Categorias
Mundo

Disney anuncia força-tarefa para criar mais conteúdo LGBTQ para crianças

A Disney tem enfrentado reações internas e externas pelo CEO Bob Chapek por não fazer o suficiente para combater o projeto de lei de Direitos dos Pais na Educação da Flórida, que impede os educadores de discutir identidade de gênero ou orientação sexual com alunos da terceira série ou abaixo.

Na segunda-feira, Chapek contou aos funcionários sobre o plano da empresa para a força-tarefa.

“Sabemos que o momento requer urgência – e as palavras não são suficientes”, disse Chapek, de acordo com uma gravação de suas observações obtidas pela Reuters. “Então, estamos tomando algumas ações agora.”

De acordo com a Reuters, “a empresa disse que a força-tarefa pedirá a ajuda de especialistas para desenvolver um plano concreto para garantir que a Disney seja ‘uma força para o bem’ para as comunidades LGBTQ+, especialmente crianças e familiares.”

O relatório afirma que a força-tarefa será liderada por Paul Roeder, vice-presidente sênior de comunicações dos Estúdios, e Lisa Becket, vice-presidente sênior de marketing global da Disney Parks, Experiences and Products.

A Disney também prometeu suspender as contribuições políticas na Flórida por enquanto e doar para a campanha de direitos humanos contra a legislação do Texas que considera o tratamento transgênero para crianças como abuso infantil.

Leia também
Papa Bento XVI diz que aborto e casamento gay são obra do anticristo

Apesar dos esforços da empresa, uma saída de alguns funcionários da Disney Parks está programada para acontecer na terça-feira.

A Pixar, uma subsidiária da Disney, também reintegrou uma cena de beijo do mesmo sexo em seu próximo filme Lightyear, uma prequela de Toy Story, em meio à indignação.

A relação entre pessoas do mesmo sexo tinha sido mantida na história, mas o beijo não seria incluído no lançamento real.

Em 9 de março, de acordo com uma reportagem da Variety, funcionários da Disney enviaram uma carta afirmando que “os executivos da Disney haviam ativamente censurado ‘afeto abertamente gay’ em seus longas-metragens”, que são feitos para crianças — e expressaram descontentamento de que o CEO Bob Chapek não fez mais para se opor à legislação da Flórida.

Leia também
Movimento LGBT declara que tem como objetivo destruir a Família

“Nós da Pixar testemunhamos pessoalmente belas histórias, cheias de personagens diversos, voltando de críticas corporativas da Disney raspadas em migalhas do que antes eram. Quase todos os momentos de afeto abertamente gay são cortados a mando da Disney, independentemente de quando há protesto tanto das equipes criativas quanto da liderança executiva da Pixar”, escreveram.

“Quase todos os momentos de afeto abertamente gay são cortados por ordem da Disney, independentemente de quando há protestos tanto das equipes criativas quanto da liderança executiva da Pixar”, disse o comunicado. “Mesmo que a criação de conteúdo LGBTQIA+ fosse a resposta para corrigir a legislação discriminatória no mundo, estamos sendo impedidos de criá-lo.”

A carta não chamava especificamente Lightyear, mas o beijo foi restabelecido após a indignação.

Fonte: Traduzido de timcast.com

Leia também
PODE UMA PESSOA COM TENDÊNCIAS HOMOSSEXUAIS SER UM BOM CATÓLICO?

Disney volta atrás e libera beijo gay na animação Buzz Lightyear

A decisão de manter a cena do filme da Pixar partiu do CEO da Disney, Bob Chapek

O filme de animação Buzz Lightyear, da Disney e produzido pela Pixar, deve estrear só em junho, mas já causou polêmica devido a uma cena de beijo homossexual ter sido removida do longa. Agora, segundo o site americano GameRant, o momento foi restaurado.

A animação da Disney é estrelada por Chris Evans (Capitão América: O Primeiro Vingador), que faz o vigilante espacial Buzz Lightyear, versão humana que deu origem ao brinquedo que faz sucesso nos longas da série Toy Story. Na nova produção da Pixar, uma personagem feminina aparece em um relacionamento com outra mulher. O estúdio originalmente planejou uma cena em que Hawthorne, a personagem em questão (interpretado por Uzo Aduba), beija sua parceira, informa o GameRant, mas o estúdio fundado por Walt Disney, supostamente, pediu para retirar a cena.

Em comunicado reproduzido no Twitter, o CEO da Disney, Bob Chapek, devido à controversa lei “Don’t Say Gay” (Não Diga Gay, em tradução livre) do estado da Flórida (EUA), que inibe as discussões sobre temas LGTBQI+ em escolas infantis, exigiu a restauração do momento do beijo na versão final do filme. Reações dos funcionários da Pixar também parece ter desempenhado um papel importante nessa atitude, de acordo com o site americano. Eles chamaram a atenção para décadas de supressão de “afetos abertamente gays” nas animações da Disney, apesar de muitos tentarem emplacar conteúdos inclusivos.

O novo filme em computação gráfica contará a história épica de Buzz Lightyear, o jovem piloto humano que se tornou um cadete espacial e inspirou uma linha exclusiva de brinquedos. Os fãs de Toy Story poderão ver os lugares e personagens que inspiraram a nave de Buzz e o vilão Zurg.

A direção do filme está a cargo de Angus MacLane, que codirigiu Procurando Dory e participou de sucessos da Pixar como WALL-E a Ratatouille. A aventura, no entanto, foi escrita por Pete Docter, a mente por trás de Up, Divertida Mente e Soul.