Categorias
Sacramento da Comunhão

Comunhão na mão: quando o abuso é imposto pela falta de fé

Vivemos atualmente uma das situações mais paradoxais (e trágicas) que revelam a evidente falta de fé na Eucaristia: a imposição prática da comunhão recebida na mão com a desculpa do medo do contágio. Um temor objetivamente injustificado, já que não há raciocínio científico comprovado que sustente esta medida arbitrária que, em forma de “conselho”, deu um toque definitivo à devoção eucarística em um nível quase universal. Deixando de lado a questão científica (que apenas cito de forma adjacente), focalizo neste artigo a falta de fé no que é e deve ser o centro e a raiz de nossa doutrina: a presença real de Cristo na Eucaristia. A título de introdução, refiro-me ao seguinte documento magisterial em vigor hoje:

A Instrução Redemptionis Sacramentum, da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (ano 2004) afirma o seguinte:

[92.] Embora cada fiel tenha sempre o direito de escolher se deseja receber a Sagrada Comunhão na boca, se quem vai receber a Comunhão deseja receber o Sacramento em suas mãos, nos locais onde se realiza a Conferência dos Bispos o permitiu, com a confirmação da Sé Apostólica, a hóstia sagrada deve ser administrada. No entanto, tome especial cuidado para que o comunicante consuma a hóstia imediatamente, na frente do ministro, e ninguém saia com as espécies eucarísticas nas mãos. Se houver perigo de profanação, não distribua a Comunhão em mãos aos fiéis.

[93.] A bandeja da Comunhão dos Fiéis deve ser guardada, para evitar o perigo de queda da hóstia sagrada ou de qualquer fragmento.

[94.] Não é permitido aos fiéis tomarem a hóstia consagrada ou o cálice sagrado «por si próprios, muito menos passá-los de mão em mão». Além disso, a este respeito, deve ser suprimido o abuso que os cônjuges, na Missa nupcial, administram reciprocamente a Sagrada Comunhão.

Ou seja: é reconhecido o direito de cada fiel de receber a comunhão na boca. Nenhum bispo pode obrigar a recebê-lo em mãos; se puder, como de fato muitos fazem, aconselhe-o a fazê-lo. Mas um conselho nunca pode estar acima do magistério. O mesmo código de direito canônico no cânon 843 reconhece o direito do fiel de receber os sacramentos com a condição de estar na Graça de Deus e não estar sujeito à pena canônica.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No entanto, a realidade cotidiana nos oferece um espetáculo paradoxal onde:

1: Em muitos templos, os fiéis são informados de que devem receber a comunhão nas mãos de maneira obrigatória. Não com base em nenhuma norma canônica, mas em uma espécie de “artigo 33” tirado da manga de quem o impõe.

2: Da mesma forma, quando um fiel, valendo-se do seu direito, abre a boca perante o ministro para receber a comunhão, recebe deste último a insolente admoestação (e humilhação pública) para pôr a mão ou mesmo parar de receber a comunhão.

3: O paradoxo de toda essa tragédia é que se refere à “obediência” à autoridade para fazer algo que é estranho à lei da qual esse poder é assumido. E é tachado de “desobediente” quem simplesmente não quer se submeter a abusos clericais por algo que, para piorar as coisas, sempre foi desencorajado e até proibido pela Igreja.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Deve-se notar, na justiça, que depois de mais de UM ANO celebrar a Santa Missa diariamente nas comunidades católicas tradicionalistas (como a FSSPX, ICR … etc), bem como nas paróquias onde o direito dos fiéis de comungar em boca (e o direito DIVINO de ser bem recebido), a incidência de COVID entre esses fiéis tem sido ZERO. A mídia, em sua campanha permanente de ódio contra a verdadeira Igreja, não teve a oportunidade de fazer eco a um contágio massivo motivado por receber a Comunhão na boca. Um único caso no mundo teria bastado para, como lobos famintos, os cães da imprensa teriam lançado sua campanha letal.

Penso que este abuso clerical (com a desculpa dos cobiçosos e a real intenção de deixar esta forma protestantizada de comunhão já imposta) já está suficientemente denunciado nas redes através de páginas de defesa da tradição católica. Por isso, neste artigo, quero aludir ao que talvez esteja mais escondido em toda esta loucura: a falta de fé na Eucaristia. Não afirmo que quem recebe a comunhão nas mãos carece de fé; Pelo contrário, essa fé está em profundo declínio para convergir com a “fé” protestante que apresenta a Eucaristia como um símbolo fraterno e / ou uma refeição que é compartilhada sem levar em conta essa presença real (não é um sinal ou símbolo) no corpo , sangue, alma e divindade.

Dou como exemplo a atitude, quase a maioria, dos fiéis que se submetem ao abuso clerical e se submetem sem dar nenhuma importância em seu interior e priorizam a obediência ao superior (que neste caso o que ele dá é apenas “conselho” porque ele não pode dar uma ordem contrária ao mesmo direito canônico). Fiéis que pertencem aos chamados “novos movimentos leigos” que surgiram no espírito do Vaticano II, bem formados e com profunda vida interior e claro compromisso apostólico. Fiéis que se esforçam para viver a moralidade cristã e têm uma forte vida de oração. Porém, fiéis que na hora de receber a comunhão, tendo sempre feito na boca e até de joelhos, estendem hoje a mão para receber Cristo pelo simples fato de que “o bispo assim o aconselha”, “melhor seguir o conselho do que chamar a atenção ”,“ é melhor obedecer ao conselho do que montar pequenas batalhas ”… .etc.

Com estes argumentos se mostra o novo paradoxo interno da Igreja que leva ao abandono da máxima reconhecida em Santo Tomás de Aquino sobre o limite da obediência, quando o ordenado é contrário a uma consciência bem formada na fé em Cristo. O conceito católico de obediência (obedecer a Deus em vez dos homens) é substituído pelo imperativo categórico de Kant (obediência devida ao superior sem qualquer limite), ao mesmo tempo que prioriza a instituição a que se pertence (o movimento leigo), elevando essa prioridade de um voluntarismo radical esvaziado de fervor: você encontra católicos da Missa diária que tomam a Comunhão nas mãos por “obediência”, mas sem dar razões para essa obediência. Junto com o exposto, fica evidente a atitude covarde e egoísta dos fiéis católicos que, por um temor (fundado ou infundado) priorizam sua saúde física pessoal à infâmia de colocar o corpo de Cristo aos pés de quem pisa as partículas sagradas que caem no chão, ou ficam presas nas luvas molhadas com sabão viscoso e vão parar no lixo … etc. Assim, maior importância e cuidado são dados à saúde pessoal do que ofender Sua Divina Majestade. Tremendo !!!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Portanto, recuperemos a fé na presença real de Cristo na Eucaristia. Defendemos o direito de receber a comunhão como a própria Igreja expressa em seus atuais documentos magisteriais. Não nos deixemos enganar por um falso conceito de obediência que, paradoxalmente, imposto por aqueles que, durante meio século, quiseram acabar com a verdadeira obediência ao depósito da fé, ao dogma, à moral cristã objetiva e natural. Devemos receber a comunhão, antes de tudo, na Graça de Deus; e, estando na graça, podemos receber Cristo na boca e ajoelhar-nos diante de sua presença divina. E NINGUÉM NINGUÉM tem o direito de o impedir.

E, acima de tudo e acima de tudo: digamos em alto e bom som que, de uma consciência formada, sabemos que comunicar na mão NÃO agrada a Deus, porque não recebemos a comunhão conforme aconselhado por quem quer que seja … E PONTO.


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE