Categorias
Mundo

Milagre de São Januário: Sangue se liquefez após um dia de oração.

 

Por fim, San Gennaro realizou o milagre novamente. E Nápoles suspira. O sangue do santo, que ontem estava sólido, derreteu no segundo dia de oração. “No dia 2 de maio, segundo dia de oração, às 17h18 – lemos no site diocesano – se repetiu o milagre do milagre líquido-sangue de San Gennaro”.

Havia muito medo em Nápoles e além, porque nada aconteceu depois de dois dias. Além disso, ‘Vincenzo di Gregorio, o tesouro do abade de San Gennaro, havia confirmado oficialmente que mesmo dessa vez o milagre de San Gennaro não havia sido realizado. Fez isso, tradicionalmente ocorrendo no sábado anterior ao primeiro domingo de maio, no final da festa, para comemorar a conversão dos monumentos da padroeira, conforme previsto. Ao lado dele estavam o arcebispo Dominico Pataclia, de Nápoles, e seu predecessor Crescenzio Cepe, que conversou com outros sacerdotes.

Sangue não se liquefez no primeiro dia

O sangue de São Januário (Gennaro) não se dissolveu no final da celebração eucarística na Catedral de Nápoles, da mesma forma como na celebração do último dia 16 de dezembro.

O relicário foi retirado do cofre pela primeira vez pelo arcebispo Dom Mimmo Battaglia, que celebrou a liturgia em uma das três datas nas quais o da liquefação do sangue do Santo Padroeiro acontece (primeiro sábado de maio, além de 19 de setembro e 16 de dezembro.)

“Hoje, por favor, não caia na tentação de ficar no limiar da superfície, intrigado com o prodígio, tomado pelo desejo de ler nele bons votos ou presságios agourentos para o nosso futuro”, disse ele durante a homilia.

«O sangue, quer se derreta quer permaneça na sua santidade imutável, remete-nos para o sangue de Cristo, em cujo mistério pascal ainda nos encontramos e que é o único que dá sentido ao grande e intenso ícone do sangue que é. se dissolve, para nos lembrar que está sempre viva no sofrimento e na esperança de todos vocês – de todos nós, eu também estou lá, napolitanos – e de todos os homens e mulheres que sabemos serem salvos por Jesus, de quem ‘ imenso pacto de amor ainda hoje, em breve: «Este é o meu sangue, o sangue pela nova e eterna aliança, derramado por vós e por todos» », afirmou.

No final da missa, o arcebispo retirou o relicário anunciando que o sangue ainda não havia dissolvido. Após um breve momento de oração, “Don Mimmo” deu a bênção e encerrou a celebração.

Traduzido de grandenapoli.it

Leia também
Reze conosco durante o mês de maio: Um mês com Maria – Padre Stefano Maria Manelli

Por que o milagre de São Januário é tão importante?

O mundo inteiro está falando do sangue de São Januário. Mas você sabe, afinal, em que consiste o milagre da sua liquefação e o que ele realmente significa?

Não é a primeira vez que o milagre da liquefação do sangue de São Januário vira notícia recentemente. Em 21 de março de 2015, dia incomum para a ocorrência do fenômeno, os restos sanguíneos do padroeiro de Nápoles se dissolveram à vista do Papa Francisco. Agora, no último dia 16 de dezembro, o que causou estranheza mundo afora foi justamente a ausência do milagre, a qual, como já dito, “sempre esteve ligada a momentos nefastos da história da cidade” italiana.

Considerando toda a atenção que se vem dando a este acontecimento de caráter realmente sobrenatural, transcrevemos abaixo uma pequena matéria, publicada no blog português Senza Pagare, que descreve de modo bem resumido em que consiste este milagre e qual é, afinal, a sua importância.

No passado dia 16 de dezembro, ao contrário do habitual, não aconteceu o milagre da liquefação do sangue de S. Januário, em Nápoles.

Este milagre acontece 3 vezes por ano: 19 de setembro, dia de S. Januário; 16 de dezembro, porque nesse dia, em 1631, foi feita uma procissão com as relíquias de S. Januário que impediu a iminente erupção do vulcão Vesúvio; no sábado que antecede o primeiro domingo de maio, dia da primeira trasladação do corpo do santo.

As datas da liquefação do sangue de São Januário são celebradas com grande pompa e esplendor.

As relíquias são expostas ao público, e se a liquefação não se verifica imediatamente, iniciam-se preces coletivas. Se o milagre tarda, os fiéis convencem-se de que a demora se deve aos seus pecados. Rezam então orações penitenciais, como o salmo ” Miserere“.

Quando o milagre ocorre, o Clero entoa um solene Te Deum, a multidão irrompe em vivas, os sinos repicam e toda a cidade rejubila.

Entretanto, sempre que nas datas costumeiras o sangue não se liquefaz, isso significa o aviso de tristes acontecimentos vindouros, segundo uma antiga tradição nunca desmentida.

O sangue de São Januário está recolhido em duas ampolas de vidro, hermeticamente fechadas, protegido por duas lâminas de cristal transparente. A ampola maior possui 60 cm cúbicos de volume; a menor tem capacidade de 25 cm cúbicos. Em geral, o sangue endurecido ocupa até a metade da ampola maior; na menor, encontra-se disperso em fragmentos.

A liquefação do sangue produz-se espontaneamente, sob as mais variadas circunstâncias, independentemente da temperatura ou do movimento, o sangue passa do estado pastoso ao fluido e, até, fluidíssimo. A liquefação ocorre da periferia para o centro e vice-versa. Algumas vezes, o sangue liquefaz-se instantânea e inteiramente, ou, por vezes, permanece um denso coágulo em meio ao resto liquefeito. Varia o colorido: desde o vermelho mais escuro até o rubro mais vivo. Não poucas vezes surgem bolhas e sangue fresco e espumante sobe rapidamente até o topo da ampola maior.

Trata-se verdadeiramente de sangue humano, comprovado por análises espectroscópicas.

Há algumas peculiaridades, que constituem outros milagres dentro do milagre liquefação, há uma variação do volume: algumas vezes diminui e outras vezes aumenta até o dobro. Varia também quanto à massa e quanto ao peso. Em janeiro de 1991, o Professor G. Sperindeo fazendo uso, com o máximo cuidado, de aparelhos de alta precisão, encontrou uma variação de cerca de 25 gramas. O peso aumentava enquanto o volume diminuía. Esse acréscimo de peso contraria frontalmente o princípio da conservação da massa e é absolutamente inexplicável, pois as ampolas encontram-se hermeticamente fechadas, sem possibilidade de receber acréscimo de substâncias do exterior.

A notícia escrita mais antiga e segura do milagre consta de uma crônica do século XIV. Desde 1659, estão rigorosamente anotadas todas as liquefações, que já perfazem mais de dez mil!

Leia também
Papa Francisco convoca 30 dias de oração pelo fim da pandemia durante mês de maio

Quanto à chave de interpretação com que devemos ler esse milagre (ou, no caso, a ausência dele), é a reação dos próprios fiéis napolitanos que nos ensina: “Se o milagre tarda, os fiéis convencem-se de que a demora se deve aos seus pecados“. É a luta contra os nossos pecados, portanto, o que nos deve preocupar de modo especial ao sabermos que São Januário não quis operar o seu costumeiro milagre diante do povo de Nápoles.

Quando vamos acordar e perceber que a pior tragédia de todas se chama perdição das almas e já está acontecendo há muito tempo?

Mais do que traçar conjecturas sobre o que acontecerá no mundo, mais do que perguntar que tipo de desgraça pode se abater sobre a humanidade, o momento presente pede oração e penitência. E essa é a mensagem não apenas do sangue de San Gennaro (como o chamam os italianos) ou da aparição de Nossa Senhora em Fátima, cujo centenário está às portas, mas de toda a revelação cristã. “Se não vos converterdes”, afinal, diz o próprio Senhor, “perecereis todos do mesmo modo” (Lc 13, 3).

Essas palavras são muito sérias. O cristianismo é coisa muitíssimo séria. Mas, pelo visto, poucos de nós estão dispostos a emendar-se de vida e atender aos apelos que o próprio Céu nos tem feito com tanta insistência, especialmente nas últimas décadas. Nossos pecados se multiplicam indefinidamente, levando-nos para longe da presença de Deus, como mostrou a Virgem de Fátima aos três pastorinhos, e nós ficamos a pensar em que tipo de catástrofe se irá suceder aqui ou acolá, este ano ou ano que vem, preocupados com desastres físicos e materiaisQuando vamos acordar e perceber que a pior tragédia de todas se chama perdição das almas e já está acontecendo há muito tempo? Quando vamos abrir os olhos da fé, afinal, para enxergarmos o mundo sobrenatural à nossa volta e tomarmos então consciência verdadeira da situação em que nos encontramos?

Repitamos com o venerável bispo norte-americano Fulton Sheen uma verdade mais do que necessária para tempos conturbados como os nossos: “Se as almas não forem salvas, nada se salvará“. As almas, as almas cuja salvação sempre foi a lei suprema da Igreja, as almas cujo preço foi o próprio sangue de Cristo derramado na Cruz: são elas a nossa meta, porque são elas a meta de Deus! Que eventos como o milagre de São Januário — ou o silêncio de São Januário — sirvam para lembrar-nos desta realidade e ressuscitem aqueles que estão na morte do pecado para a vida sobrenatural da graça.

Leia também
Como nos preparar para o Fim dos Tempos?