Categorias
Vaticano

Elton John critica a “hipocrisia” do Vaticano sobre uniões gays

 

Muitos não ficaram sabendo, mas o filme “Rocketman”, que conta a trajetória do cantor gay britânico Elton John, foi apoiado financeiramente pelo Vaticano. Pois bem, ontem o cantor questionou a Santa Sé.

Pela manhã , o Vaticano publicou a resposta da Congregação que defende a doutrina, a da Doutrina da Fé, à questão de se a Igreja poderia abençoar casais do mesmo sexo. Obviamente, e como poderia ser diferente, a resposta foi negativa.

A Igreja “não abençoa e não pode abençoar o pecado: abençoa o homem pecador, para que se reconheça como parte do seu projeto de amor e se deixe transformar por ele”. A Igreja “não tem, nem pode ter, o poder de abençoar as uniões de pessoas do mesmo sexo no sentido indicado acima”, diz a carta publicada ontem.

Esse documento caiu como um balde de água fria sobre o progressismo em geral. Contudo não passou despercebido e virou manchete na maioria dos jornais.

Diante da repercussão o cantor gay, Elton John, fez um questionamento legítimo em sua conta no Twitter, mencionando a mídia do Vaticano e o Papa Francisco:

“Como o Vaticano pode se recusar a abençoar os casamentos gays porque eles ‘são pecado’, e ainda assim lucrar com o investimento de milhões em ‘Rocketman’, um filme que celebra minha descoberta da felicidade em meu casamento com David? Hipocrisia”

A resposta é simples, Elton; o Vaticano cometeu um erro: investir no seu filme. A questão de não abençoar casais gays não pode mudar, nunca. 

«O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão».

Leia também
Vaticano: A Igreja Católica não pode dar bênçãos às uniões homossexuais

O Vaticano realmente investiu “milhões” no filme? Sim e não.

O Secretário de Estado investiu dezenas de milhões de euros do Vaticano num fundo de investimento que, por sua vez, investiu em vários filmes de Hollywood, incluindo “Rocketman”, no qual teria investido um milhão de euros.

Mas, acredite ou não, esse filme pode ser o menos polêmico nesse contexto.

The Centurion Global Fund

O Secretário de Estado investiu dezenas de milhões no Centurion Global Fund. Não se sabe exatamente quanto, mas o fundo administra um total de 70 milhões de euros e foi relatado que pelo menos dois terços desse dinheiro veio do Vaticano, incluindo dinheiro do Obolus de São Pedro, a arrecadação mundial anual para apoiar o ministério do Papa.

Segundo o gestor do fundo, Enrico Crasso, em dezembro de 2019, o Papa Francisco ordenou a liquidação do fundo após reportagens na mídia sobre seus investimentos.

O fundo investiu em vários filmes de Hollywood, incluindo “Rocketman” e “Men in Black International”. Embora esses investimentos possam ter valido a pena, o próprio fundo tem um histórico irregular de retornos.

No ano em que foi examinado pela primeira vez, 2018, o Centurion Global Fund registrou uma perda de 4,6%.

O fundo tem vínculos com várias instituições financeiras vinculadas a alegações de lavagem de dinheiro.

Vários relatórios estabeleceram que todos os investimentos do fundo foram feitos por meio de um pequeno banco suíço em Lugano, o Banca Zarattini. Em 2018, os promotores dos EUA nomearam esse banco em acusações durante um caso de lavagem de dinheiro de US $ 1 bilhão envolvendo a empresa petrolífera nacional venezuelana PDVSA e Nicolás Maduro. Os fundos mantidos no banco foram identificados para possível apreensão.

Outros relatórios também estabeleceram que o fundo Centurion compartilhava um endereço registrado em Malta com seu gerente de investimentos, Gamma Capital. O Gamma foi fundado por Enzo Filippini, ex-diretor de outro banco suíço, o BSI.

O BSI foi a fonte de milhões de euros em empréstimos concedidos ao Secretário de Estado usados ​​para financiar vários investimentos, incluindo a operação imobiliária de Londres, e esses empréstimos foram mantidos fora dos livros dos inspetores financeiros do Vaticano durante o tempo em que o Cardeal Pell foi responsável pelo Ministério da Economia.

Em 2016, o BSI foi encerrado pelas autoridades bancárias suíças, após uma inspeção ter constatado “violações graves dos requisitos legais de devida diligência em relação ao branqueamento de capitais e violações graves dos princípios de gestão de risco adequada e organização adequada.»

Em 2019, a assessoria de imprensa da Santa Sé confirmou que o Centurion Global fund estava sendo investigado pelas autoridades financeiras do Vaticano que estavam seguindo “linhas de investigação que podem ajudar a esclarecer a posição da Santa Sé em relação aos mencionados fundos e quaisquer outros estão atualmente sendo examinados pelo judiciário do Vaticano, em colaboração com as autoridades competentes. “

Enrico Crasso

O documento de apresentação do Centurion Global Fund lista uma empresa chamada Sogenel como consultora de investimentos do fundo. A Sogenel é a empresa de Enrico Crasso, o ex-banqueiro do Credit Suisse que durante anos atuou como assessor financeiro do Secretário de Estado.

Foi Crasso quem apresentou o Vaticano a Raffaele Mincione, o empresário que veio vender o prédio de Londres, e a Gianluigi Tozi, que atuou como intermediário na venda final e mais tarde foi preso por lavagem de dinheiro e extorsão.

Crasso esteve presente numa reunião com Torzi num hotel romano em 2018, durante a fase final da venda do edifício londrino, altura em que Torzi teria extorquido dinheiro ao Vaticano para obter o controlo da holding proprietária do edifício.

De acordo com uma gravação do encontro, Torzi pode ser ouvido solicitando um investimento de milhões de euros em fundos do Vaticano em um título que ele teve que vender para cumprir um acordo legal com uma seguradora italiana.

Em outubro de 2020, um tribunal suíço concedeu aos investigadores do Vaticano acesso total à documentação bancária relacionada ao Crasso, incluindo aquela mantida por Az Swiss & Partners, dono da empresa Sogenel de Crasso, que administrava o fundo Centurion.

O tribunal decidiu que “quando as autoridades estrangeiras solicitam informações para reconstruir os fluxos de ativos criminosos, considera-se geralmente que precisam de toda a documentação relacionada, a fim de esclarecer quais pessoas ou entidades jurídicas estão envolvidas.”

Crasso defendeu sua gestão dos investimentos do Vaticano, insistindo que a Centurion era uma empresa lucrativa. Fez declarações públicas a este respeito juntamente com o Cardeal Angelo Becciu, quando foi suplente no Secretário de Estado até junho de 2018 e tinha a supervisão da gestão financeira do departamento.

O Papa Francisco ordenou que Becciu renunciasse ao cargo de prefeito da Congregação para as Causas dos Santos e aos seus direitos como cardeal, em setembro do ano passado, depois que o Papa recebeu um dossiê com denúncias de má conduta financeira por parte de Becciu.

Após a sua demissão forçada, Becciu disse que, embora tivesse autorizado os investimentos geridos pela Crasso, desconhecia os detalhes e “não é que [Crasso] me tenha explicado as ramificações de todos esses investimentos”.

Crasso respondeu que “Centurión era conhecido na Secretaria [de Estado]” e que Becciu e outras autoridades “sabiam muito bem” quais os investimentos que estavam sendo feitos. Crasso também disse que funcionários da secretaria às vezes sugeriam investimentos específicos a ele.

Em dezembro de 2020, o Papa destituiu o Secretário de Estado de sua carteira financeira e ordenou que o departamento entregasse o controle de todas as contas bancárias e investimentos à APSA. A lei promulgada pelo Papa que introduziu esta mudança continha uma menção específica a várias práticas financeiras ligadas aos escândalos recentes.