Categorias
Vaticano

Francisco quer uma aliança global ecológica e educacional orientada para a fraternidade humana

O Papa recebeu ontem em audiência os participantes da Plenária da Congregação para a Educação Católica, a quem pediu para apoiar uma aliança mundial no campo educacional em favor de uma humanidade mais fraterna. Ele também garantiu que “uma propriedade da educação é a de ser um movimento ecológico”.

(InfoCatólica) Segundo o pontífice, “hoje mais do que nunca, é necessário unir esforços para que uma ampla aliança educacional forme pessoas maduras, capazes de superar a fragmentação e a contraposição e reconstruir o tecido das relações para uma humanidade mais fraterna “. 

Além disso, segundo ele, ” uma propriedade da educação é a de ser um  movimento ecológico ” , isto é, “a educação que a pessoa tem no centro em sua realidade integral visa levá-la ao conhecimento de si mesma, de a casa comum em que vive e, sobretudo, a descoberta da fraternidade como um relacionamento que produz a composição multicultural da humanidade , fonte de enriquecimento mútuo ».

Discurso completo do Papa Francisco

Cardeais,

Queridos irmãos no episcopado e no sacerdócio,

Queridos irmãos e irmãs:

Agradeço ao Cardeal Versaldi pelas amáveis ​​palavras de introdução e saúdo cordialmente a todos. Sua reunião na Assembléia Plenária nos deu hoje a oportunidade de reler o denso trabalho realizado nos últimos três anos e delinear os esforços futuros com o coração aberto e a esperança. O campo de competência do Dicastério o compromete a se agachar no fascinante mundo da educação, que nunca é uma ação repetitiva, mas a arte do crescimento, da maturação e, por esse motivo, nunca é igual a si mesma.

A educação é uma realidade dinâmica, é um movimento que traz as pessoas à luz. É um tipo peculiar de movimento, com características que o tornam um dinamismo de crescimento, orientado para o pleno desenvolvimento da pessoa em sua dimensão individual e social. Eu gostaria de parar em algumas de suas características típicas.

Uma propriedade da educação é a de ser um  movimento ecológico . É uma de suas forças motrizes em direção ao objetivo formativo completo. A educação que a pessoa tem no centro em sua realidade integral visa levá-la ao conhecimento de si mesma, da casa comum em que vive e, principalmente, da descoberta da fraternidade como um relacionamento que produz a composição multicultural da humanidade, fonte de enriquecimento mútuo.

Esse movimento educacional, como escrevi na própria Encíclica  Laudato , contribui para a recuperação dos «diferentes níveis de equilíbrio ecológico: o interno consigo mesmo, a solidariedade com os outros, o natural com todos os seres vivos, o espiritual com Deus» . Isso requer, é claro, educadores “capazes de repensar os itinerários pedagógicos de uma ética ecológica, para que efetivamente ajudem a crescer em solidariedade, responsabilidade e cuidado com base na compaixão” (n. 210).

Quanto ao método, a educação é um  movimento inclusivo . Uma inclusão que se aplica a todos os excluídos: pela pobreza, pela vulnerabilidade devido a guerras, fomes e desastres naturais, pela seletividade social, pelas dificuldades familiares e existenciais. Inclusão concretizada em ações educativas em favor de refugiados, vítimas de tráfico de pessoas, migrantes, sem distinção de sexo, religião ou etnia. A inclusão não é uma invenção moderna, mas parte integrante da mensagem de salvação cristã. Hoje é necessário acelerar esse movimento inclusivo de educação para interromper a cultura do descarte, cuja origem é a rejeição da fraternidade como elemento constitutivo da humanidade.

Outra característica da educação é ser um  movimento de paz , portador da paz. É harmonioso – falarei depois, mas eles estão conectados – um movimento pela paz, portador da paz. Os mesmos jovens testemunham que, com seu compromisso e sede de verdade », lembram-nos constantemente que a esperança não é uma utopia e que a paz é sempre um bem possível.» ( Discurso aos membros do Corpo Diplomático credenciado na Santa Sé, 9 de janeiro de 2020). O movimento educacional, construtor da paz, é uma força que deve ser alimentada contra a “egolatria” que gera a não-paz, as rupturas entre gerações, entre povos, entre culturas, entre populações ricas e pobres, entre masculino e feminino, entre economia e economia. ética, entre a humanidade e o meio ambiente (cf. CONGREGAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO CATÓLICA,  Pacto Global para a Educação.  Instrumentum laboris,  2020). Essas fraturas e contraposições, que tornam os relacionamentos doentes, escondem o medo da diversidade e da diferença. Portanto, a educação é chamada com sua força de manutenção da paz para treinar pessoas capazes de entender que a diversidade não prejudica a unidade, mas é indispensável para a riqueza de sua própria identidade e a de todos.

Outro elemento típico da educação é o de ser um  movimento de equipe . Nunca é a ação de uma única pessoa ou instituição. A Declaração Conciliar  Gravissimum educationis  afirma que a escola «constitui um centro cuja laboriosa e beneficia famílias, professores, as várias associações que promovem a vida cultural, cívica e religiosa, a sociedade civil e todos devem participar ao mesmo tempo. a comunidade humana ”(n. 5). Por seu lado, a Constituição Apostólica  Ex corde Ecclesiae, que este ano celebra o trigésimo aniversário de sua promulgação, afirma que “a Universidade Católica persegue seus próprios objetivos também através do esforço de formar uma comunidade genuinamente humana, animada pelo espírito de Cristo” (n. 21). Mas toda universidade é chamada a ser uma “comunidade de estudo, pesquisa e formação” (Constituição Apostólica  Veritatis gaudium  art. 11 § 1).

Esse movimento de equipe há muito tempo está em crise por várias razões. Por isso, senti a necessidade de promover o dia do pacto global de educação em 14 de maio  confiando a organização à Congregação para a Educação Católica. É um apelo a todos aqueles que têm responsabilidades políticas, administrativas, religiosas e educacionais para reconstruir o “povo da educação”. O objetivo de estar juntos não é desenvolver programas, mas encontrar o passo comum para reavivar o compromisso para e com as jovens gerações, renovando a paixão por uma educação mais aberta e inclusiva, capaz de ouvir pacientes, dialogar construtivamente e dialogar mutuamente. compreensão O pacto educacional não deve ser um arranjo simples, não deve ser um “recozimento” dos positivismos que recebemos de uma educação esclarecida. Deve ser revolucionário.

Hoje, mais do que nunca, é necessário unir forças para que uma   ampla aliança educacional forme pessoas maduras, capazes de superar a fragmentação e a contraposição e reconstruir o tecido dos relacionamentos para uma humanidade mais fraterna. “Para alcançar esses objetivos, é preciso coragem:« A coragem de colocar a pessoa no centro […]. A coragem de investir as melhores energias […] A coragem de treinar as pessoas disponíveis que se colocam ao serviço da comunidade »( Mensagem para o lançamento do Pacto Educacional , 12 de setembro de 2019). A coragem de pagar bem aos educadores.

Também vejo na constituição de um pacto educacional global a facilitação do crescimento de uma aliança interdisciplinar e transdisciplinar, que a recente Constituição Apostólica  Veritatis gaudium  indicou para estudos eclesiásticos como “o princípio vital e intelectual da unidade do conhecimento na diversidade e na diversidade”. no que diz respeito às suas múltiplas expressões relacionadas e convergentes ”[…] também em relação ao panorama atual fragmentado e raramente desintegrado dos estudos universitários e ao pluralismo ambíguo, conflituoso ou relativista de convicções e opções culturais »( Proemio , 4 c).

Nesse amplo horizonte de formação, desejo que você continue se beneficiando com a realização do programa para os próximos anos, em particular na elaboração de um Diretório, na constituição de um Observatório Mundial, bem como na qualificação e atualização de estudos eclesiásticos. e em um pedido maior do ministério universitário como instrumento da nova evangelização. São todos os esforços que podem contribuir efetivamente para consolidar a aliança, no sentido em que a Palavra de Deus nos ensina: «A aliança entre Deus e os homens, a aliança entre gerações, a aliança entre povos e culturas, a aliança – na escola – entre professores e alunos, o pacto entre homem, animais, plantas e até as realidades inanimadas que tornam nossa casa comum bonita e diversificada. Tudo está relacionado a tudo, tudo é criado para ser um ícone vivo de Deus que é a Trindade do Amor! » (Discurso à Comunidade Acadêmica do Instituto Universitário Sofía de Loppiano , 14 de novembro de 2019).

Queridos irmãos e irmãs, agradeço o trabalho que vocês fazem com dedicação todos os dias. Clamo a você os dons do Espírito Santo para dar-lhe força em seu ministério delicado em favor da educação. E peço-lhe, por favor, que ore por mim. Obrigado.

Traduzido de InfoCatolica