Categorias
História

Javier Barraycoa: Marx deixou de ser um jovem luterano fervoroso para ser um satanista

 

Javier Barraycoa afirma que a revolução russa só pode ser explicada como um caso de possessão demoníaca coletiva

Javier Barraycoa é professor universitário, sociólogo e escritor sobre inúmeras questões políticas e históricas. Ele acaba de publicar seu último trabalho: “Isso não estava no meu livro de história da revolução russa” (Editoria Almuzara), onde ele revela o rosto oculto de uma revolução que foi elogiada por boa parte da classe intelectual do século XX e que causou milhões de mortes. O trabalho surpreenderá com sua enorme quantidade de dados e histórias que nos dão uma visão chocante do comunismo.

Como você definiria a Revolução Russa?

O arcebispo católico de Lvov definiu como um caso que “só pode ser explicado como um caso de possessão diabólica”. A Revolução Russa foi uma surpresa que ninguém esperava. Os bolcheviques eram uma minoria que não poderia ter derrubado o governo burguês de Kerensky (que havia abdicado do czar) se não tivessem o apoio financeiro do banco judeu americano. O grande intermediário foi Jacob Schiff. Após o triunfo bolchevique, estes – paradoxalmente, receberam ajuda econômica e tecnológica dos EUA. Grandes empresas como o Standard Oil dos Rockefellers adquiriram direitos de exploração do petróleo do Cáucaso. Capitalismo e comunismo se uniram muito bem.

Então, o mito da participação judaica na revolução é realidade?

Do próprio Marx, cujo nome verdadeiro era Kissel Mordekay, ele era filho de um rabino, um convertido ao luteranismo, já que os judeus não podiam estudar direito até Trotsky. No livro de Robert Wilton, Os Últimos Dias dos Romanovs, o autor fornece os nomes de 556 líderes bolcheviques de primeira ordem, dos quais 457 eram judeus. Também na República Tcheca, muitos dos líderes eram judeus. Também é verdade que tudo foi interrompido com a chegada de Stalin. Ele odiava os judeus e iniciou numerosos expurgos dessa comunidade. Ele criou a Região Autônoma Judaica de Birobidjan, na Sibéria, e manteve muitos judeus lá. Sua intenção era cometer genocídio.

Assim, encontraremos protagonistas estranhos e sombrios da Revolução Russa …

O próprio Marrx ainda é um personagem sombrio. Primeiramente, em sua juventude, ele foi um fervoroso luterano, logo passou a ser como o conhecemos uma época satanista. Devemos pensar que mais de dois terços das obras de Marx são mantidos no Instituto Marx em Moscou, sem traduzir e sem conhecer seu conteúdo. Muitos são suspeitos de serem satânicos. Um personagem assustador é Gleb Boki, um dos primeiros governantes tchecos localizados no edifício Lubianka. Ele organizou uma seção dedicada ao ocultismo e tentou controlar as forças ocultas para colocá-las a serviço da revolução. O ateísmo soviético nunca esteve em desacordo com o espiritismo e a magia. Stalin tinha bruxos e bruxas como Natalia Lvova a seu serviço. Pouco sabemos sobre ela porque, após a morte de Stalin, o serviço secreto (NKVD) tentou apagar todos os vestígios.

Então ateísmo e comunismo não estavam em desacordo com o espiritismo?

Em absoluto. No início do trabalho, coletamos os antecedentes dos primeiros “socialistas”. Muitos deles eram utópicos ingênuos que queriam reformular um “novo cristianismo”. O marxismo impôs que o comunismo era um materialismo ateísta, mas nunca poderia romper com o esoterismo e o ocultismo que permeavam numerosas seitas dos quais emergiu a primeira Liga Comunista. Uma vez que a revolução triunfou, fizeram um julgamento contra Deus. Uma Bíblia foi colocada no banco dos réus, e o promotor Lunacharski acusou Deus de todos os males da humanidade e o condenou a ser baleado. Deus foi “executado”, disparando metralhadoras no céu. O que poderia ter sido um erro, logo se tornaria uma perseguição religiosa cruel.

Apenas religioso?

Não. Os expurgos foram sistemáticos e terríveis. O próprio partido comunista, cujos quadros freqüentemente caíam da graça, estava constantemente se purgando. Quanto mais perto você chegar de altos níveis de poder, maiores serão suas chances de acabar sendo executado ou nos Gulag (campos de trabalho). Até os oficiais principais da República Tcheca foram expurgados várias vezes. O terror era um instrumento de poder e não foi acidental, mas foi teorizado como um dos elementos essenciais para alcançar os objetivos da revolução. O Exército Vermelho não foi poupado. Os números são assustadores: 3 de 5 marechais, 13 de 15 generais do exército, 8 de 9 almirantes, 50 de 57 generais do corpo de exército foram eliminados e a lista continua. Classes profissionais inteiras também foram eliminadas, por exemplo, os estatísticos. O motivo foi o censo de 1937. Stalin esperava que um censo de 180 milhões de habitantes surgisse. Mas apenas 162 milhões apareceram (milhões inteiros haviam morrido de fome e expurgos). Stalin expurgou os estatísticos e proibiu novos censos.

Havia algum remanescente de liberdade na sociedade comunista?

Após a revolução de outubro de 1917, quando os bolcheviques triunfaram sobre os mencheviques, foi feita uma Constituição que permitia quase tudo: libertação sexual, homossexualidade, anulação do casamento eclesiástico, liberdade teórica de religião, impressão, etc. Mas foi tudo uma ilusão. A perseguição religiosa foi apressada quando a Guerra Civil contra os russos brancos (czaristas) foi vencida. O nudismo e a liberdade sexual acabaram sendo banidos em pouco tempo. Lenin era uma espécie de puritano, que não o impedia de viver com sua esposa e amante sob o mesmo teto, mas viu que a Revolução estava enfraquecida pela devassidão sexual que se espalhou por toda a Rússia. A licença sexual e a facilidade do divórcio significavam que a Rússia estava cheia de milhões de crianças abandonadas. O estado comunista foi o criador dos viveiros como locais de doutrinação no início do processo educacional. Logo a “amizade” com homossexuais foi interrompida. Eles foram tratados primeiro como libertinos que foram enviados ao Gulag (campos de trabalho forçado). Sob Stalin, os doentes mentais eram considerados “curados” em clínicas psiquiátricas especiais. O mais curioso é que eles acusaram os homossexuais de serem fascistas e vice-versa. Daí a famosa frase: “vamos acabar com a homossexualidade e acabar com o fascismo”

Eles não nos dizem nada sobre isso …

Claro. A União Soviética tornou-se uma mentira sistemática. A propaganda era a única coisa real no sistema. A criação de mitos como Stakhanov, o grande super-mineiro soviético que iniciou o Stakhanovismo, foi uma fraude. Ele acabou não fazendo nada durante sua vida e morreu de álcool. A famosa foto de um soldado soviético plantando a bandeira comunista sobre o Reichstag de Berlim foi uma montagem resultante de uma sessão de fotos após dois dias de terminar a captura da capital alemã. Quando a televisão se espalhou na URSS, foi a única saída para milhões de pessoas que viviam alienadas sob o materialismo “desalojado”. Quando a publicidade na televisão era permitida, os anúncios eram criados (havia apenas uma agência de publicidade do estado) para produtos que não existiam. Assim, as pessoas estavam empolgadas por poder apreciar um dia o que viram na televisão. Para controlar os impostos sobre o consumo de tabaco, foram promovidos maços de cigarro. A publicidade sobre o fumo é espetacular, porque foi proposto o quão saudável era fumar. Mesmo anunciando o sistema de saúde, um slogan dizia que a URSS tinha “os pacientes mais saudáveis ​​do mundo”. A loucura.

E o que esse Paraíso estava escondendo da ilusão?

Toda a ilusão escondeu o terror. O Gulag foi o segundo maior sistema de repressão carcerária, o primeiro é visto na China. A vida no Gulag era simplesmente terrível. Em muitos campos da Sibéria não havia sequer necessidade de arame farpado. Ninguém ousaria entrar na tundra, pois a morte era certa. Ir ao Gulag foi praticamente uma sentença de morte por causa das condições adversas. As obras faraônicas dos canais construídos na época de Stalin são um hino à estupidez (quase todas foram mal construídas e eram inúteis para a navegação de navios profundos) e a terrível morte de trabalhadores forçados. Um caso sombrio é o da rodovia Kolimá. Existem quase 2.000 quilômetros de estrada que liga as cidades da Sibéria. Os “escravos” Gulag o construíram sob condições terríveis. Eles morreram em massa e os corpos foram enterrados no acostamento da estrada. Os ciclos de congelamento e descongelamento na Sibéria fazem com que os corpos mal enterrados subam da terra com os braços estendidos. É um espetáculo sombrio que os força a serem enterrados novamente. As margens da rodovia Kolimá estavam cheias de cadáveres que uma vez por ano emergiam do chão. Finalmente eles decidiram enterrá-los sob o asfalto. Hoje é conhecido que a cada poucos metros, sob o asfalto, haja um cadáver. 

No entanto, a pegada comunista ainda está viva na atual federação russa …

Sim. Ainda se estima que existam mais de 6.000 estátuas gigantes de Lenin na Rússia. Existe até um na Antártica. O traço de tantos anos de terror, alienação, mentiras sistemáticas, mas ao mesmo tempo de propaganda e glorificação da Mãe Rússia, criou uma sociedade muito especial. A psique coletiva russa está dividida entre rejeitar o horror do comunismo e o desejo de sentir uma potência mundial como nos dias da União Soviética. Na Rússia, a prática religiosa, ansiando pelo czarismo, hipnose do ainda onipresente Lênin, a celebração do triunfo do Exército Vermelho sobre o nazismo, o ódio ao Ocidente e sua admiração pelo capitalismo explodiram. O povo russo não pode se livrar da marca da Revolução Russa que deixou sua marca e ainda está latente.

Por Javier Navascués

Via Infocatólica | Traduzido por Templário de Maria