Categorias
Notícias

Dom Antônio Keller aos padres: “Estejamos junto com o povo, sacrificando a nossa vida pelos nossos irmãos”

Dom Antonio Carlos Rossi Keller, bispo de Frederico Westphalen, publicou uma nota pastoral frente à questão do chamado “corona vírus” na qual convida a todos do clero a viverem este momento com responsabilidade, e determinou aos padres que não abandonem seus postos, para que juntos estejam juntos com o povo que o Senhor os confiou, mesmo nos momentos difíceis, sacrificando suas vidas pelos irmãos.

Leia esta a nota na íntegra:

DOM ANTONIO CARLOS ROSSI KELLER
PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA
BISPO DE FREDERICO WESTPHALEN (RS)

Nota Pastoral frente à questão do chamado “corona vírus” (Covid-19).

Amados filhos da Diocese de Frederico Westphalen.
Frente à situação criada com o surgimento e a propagação do chamado “corona vírus” (Covid-19), determino, para toda a nossa amada Diocese as seguintes medidas:

1. A Igreja Diocesana se faz próxima e servidora de cada pessoa, compartilhando a preocupação de todos em relação à emergência sanitária que afeta o mundo inteiro.

2. Determino aos Reverendíssimos senhores párocos, reitores e responsáveis pelas realidades pastorais da Diocese que cuidem de aplicar responsavelmente as normas determinadas pelas competentes autoridades sanitárias, para que colaboremos de forma cabal em evitar, na medida do possível, a maior extensão da epidemia.

3. A Diocese de Frederico Westphalen se dispõe a levar a efeito tudo o que as competentes autoridades determinarem, no que se refere à organização, à realização e, se necessário, à suspensão de eventos e encontros.

4. Finalmente, é preciso que encaremos esta preocupante situação com um olhar sobrenatural, fundamentados na fé. Não percamos de vista que estes momentos de crise devem servir-nos para um crescimento espiritual, especialmente no que diz respeito à confiança que devemos ter na Providência divina.

5. Portanto, para o bem físico e espiritual de nossos fiéis, determino que:

a. Todos os sacerdotes mantenham-se em seus postos, mesmo que, eventualmente, possa ocorrer uma maior gravidade de situação em alguns Municípios da Diocese. Como bons pastores, estejamos junto com o povo que o Senhor nos confiou, mesmo nos momentos difíceis, sacrificando a nossa vida pelo bem de nossos irmãos;

b. O bispo diocesano estará sempre à disposição para qualquer solicitação proveniente das Paróquias da Diocese, em qualquer situação ou necessidade;

c. Nossas Igrejas permaneçam abertas, segundo os costumes desta Diocese, mantendo sempre que possível as atividades normais. Só mudaremos este quadro de normalidade se, onde e quando for necessário, por razões de risco real de contaminação, sob a orientação das autoridades sanitárias;

d. Sejam retirados os recipientes de água benta existentes nas entradas das Igrejas;

e. Não se realize durante a Celebração da Sagrada Eucaristia, o Rito da saudação da Paz;

f. Todos os nossos fiéis, nesta momento difícil tem o direito de receber as atenções pastorais da Igreja. Portanto, não sejam suprimidas as confissões individuais nem a visita aos enfermos, para a administração do Sacramento da Unção dos Enfermos e da Sagrada Eucaristia. Cuidem de que sejam usados os meios profiláticos indicados (máscaras para os enfermos, álcool gel etc.).

g. Nas Igrejas, sejam disponibilizados para o povo os recipientes com álcool gel. Nas Santas Missas, imediatamente antes da distribuição da Sagrada Comunhão, o sacerdote, os diáconos e os MECES higienizem as mãos com o álcool gel. Cuidem de distribuir a Sagrada Eucaristia, como prevê o direito litúrgico, segundo o desejo dos fiéis (na mão ou na boca), sem tocar em quem recebe a Sagrada Comunhão;

h. Durante este período, os sacerdotes, sempre que liturgicamente possível, celebrem a Santa Missa usando o Formulário do Missal Romano “Em tempo de guerra ou calamidade”, elevando ao Senhor preces e súplicas para que Ele abrevie estes tempos difíceis pelos quais estamos passando;

i. Também durante este período, sejam realizadas as Procissões penitenciais, previstas para estes momentos, seguindo o Rito em anexo a esta Nota Pastoral. Tais procissões devem nos ajudar a entender a necessidade de penitenciarmo-nos por nossos pecados e pelos de toda a humanidade, muitas vezes sendo eles os causadores das desgraças que se abatem sobre o mundo. Tais procissões podem ser precedidas do Rito da imposição das cinzas e usando-se cantos penitenciais intercalados com os salmos;

j. Em caso de risco por questões de aglomerações de fiéis, não se suprimam as Santas Missas, mas ao contrário, que elas sejam multiplicadas, para que não falte, nestes momentos difíceis, o alento da Palavra de Deus e o alimento dos fracos e dos enfermos, que é a Santíssima Eucaristia.

k. Procure-se transmitir, também através das redes sociais, as Santas Missas Dominicais e mesmo as Missas diárias, para que, os enfermos que não possam movimentar-se para participar delas nas Igrejas, possam ter o consolo de assisti-las pelas redes sociais;
l. Nas Celebrações Litúrgicas que se elevem preces e súplicas pela saúde de todos, e especialmente pelos afetados por esta epidemia.

A partir de novas indicações das autoridades sanitárias, outras medidas poderão ser tomadas. Penso que, no momento, estas medidas são suficientes.

Finalmente, quero alentar a todos para que não deixemos de elevar ao Senhor da vida, preces e súplicas pela saúde pública, pela recuperação dos contaminados e pelo descanso eterno dos que morreram.

Frederico Westphalen, 13 de março de 2020.

+ Antonio Carlos Rossi Keller
Bispo de Frederico Westphalen