Categorias
Aborto

Madre Teresa: “O maior destruidor da paz hoje é o aborto”

Em 17 de outubro de 1979, Santa Teresa de Calcutá recebeu o Prêmio Nobel da Paz. A chave do comitê foram “esforços construtivos para acabar com a fome e a pobreza e garantir à humanidade uma comunidade mundial mais segura e melhor para se desenvolver deve ser inspirada no espírito de Madre Teresa, pelo respeito ao valor e à dignidade de cada ser humano”.

11 de dezembro daquele mesmo ano foi o dia em que ela fez o famoso discurso para toda a humanidade, onde ficou claro novamente por que ela levou o prêmio. A santa de hoje queria começar seu discurso antes de tudo para “agradecer a Deus pela oportunidade que temos de estar juntos hoje, pelo dom da paz que nos lembra que fomos criados para viver nessa paz, e que Jesus se tornou homem para nos trazer essa boa notícia aos pobres”.

Em seu discurso, ela deu ênfase especial à questão do aborto, indo tão longe quanto afirmar que “muitas pessoas estão muito, muito preocupadas com as crianças na Índia, com crianças na África, onde muitos morrem, talvez por desnutrição, por fome ou outras coisas, mas milhões estão deliberadamente morrendo pela vontade da mãe. E esse é o maior destruidor da paz hoje”, disse ela em referência ao aborto. “Porque se uma mãe pode matar seu próprio filho, o que está faltando para eu matar você e você me matar?”, perguntou Madre Teresa de Calcutá em seu discurso.

Sobre seu trabalho com os pobres e desfavorecidos, ela disse: “Eu realmente acredito que não somos assistentes sociais. Podemos estar fazendo um trabalho social aos olhos do povo, mas somos verdadeiros contemplativos no coração do mundo. Porque não paramos de tocar no Corpo de Cristo 24 horas por dia.”

Aqui está o discurso de Madre Teresa ao receber o Prêmio Nobel da Paz de 1979:

Neste momento em que nos reunimos aqui para agradecer a Deus pelo Prêmio Nobel da Paz, acho que seria lindo se todos orássemos a oração que São Francisco de Assyz compôs que sempre me surpreende muito – rezamos esta oração todos os dias após a Santa Comunhão – porque é muito apropriado para a vida de cada um de nós, E sempre me pergunto se há 400-500 anos, quando São Francisco de Assyson o compôs, eles tiveram as mesmas dificuldades que temos hoje, porque é uma oração que também se encaixa perfeitamente no mundo de hoje. Acho que alguns de vocês já entenderam isso, então vamos rezar juntos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deixe-me agradecer a Deus pela oportunidade que temos de estar juntos hoje, pelo dom da paz que nos lembra que fomos criados para viver nessa paz, e que Jesus se tornou homem para trazer essa boa notícia aos pobres. Ele, sendo Deus, tomou a condição do homem em todos os aspectos como nós, exceto no pecado, e proclamou claramente que ele tinha vindo para proclamar a boa notícia. Essa boa notícia foi a paz a todos os homens de boa vontade e isso é algo que todos nós queremos – a paz do coração – e Deus amou tanto o mundo que deu ao seu filho – porque lhe foi dado – que é tanto quanto dizer que dói a Deus dar a ele, porque ele amava tanto o mundo que deu ao seu filho e deu à Virgem Maria, E o que ela fez com Ele?

Assim que ele entrou em sua vida, Ela imediatamente correu para proclamar essa boa notícia, e assim que ela entrou na casa de seu primo, a criança – a criança não nascida – a criança no ventre de Elizabeth, saltou de alegria. Aquele garotinho ainda não nascido foi o primeiro mensageiro da paz. Ele reconheceu o Príncipe da Paz, ele reconheceu que Cristo tinha vindo para dar a boa notícia para você e para mim. E como se isso não bastasse, como se não bastasse se tornar um homem, ele morreu na cruz para mostrar um amor maior, e ele morreu por você e por mim e por esse leproso e por aquele homem morrendo de fome e aquela outra pessoa nua deitada na rua, não só de Calcutá, mas da África, Nova York, Londres e Oslo – e Ele insistiu que nos amássemos como Ele ama cada um de nós. E lemos tudo isso muito claramente no Evangelho — amor como eu te amei — como eu te amo — como o Pai me amou, então eu te amo — e quanto mais o Pai o amava, mais ele o dava a nós, e quanto mais nos amamos, mais devemos nos entregar um ao outro também até que doa. Não basta dizermos: eu amo Deus, mas não amo meu vizinho. St. John diz que somos mentirosos se dissermos que amamos Deus, mas não amamos nosso vizinho. Como você pode amar um Deus que você não vê, se você não ama seu vizinho que você vê, quem você toca, e com quem você vive? E é por isso que é tão importante perceber que o amor, para ser verdadeiro, deve doer. Magoou Jesus nos amar. E para ter certeza de que nos lembramos de Seu grande amor, Ele fez pão da vida para satisfazer nossa fome por Seu amor. Nossa fome por Deus, porque fomos criados para esse amor. Fomos criados à sua imagem. Fomos criados para amar e ser amados, e então ele se tornou homem para tornar possível para nós amarmos uns aos outros como ele nos amava. Ele se torna o faminto, o nu, o sem-teto, o doente, o prisioneiro, o solitário, o indesejado, e diz: Você fez isso comigo. Com fome de nosso amor e fome por nosso povo pobre. Esta é a fome que você e eu devemos encontrar e que pode estar em nossa própria casa.

Nunca me esqueço da oportunidade que tive quando visitei um asilo onde foram deixados por seus filhos e filhas e talvez esquecidos. E eu fui lá, e vi que naquela casa eles tinham tudo, coisas bonitas, mas todos eles estavam olhando para a porta. E eu não vi um pobre sorriso em seus rostos. E virei-me para a irmã e perguntei-lhe como pode ser, como pode ser que essas pessoas que têm tudo, olhem para a porta, por que não sorriem? E eu estou tão acostumada a ver um sorriso em nosso povo, até mesmo o sorriso moribundo, e ela respondeu: Isso é quase todos os dias, eles estão esperando, eles estão esperando um filho ou filha para vir visitá-los. Eles estão magoados porque são esquecidos, e olha, é aqui que o amor é mostrado. Que a pobreza é o que é vivido em nossas próprias casas, é onde ocorre a negligência do amor. Talvez em nossa família tenhamos alguém que se sinta sozinho, doente ou preocupado, e estes são dias difíceis para todos. Estamos lá para recebê-los, a mãe está lá para receber seu filho?

Fiquei muito surpreso ao ver tantos meninos e meninas no Ocidente cedendo às drogas, e tentei descobrir por que – por que isso acontece? e a resposta foi: porque não há ninguém na família que os acolha. O pai e a mãe estão tão ocupados que não têm tempo. Os pais jovens têm tantas ocupações que o filho volta às ruas e se envolve em outras coisas. Estamos falando sobre paz. São coisas que quebram a paz, mas acho que o maior destruidor da paz hoje é o aborto, porque é uma guerra direta, um assassinato direto da própria mãe. E lemos nas Escrituras, porque Deus diz claramente: Mesmo que uma mãe possa esquecer seu filho, eu não te esquecerei, eu carrego você gravada na palma da minha mão. Estamos gravados na palma da Sua mão, tão perto Dele que o nascituro foi esculpido na palma da mão de Deus. E é isso que mais me impressiona, o início daquela frase, que mesmo que uma mãe pudesse esquecer algo impossível – mas mesmo que pudesse esquecer – eu não te esquecerei. E hoje o mais importante, o maior destruidor da paz é o aborto. E para aqueles de nós que estão aqui presentes – nossos pais nos amavam. Não estaríamos aqui se nossos pais tivessem feito isso conosco. Amamos nossos filhos, os amamos, mas ai de milhões de crianças. Muitas pessoas estão muito, muito preocupadas com as crianças na Índia, crianças na África, onde muitos estão morrendo, talvez de desnutrição, fome ou outras coisas, mas milhões estão morrendo deliberadamente pela vontade da mãe. E esse é o maior destruidor da paz hoje. Porque se uma mãe pode matar seu próprio filho – o que falta para eu matar você e você me matar? – não há nada no meio. E aplico isso na Índia, aplico em todos os lugares: Vamos trazer a criança de volta, e neste ano que foi o ano da criança: O que fizemos pela criança? No início deste ano eu falei, falei em todos os lugares e disse: Vamos fazer com que este ano toda criança que nasce e por nascer seja amada. E hoje é o fim deste ano, nós realmente amamos as crianças? Eu vou te mostrar algo assustador. Estamos lutando contra o aborto com adoção, salvamos milhares de vidas, enviamos mensagens para todas as clínicas, todos os hospitais, todos os escritórios de polícia – por favor, não destrua a criança, nós pegaremos a criança. E como há sempre alguém a cada hora do dia e da noite, temos um grande número de mães solteiras – diga-lhes para virem, nós cuidaremos de você, cuidaremos de seus filhos e encontraremos um lar para você. Temos uma grande demanda por famílias que não têm filhos, essa é a grande bênção de Deus conosco. E também fazemos outra coisa que é muito bonita, ensinamos nossos mendigos, nossos leprosos, nossos pobres, nossos moradores de rua, o que é planejamento familiar natural.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em Calcutá, em apenas seis anos, somente em Calcutá, 61.273 crianças a menos nasceram graças à prática dos métodos naturais de abstenção, autocontrole… Ensinamos a eles o método de temperatura que é muito bonito e muito simples, e nossos pobres entendem isso. Sabe o que me disseram? Nossa família é saudável, nossa família está unida, e podemos ter um filho quando quisermos. Tão claro, aquelas pessoas na rua, aqueles mendigos, e eu acredito que se nossos pobres podem viver assim, quanto mais você e todos aqueles que têm a capacidade de conhecer os métodos e seu significado sem destruir a vida que Deus criou em nós.

Os pobres são pessoas muito boas. Eles podem nos ensinar muitas coisas bonitas. Outro dia um deles veio me agradecer por algo e disse: Você, aqueles que têm o voto de castidade, são os melhores para nos ensinar sobre planejamento familiar, porque consiste em nada além de autocontrole e amor vivo pela outra pessoa. Sinceramente, acho que é uma boa declaração. E são pessoas que talvez não tenham nada para comer, talvez não tenham casa para morar, mas são ótimas pessoas. Os pobres são pessoas maravilhosas. Uma noite saímos e pegamos quatro pessoas na rua. E um deles estava na condição mais terrível — e eu disse para as irmãs: Vocês cuidam dos outros três, eu vou cuidar deste que parece pior. Então eu fiz por aquele homem tudo o que meu amor poderia fazer. Eu o coloquei na cama, e ele mostrou um belo sorriso no rosto. Ele pegou minha mão, enquanto dizia uma única palavra: obrigado – e ele morreu.

Eu não conseguia parar de examinar minha consciência antes dela, e eu me perguntava o que ela teria dito se eu estivesse no lugar dela. E minha resposta foi muito simples. Eu teria tentado chamar um pouco a atenção para mim mesmo, eu teria dito que estava com fome, que estou morrendo, estou com frio, estou com dor, ou algo assim, mas essa pessoa me deu muito mais – ele me deu seu amor grato. E ele morreu com um sorriso no rosto. Como o outro homem que pegamos do ralo, meio comido por vermes, e levamos para casa. Eu vivi como um animal na rua, mas morrerei como um anjo, amado e cuidado. E foi maravilhoso ver a grandeza daquele homem que poderia falar assim, que poderia morrer assim, sem culpar ninguém, sem xingar ninguém, sem se comparar a ninguém. Como um anjo, esta é a grandeza do nosso povo. E é por isso que acreditamos no que Jesus disse: eu estava com fome, eu estava nua, eu estava na rua – eu não era querido, eu não era amado, ninguém cuidou de mim – e você fez isso comigo.

Eu realmente acredito que não somos assistentes sociais. Podemos estar fazendo um trabalho social aos olhos do povo, mas somos verdadeiros contemplativos no coração do mundo. Porque não paramos de tocar no Corpo de Cristo 24 horas por dia. Mantemos 24 horas dessa presença, e que você e eu. Você também deve tentar manter essa presença de Deus em sua família, porque a família que reza junto permanece unida. E acredito que em nossas famílias não precisamos de bombas e armas para destruir a paz – mas para vivermos juntos, amando uns aos outros, para trazer essa paz, essa alegria, essa força da presença de cada um de nós em casa. E então seremos capazes de superar todo o mal do mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há tanto sofrimento, tanto ódio, tanta miséria, e começamos em casa com nossa oração, com nosso sacrifício. O amor começa em casa, e não é tanto quanto fazemos, mas quanto amor colocamos nas coisas que fazemos. É Deus Todo-Poderoso, não importa o quanto seja feito, porque Ele é infinito, mas quanto amor colocamos nessa ação. Quanto fazemos por Ele na pessoa que estamos servindo.

Há algum tempo, em Calcutá, tivemos grande dificuldade em obter açúcar, e não sei como as crianças puderam descobrir, e um menino de quatro anos, um menino hindu, foi à casa dele e disse aos pais: Não vou comer açúcar por três dias, vou dar meu açúcar para Madre Teresa pelos filhos dela. Depois desses três dias, seu pai e sua mãe o trouxeram para nossa casa. Eu nunca os tinha visto antes, e esse carinha mal conseguia pronunciar meu nome, mas ele sabia exatamente o que tinha vindo a fazer. Eu sabia que queria compartilhar o amor dela.

E é por tudo isso que recebi tanto amor de todos vocês. Desde que cheguei aqui, fui cercado simplesmente de amor, e com amor verdadeiro e compreensivo. Parecia que todos os homens da Índia, todos os africanos eram muito especiais para você. E eu disse à irmã hoje que me senti em casa. Sinto-me no Convento com as Irmãs como se estivesse em Calcutá com minhas próprias irmãs. É assim que eu me sinto aqui.

E então eu estou aqui falando com você, eu quero que você encontre os pobres aqui, antes de qualquer outro lugar em sua própria casa. E comece a amar lá. Seja uma boa notícia para seu próprio povo. E descobrir sobre a situação do vizinho da sua casa. Tive uma experiência extraordinária com uma família hindu que teve oito filhos. Um cavalheiro veio à nossa casa e disse: Madre Teresa, há uma família com oito filhos, você não come há muito tempo, por favor, faça alguma coisa. Então eu peguei um pouco de arroz e fui imediatamente. E eu vi as crianças – seus olhos estavam brilhando de fome – eu não sei se eles já viram fome. Mas eu vi isso muitas vezes. E ela pegou o arroz, dividiu o arroz, e saiu. Quando ele voltou eu perguntei- Onde você foi, o que você fez? E aquela mulher me deu uma resposta muito simples: eles estão com fome também. O que mais me impressionou foi que ela sabia e que eles eram uma família muçulmana – e ela sabia disso. Eu não trouxe mais arroz naquela noite porque eu queria que eles usassem a alegria de compartilhar. Mas havia as crianças, irradiando alegria, compartilhando a alegria com sua mãe porque ela tinha amor para dar. É aí que o amor começa, como você pode ver, em casa. E eu os amo e sou muito grato pelo que recebi. Foi uma bela experiência e eu volto para a Índia – espero estar de volta na próxima semana, no dia 15 – e eu vou ser capaz de trazer o seu amor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE