo sexo em uma relação sexual presumida. Não há razão, por exemplo, para que um irmão e uma irmã, ambos solteiros e que apoiam um ao outro, não tenham acesso a esses tipos de benefícios. O casamento é único porque é a única instituição que conecta as crianças às suas mães e pais, e, portanto, é presumido ser uma relação sexual.”  

Leia também
PODE UMA PESSOA COM TENDÊNCIAS HOMOSSEXUAIS SER UM BOM CATÓLICO?

Casamento falso

Em 2017, o colunista Michael Sean Winters do National Catholic Reporter , um autodenominado católico liberal simpático ao “casamento” do mesmo sexo, esboçou um cenário em que ele entraria em um (falso) “casamento” do mesmo sexo:

“Se amanhã eu descobrisse que estava com câncer e só tinha seis meses de vida, me casaria com meu ex-colega de quarto, que também é homem. Eu não faria isso porque somos amantes, mas não somos. Eu não faria isso porque pretendia, com essa ação, aproximar de qualquer maneira o sacramento do casamento que a Igreja concede. Não, eu faria isso porque, tendo sido o executor da propriedade relativamente pequena e simples de meu pai, eu sei que seria muito, muito mais fácil lidar com coisas como minhas contas bancárias e, mais especialmente, meu cachorro se eu tivesse um esposo que viveu depois de mim. ” 

Winters não está discutindo um relacionamento homossexual, mas as questões legais e logísticas são semelhantes. Uma “união civil” permite que outros relacionamentos – incluindo, mas não se limitando a relacionamentos sexuais entre pessoas do mesmo sexo – tratem de tais questões. Dependendo de como redigidas, tais disposições evitariam a necessidade de Winters e outros como ele optarem por um casamento falso, mas desfrutando de proteções legais.

Padre James Martin

O padre jesuíta James Martin explica por que considera os comentários do Santo Padre “importantes”:

“Primeiro, ele os diz como Papa, não como Arcebispo de Buenos Aires. Em segundo lugar, Francisco está claramente apoiando, não simplesmente tolerando, as uniões civis. Terceiro, ele está dizendo isso para as câmeras, em um novo documentário, não em particular. (Eu vi o filme e o cineasta o mostra sabiamente dizendo isso para a câmera, não como uma narração.)

“Este é um passo histórico à frente para a Igreja em seu relacionamento com as pessoas LGBTQ e os católicos LGBTQ.”

O Padre Martin está para o pontificado do Papa Francisco como o Padre Robert Barron foi para Bento XVI ou o Padre Richard John Neuhaus foi para São João Paulo II – o intérprete sacerdotal americano privilegiado. Ele capta de uma maneira particular a intenção, ou sabor, do que o Santo Padre deseja fazer e a atenção deve ser prestada. O padre Martin recebe considerável atenção dos meios de comunicação que o consideram um defensor da mudança do ensino católico sobre a homossexualidade.

E, embora haja menos aqui do que aparenta, não é insignificante. E o significado não é determinado apenas pela análise sintática, mas como as coisas são recebidas. 

Afinal, a frase de assinatura de todo o ministério do Papa Francisco – sua versão de João Paulo II de “Não tenha medo!” – foi um comentário extemporâneo semelhante sobre pessoas homossexuais: “Quem sou eu para julgar?”

Leia também
Quem não concorda com o Papa é desobediente?