Jacinta, a criança santa que nos recorda o fim dos tempos

Hoje marca o centenário do nascimento de Santa Jacinta Marto no céu. A pequena vidente de Fátima recebeu uma abundância de graças de Nossa Senhora e ofereceu seus sofrimentos pela salvação das almas, intensificando os sacrifícios após a visão do inferno. Jesus e Maria “amam muito aqueles que sofrem para converter pecadores”, disse ele. Sua santidade lembra a necessidade de falar sobre os Novíssimos.

Em 20 de fevereiro de cem anos atrás, às 22h30, alguns dias antes de fazer seu décimo aniversário, a vida terrena da pequena Jacinta Marto (1910-1920), a vidente de Fátima, juntamente com seu irmão Francesco (1908-1919) e seu primo, terminou. Lucia dos Santos (1907-2005). Obrigado às memórias da Irmã Lúcia escritos em obediência aos pedidos do bispo de Leiria (Monsenhor José Alves Correia da Silva), conhecemos muitos detalhes da vida de Santa Jacinta, que dos três pastorinhos “foi, me parece, aquele a quem a Santíssima Virgem comunicava maior abundância de graças e maior conhecimento de Deus e virtude ». Assim escreveu a Irmã Lúcia, no primeiro memorial (1935), depois de se lembrar com admiração de um ato de humildade praticado por sua prima.

Portanto, no centenário de seu nascimento no céu, é útil recordar as virtudes heróicas de Jacinta, que com seu exemplo lembra o mundo e a própria Igreja da realidade das coisas últimas, os Novíssimos (morte, julgamento, inferno, paraíso), central para a mensagem deixada de Nossa Senhora a Fátima e hoje infelizmente desapareceu de muitas catequeses. Com sérios danos às almas, que acabam por não conhecer o significado da vida aqui em baixo e a batalha espiritual que ocorre aqui – e agora – em vista da eternidade.

A infância de Jacinta passou entre brincadeiras, danças, alegria e alegria, normais para aquela idade. Ao brincar com outras crianças, ela costumava ser sensível. Mas ele tinha um caráter doce. E a educação católica recebida na família tomou conta de sua alma. Um dia ele aprendeu com Lúcia, três anos mais velha que ela e à frente em doutrina, a história da Paixão de Nosso Senhor. Jacinta ficou emocionada até chorar. Várias vezes, mais tarde, ele contou novamente e disse: «Pobre Jesus! Eu não vou cometer nenhum pecado! Não quero que o Senhor sofra mais! ».

As três aparições do anjo protetor de Portugal, em 1916, prepararam o caminho para a Madona, instruindo os pastores sobre a necessidade de oferecer atos de adoração, orações e sacrifícios, em reparação pelos pecados cometidos contra a Santíssima Trindade, e em particular pelos indiferença e sacrilégios com os quais Jesus se ofende na Eucaristia. Se os três já estavam iluminados com amor eucarístico (Lucia, excepcionalmente, já havia feito a Primeira Comunhão aos seis anos de idade, e os dois primos mais novos queimavam para receber Jesus escondido), a terceira aparição do Anjo fortalecia sua predisposição. O mensageiro celeste, com os três ajoelhados, comunicou Lúcia dando-lhe “a Sagrada Hóstia, e dividiu o Sangue do cálice entre Jacinta e Francesco dizendo ao mesmo tempo:”Pegue e beba o Corpo e Sangue de Jesus Cristo, terrivelmente indignado por homens ingratos. Repara os crimes deles e consola o teu Deus ”».

Já aos seis anos de idade, Jacinta sabia que tinha sido chamada para colaborar na salvação de almas, foi introduzida ao conhecimento do valor redentor do sacrifício e, sempre junto com Francisco e Lúcia, foi confirmada mais tarde neste ensinamento desde a primeira aparição da Madona, 13 de maio de 1917. Desde então, a Santíssima Virgem disse aos três que eles iriam para o Céu, chamado Purgatório (onde estava hospedado o amigo de Lúcia), e pediu sua disponibilidade para o plano divino: «Você quer se oferecer a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele deseja enviar a você, no ato de reparação pelos pecados dos quais está ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores? ». “Sim, nós queremos”, foi a resposta.

 

Ajude a manter nosso apostolado. Clique aqui para visitar nossa Loja Virtual

 

Nesta admirável primeira catequese, Maria Santíssima, abrindo as mãos, participou das crianças com um avanço dos bens eternos que mereceriam “, comunicando-nos uma luz tão intensa, um tipo de reflexão que saiu delas e nos penetrou no peito e nos penetrou no peito. na mais íntima da alma, fazendo-nos ver em Deus, que era essa luz, mais claramente do que como nos vemos no melhor dos espelhos ». Foi a graça que os apoiaria no sofrimento.

Dois meses depois, na aparição de 13 de julho, a visão do Inferno foi seguida pelo sabor do Paraíso.. «Nossa Senhora nos mostrou um grande mar de fogo, que parecia estar no subsolo. Imersos naquele fogo, demônios e almas, como se fossem brasas transparentes e pretas ou de bronze, com forma humana flutuando no fogo, […] entre gritos e gemidos de dor e desespero […]. Os demônios foram reconhecidos pelas formas horríveis e repulsivas de animais assustadores e desconhecidos, mas transparentes e negros. Essa visão durou um momento. E graças à nossa boa Mãe do Céu, que anteriormente nos impedira com a promessa de nos levar ao Céu (na primeira aparição), caso contrário, eu teria morrido de medo e terror ». Nossa Senhora então falou com eles da vontade divina de “estabelecer devoção ao Meu Imaculado Coração no mundo. Se eles fizerem o que eu digo, muitas almas serão salvas e terão paz ».

Qual foi a realidade do Inferno, ainda mais do que os outros dois videntes, Jacinta . «Quanta compaixão sinto pelos pecadores! Se eu pudesse lhes mostrar o Inferno! », Foi uma das frases que ele disse enquanto meditava que muitos parariam de pecar se soubessem o que a eternidade espera aqueles que, até o último instante terrestre, recusam Deus. Por sua profunda pena pelos pecadores, portanto, ele intensificou as penitências e os atos de aceitação das cruzes que gradualmente se apresentaram em sua vida. Ele se tornou “insaciável na prática do sacrifício” e sempre inventou novos. Já gravemente doente, no primeiro hospital em que a levou, falando de Jesus e Maria, ela disse que “gosto muito de sofrer pelo amor deles” e acrescentou: “Eles amam muito os que sofrem para converter pecadores”.

O espírito de sacrifício de Jacinta, seu ardor pelas almas, surgiu, portanto, do conhecimento das realidades últimas – do Reino de Deus e de Satanás – certamente não da ignorância delas, que de outro modo teria impedido a manifestação de sua excelente santidade. A própria irmã Lúcia, respondendo a uma pergunta de muitos, explicou: «Como é que Jacinta, tão pequena, se deixa penetrar e compreender esse espírito de amor e penitência? Parece-me que era: primeiro, por uma graça especial que Deus, através do Imaculado Coração de Maria, queria conceder a ela; segundo, olhando o inferno e vendo o infortúnio das almas que nele caem. Algumas pessoas até piedosas não querem contar às crianças sobre o inferno para não assustá-las; mas Deus não hesitou em mostrar para três […] ».

Até Bento XVI, pensando em uma entrevista que teve com a irmã Lúcia, lembrou que “ele me disse que parecia cada vez mais claro que o objetivo de todas as aparições era fazê-lo crescer cada vez mais em fé, esperança e caridade”. As três virtudes teológicas que levaram Jacinta a ser um instrumento de salvação para inúmeras almas, fazendo-a brilhar na glória de Deus.

Traduzido de lanuovabq.it