Categorias
Céu, Inferno e Purgatório

Como será o Inferno? – por Santo Afonso Maria de Ligório

“E vi um grande trono branco e um sentado sobre ele, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. E eu vi os mortos, grandes e pequenos, em pé na presença do trono, e os livros foram abertos, que é o livro da vida; e os mortos foram julgados por aquelas coisas que estavam escritas nos livros, de acordo com suas obras… E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado na piscina de fogo” — Ap 20, 11-12.15

I. Como será o inferno?

Embora muitos dos pagãos fossem ateus verdadeiros, considerando o Inferno uma fábula inventada para assustar os ímpios, os mais renomados dos antigos filósofos como Sócrates, Xenofonte, Aristóteles, Platão e outros não tiveram dificuldade em admitir a existência de uma vida futura – um paraíso onde os bons serão recompensados e um inferno onde os maus serão punidos. Somente o mais pervertido dos homens negará que existe um Deus, o Criador e Governador de todas as coisas. Esses homens preferem negar a existência de Deus do que enfrentar o justo castigo de seus próprios erros.

II. Esperamos recompensa ou punição

Por um lado, os homens sabem perfeitamente bem que Deus e um justo recompensador do bem e, ao mesmo tempo, veem no mundo inúmeros homens ímpios que vivem em meio a prosperidade, enquanto muitos dos virtuosos vivem suas vidas no no meio da aflição e do infortúnio. Consequentemente, a maioria das pessoas está convencida de que, após esta vida mortal, existe outro mundo no qual o vício deve ser castigado e a virtude recompensada como merece.

III. Ensino de Filósofos Pagãos

O mais famoso dos filósofos pagãos não hesitou em ensinar que existe na outra vida um Céu e um Inferno. Xenofonte e Sócrates, por exemplo, observaram que:

“Há recompensas para aqueles que agradam a Deus e punições para aqueles que O desagradam”

Os mesmos sentimentos são expressos por Platão, Plutarco e outros. Embora me abstenha de citar passagens desses filósofos, não posso ignorar duas belas passagens do grande orador Cícero. No primeiro, ele exclama:

“Não desejo ter parte com aqueles que recentemente começaram a ensinar que as almas morrem junto com os corpos e que tudo é destruído pela morte. De muito mais peso para mim é a autoridade dos antigos filósofos e de nossos próprios ancestrais. Eles prestavam homenagem religiosa aos mortos e consideravam que sua entrada no Céu deveria ser facilitada para todo homem bom e justo”

A segunda passagem é ainda mais objetiva:

“Essas almas, que foram manchadas pelos vícios desta vida, seguirão o caminho falso que as separa da companhia dos deuses; por outro lado, aqueles que se preservaram puros e castos, encontrarão fácil acesso a divindade, a fonte de sua existência”

IV. Crença dos Pagãos

Entre as fábulas dos povos pagãos, inúmeros são os contos que, embora fictícios, atestam a crença dessas pessoas na existência de um lugar de punição na vida futura. Para nós, cristãos, no entanto, essa crença dos antigos pagãos e de seus filósofos e apenas um argumento que a fundamenta. Pois temos a palavra do próprio Deus, atestando a existência do Inferno em inúmeras passagens da Sagrada Escritura.

V. Onde está localizado o inferno?

A questão do lugar onde o Inferno esta situado tem sido uma questão de conjectura entre os Padres da Igreja e teólogos. São João Crisóstomo, por exemplo, era da opinião de que se situava fora dos limites deste universo. Mais comumente e com mais razão, outros teólogos pensam que o Inferno esta situado dentro da própria terra. Alguns chegaram mesmo a declarar que esta perto da superfície do globo, baseando sua opinião, de forma bastante estranha, na existência de muitas montanhas vulcânicas como o Vesúvio, as Ilhas Vulcânicas, MT. Etna e outros.

VI. Ensino católico

Além dessas opiniões discutíveis, um grupo de hereges conhecidos como Ubiquitistas afirmava que o Inferno não se restringe a nenhum lugar determinado, mas pode ser encontrado em toda parte, já que Deus não destinou nenhum lugar especial para os condenados. Esta opinião, entretanto, e evidentemente falsa e contrária à crença comum da Igreja Católica que nos ensina que Deus estabeleceu um lugar definido para os demônios e os réprobos, como é evidente em vários textos da Sagrada Escritura. São Jerônimo deduz isso especificamente de uma passagem no livro de Números ( Nm 16,31-33). Aqui é descrito o destino de Data e Abíron que foram precipitados no Inferno, caindo em um abismo que se abriu sob seus próprios pês. Ao mesmo tempo, uma grande chama irrompeu da terra e matou duzentos e cinquenta homens que foram cúmplices de seus pecados. Além disso, em muitas passagens da Sagrada Escritura, a palavra “descer” é usada em referência ao Inferno, indicando que o Inferno esta situado nas entranhas da terra.

VII. O inferno é um lugar definido

Esta afirmação é confirmada por uma passagem de São Lucas (16,22):

“Mas o rico também morreu e foi sepultado no inferno”

O texto sagrado emprega a palavra “enterrado”, porque os enterros são feitos dentro da terra. Além disso, o próprio homem rico descreve o Inferno como um “lugar de tormento” (Lc 16,28), confirmando a opinião de que o Inferno é um lugar determinado e definido. Em outro lugar, é chamado de “lago”:

“Tu me salvaste daqueles que descem ao lago” (Sl 29, 3)

E em outro lugar, uma piscina:

“E o diabo que os enganava foi lançado na piscina de fogo e enxofre” (Ap 20,9)

É evidente, portanto, que o Inferno é um lugar determinado, e muito provavelmente situado dentro da terra. Mas onde, precisamente, ele esta situado, seja no centro da terra ou mais perto da superfície, não pode ser determinado a partir de qualquer documento revelado. Santo Tomás também declarou que as dimensões do Inferno, que será a morada dos condenados após a ressurreição, não podem ser determinadas.

VIII. Dores do Inferno

Tratemos agora das dores do Inferno e, em primeiro lugar, das dores dos sentidos. Santo Tomás prova que o fogo do Inferno é um fogo corpóreo e material, embora na maior parte não escreva sobre o fogo que atormenta as almas separadas de seus corpos, mas sobre o que os condenados devem suportar após sua ressurreição corpórea. Muitos hereges afirmam que o fogo do Inferno não é material, mas apenas fogo metafórico ou imaginário. Existem numerosos textos na Sagrada Escritura, no entanto, que demonstram que o fogo do Inferno é um fogo verdadeiro, material e corpóreo. Lemos, por exemplo, no livro de Deuteronômio:

“Na minha ira se acendeu um fogo e ardera até o mais profundo do inferno” ( Dt 32,22)

E no livro de Jó: “Um fogo que não se acende o devorara” ( Jó 20:26), revelando que esse fogo do Inferno não precisa ser alimentado, mas, uma vez aceso por Deus, arde eternamente. Existem várias passagens no livro de Isaías que se referem a este fogo do Inferno:

“Qual de vós pode habitar com o fogo consumidor? Qual de vós habitara com as chamas eternas?” (33,14)

“Seu verme não morrera, e seu fogo não se apagará, e eles serão uma visão repulsiva para toda a carne” (66,24)

“Ele dará fogo e vermes em suas carnes, para que queimem e possam sentir para sempre” (Jd 16,21).

IX. Fogo do inferno

Na parábola do Evangelho, o homem rico sepultado no Inferno clama a Lázaro:

“Estou atormentado por esta chama” (Lc 16,24)

Ele diz “nesta chama” para mostrar que o fogo do Inferno é um fogo de um tipo particular, um fogo preparado expressamente para vingar os danos que o pecado fez a Deus pelos prazeres carnais. Pois, como observa o livro do Eclesiástico, “a vingança sobre a carne do ímpio e é fogo e vermes” (Ecl 7,19). Portanto, Santo Tomás argumenta que esse fogo será o instrumento da justiça vingativa do Deus Todo-Poderoso.

X. Uma alma espiritual pode sentir fogo?

Mas aqui se coloca uma dificuldade: como é possível que o fogo corporal atormente a alma espiritual? Em resposta a esta pergunta, podemos apenas dizer que sabemos que isso pode ser feito. Talvez a resposta esteja nesta explicação de muitos teólogos. O fogo material do Inferno receberá um poder extraordinário de Deus, por meio do qual será capaz de prender a alma espiritual ao seu lugar de tormento, causando a alma indescritível humilhação e dor.

XI. Punição por resfriado

Nesse mesmo incêndio, comenta Santo Tomás, os corpos dos condenados, além do intenso calor, passarão por um frio intenso, passando de um para o outro, sem conhecer um momento de alívio. Assim, os estudiosos das Escrituras explicam a passagem do livro de Jó:

“Passe ele da água da neve ao calor excessivo, e o seu pecado até o inferno” (Jó 24,19)

Consequentemente, São Jerônimo diz, os condenados no Inferno suportam todos os seus tormentos neste único fogo.

XII. Remorso de consciência

Além de seus sofrimentos com o calor e o frio do fogo do Inferno, a Sagrada Escritura enumera uma série de outros tormentos que afligirão os condenados. Um deles é o “verme”, ao qual as Escrituras se referem com frequência. Alguns comentaristas explicaram este “verme” como uma coisa material, que se alimentara, sem consumir, a carne dos condenados. Mas a maioria dos teólogos explica isso metaforicamente como o remorso de consciência que afligirá os condenados no fogo e nas trevas do Inferno. Para sempre eles terão gravado em suas memórias os resultados de seus pecados. Eles repetirão para sempre as palavras atribuídas a eles no livro de Sabedoria:

“Erramos no caminho da verdade, nos cansamos no caminho da iniquidade e da destruição e caminhamos por caminhos difíceis. O que o orgulho nos beneficiou? Ou que vantagem nos trouxe a ostentação de riquezas?… Os pecadores disseram coisas como essas no inferno” (Sb 5,6-14).

XIII. Sofrendo de demônios e escuridão

Somado ao seu próprio remorso de consciência, os condenados também serão atormentados pelas reprovações dos demônios. Este será um dos castigos mais cruéis dos condenados: os demônios, que são seus inimigos, irão continuamente zombar deles e lembrá-los de seus pecados. Nem os sofrimentos dos corpos dos condenados cessarão aqui. Eles também serão afligidos pela terrível escuridão do Inferno, descrita pelo santo homem Jó:

“Antes que eu vá, e não volte mais, para uma terra que está escura e coberta com a névoa da morte: uma terra de miséria e trevas, onde a sombra da morte, e sem ordem, mas o horror eterno habita” (Jó 10,22)

XIV. Dor da Perda de Deus

Um certo autor escreveu, mas com poucos fundamentos, que a dor da perda é a mesma para todos os réprobos. Mas parece muito mais provável para mim e para a maioria dos teólogos que, embora os condenados sejam igualmente privados de Deus, esta dor irá, no entanto, afligir cada um de acordo com a medida de suas faltas e o conhecimento que ele terá no Inferno do Deus a quem ele perdeu. Pois é difícil acreditar que alguém que perdeu Deus por causa de um pecado mortal será atormentado da mesma forma que alguém que O perdeu por cem pecados. É igualmente inconcebível para mim, por exemplo, como alguém que esteve no estado de pecado por apenas um dia, pode ser chamado a suportar o mesmo grau de punição que aquele que permaneceu neste estado por um ano inteiro. Pois, assim como aquele que amou a Deus mais ardentemente durante sua vida, desfrutará mais dele no céu, por causa do conhecimento do imenso bem que então possuirá, também o condenado, que se privou de seu Deus, será mais severamente atormentado por compreender mais profundamente o grande bem que ele perdeu.

XV. Ensino de Santo Tomás

Santo Tomás descreve para nós perfeitamente no que consistirá a felicidade dos eleitos e o tormento dos réprobos. No que diz respeito ao seu intelecto, observa o Santo, o homem encontrará completa alegria na visão de Deus; mas, no que diz respeito às suas afeiçoes, ele encontrará completa satisfação na união permanente de sua vontade com a infinita bondade de Deus. Por outro lado, o tormento do condenado consistirá em ser privado de toda luz divina em seu intelecto e em encontrar suas afeiçoes obstinadamente afastadas da Divina Bondade. Em outro lugar, o santo Doutor ensina que, embora a punição do fogo seja mais terrível, essa separação de Deus e, no entanto, um tormento maior do que o do fogo.

XVI. Deus faz o paraíso

Em suma, é Deus quem será o nosso paraíso, pois Ele abrange todos os bens em Si mesmo, como Ele mesmo uma vez declarou a Moisés:

“Eu te mostrarei todo o bem” (Ex 33,19)

Essa também foi a promessa que Ele fez a Abraão por causa de seus méritos:

“Não temas, Abrão, eu sou teu protetor, e tua recompensa extremamente grande” (Gn 15,1)

E que maior recompensa pode Ele prometer do que Ele mesmo, que é o único bem que abrange todos os outros bens?

XVII. Deus faz o inferno

É também Deus quem fará o Inferno, pois, como observa São Bernardo, Ele mesmo será o castigo dos condenados. Pois assim como os eleitos serão supremamente felizes porque Deus é por ele, e ele é por Deus, assim também o réprobo será infeliz, porque Deus não é mais para ele, e ele não é mais para Deus. Ouçamos a ameaça que Deus fez contra aqueles que se recusaram a pertencer a Ele durante esta vida:

“Chame o seu nome, não o meu povo, pois você não é meu povo, e eu não serei seu” (Os 1,9)

É nisso, então, que o tormento dos condenados consistirá; consiste na primeira frase que Jesus Cristo pronunciara sobre Seus inimigos:

“Afasta-te de mim para o fogo eterno”

Esta separação eterna constituirá o Inferno para os condenados.

XVIII. A escolha eterna é feita durante a vida

Por enquanto, os pecadores, cegos pelos bens aparentes desta terra, optam por viver longe de Deus e dar as costas a Ele. E se Deus, que não pode habitar com o pecado, desejar entrar em seus corações expulsando o pecado deles, eles não se envergonham de repeli-Lo, exclamando:

“Afasta-te de nós, não desejamos o conhecimento dos teus caminhos” (Jó 21,14)

Afasta-te de nós, não queremos seguir os teus caminhos, mas os nossos, as nossas paixões, os nossos prazeres. A grande multidão, diz a Sagrada Escritura, “que dorme no pó da terra, despertará; uns para a vida eterna e outros para o opróbrio, para ver sempre?” (Dn 12,2). Sim, esses infelizes agora dormem na poeira de sua cegueira; mas, na outra vida, infelizmente para eles, eles vão despertar e perceber o imenso bem que perderam ao perder voluntariamente a Deus.

XIX. Maior Dor do Inferno

A espada que os traspassará com a maior tristeza será o pensamento de terem perdido Deus e de tê-lO perdido por sua própria culpa. Infelizmente eles são! Eles agora procuram perder Deus de vista, mas uma vez caídos no Inferno, eles não serão mais capazes de parar de pensar nEle, e nisso consistirá seu castigo.

Santo Agostinho diz que no Inferno, os condenados serão forçados a pensar em nada além de Deus, e isso lhes causará um terrível tormento. E São Boaventura, expressando os mesmos sentimentos, diz que nenhum pensamento atormentará os condenados mais do que o pensamento de Deus. O Senhor concederá a eles um conhecimento tão vívido de seu Deus ofendido, Sua bondade tão indignamente rejeitada e, consequentemente, do castigo que seus crimes mereceram, que esse conhecimento lhes causará um sofrimento maior do que todos os outros castigos de Inferno.

Lemos no livro de Ezequiel:

“Sobre as cabeças das criaturas vivas estava a semelhança do firmamento, como a aparência de um cristal terrível de se ver, e estendido sobre suas cabeças acima” (1,22)

Explicando essas palavras, um autor diz que os condenados terão continuamente diante de seus olhos um terrível cristal ou espelho: com o auxílio de alguma luz fatal, verão, por um lado, o imenso bem que perderam ao perder voluntariamente a graça divina, e, por outro lado, eles verão a face justamente irada de Deus; e esse tormento superará em um milhão de vezes todos os outros castigos do Inferno.

Sobre o mesmo assunto, o autor Cajetan faz a seguinte reflexão sobre as palavras de Davi:

“Os ímpios serão lançados no inferno, todas as nações que se esquecem de Deus” (Sl 9,18)

O Profeta, diz este autor, não fala aqui de uma mudança de coração ou conversão, mas do espírito dos pecadores. Pois assim como os pecadores não desejam pensar em Deus durante esta vida, para que não sejam forçados a renunciar as suas paixões, eles serão forçados – apesar de si mesmos e por um justo castigo – a pensar continuamente em Deus no Inferno. Eles gostariam de excluir toda a lembrança de Deus de suas mentes, mas serão forçados a pensar sempre nEle, lembrando assim todos os benefícios que receberam dEle, bem como as ofensas que cometeram contra Ele e por que eles foram separados dEle por toda a eternidade.

XX. Os malditos não se esquecem

Vamos agora considerar brevemente a condição do intelecto dos condenados no Inferno. Santo Tomás diz que os condenados serão

capazes de se lembrar de todos os assuntos do conhecimento natural que adquiriram aqui na terra, pois esse conhecimento adquirido permanecerá em suas almas após a morte. Isso é evidente também nas Sagradas Escrituras, na resposta de Abraão ao homem rico sepultado no Inferno:

“Filho, lembra-te que recebeste coisas boas durante a tua vida” (Lc 16,25)

Esta, então, é a conclusão do Doutor Angélico: Assim como nos eleitos não haverá nada que não seja um assunto de felicidade para eles, também nos condenados não haverá nada que não seja um assunto de tormento para eles. Consequentemente, os condenados preservarão em suas memórias as coisas que conheceram aqui na terra, não, é verdade, para seu consolo, mas apenas para aumentar seu tormento. Além disso, durante esta vida, a alma e frequentemente impedida de considerar pensamentos que lhe seriam desagradáveis, por causa de sofrimentos e ansiedades corporais; mas no Inferno a alma não estará mais sujeita a esta influência do corpo. Consequentemente, no Inferno a alma não será mais impedida de considerar as coisas que podem ser uma causa de tortura para ela. Da mesma forma, no Inferno a alma de um homem terá constantemente em sua memória todos os apelos divinos feitos a ela durante a vida, bem como o número de pecados que ele cometeu, cada um dos quais buscara para ele um novo Inferno.

XXI. Os malditos não sabem nada sobre nós

Além disso, diz Estius, assim como Deus buscará a satisfação dos bem-aventurados fazendo-lhes saber o que nos diz respeito, e especialmente o que lhes diz respeito de maneira especial, como as nossas orações dirigidas a eles, por outro lado os condenados permanecerão ignorantes de tudo o que nos diz respeito, porque são completos estranhos à Igreja.

XXII. Os condenados têm fé?

Pode-se perguntar se aqueles cristãos que possuíam fé nesta vida, e que não a perderam por apostasia ou heresia, irão preservá-la no Inferno. Santo Tomás responde negativamente, pois para crer com uma fé sobrenatural e teológica, é preciso ter um afeto piedoso da vontade a Deus revelador. Essa afeição piedosa, porém, é um dom de Deus, do qual Ele os priva tanto quanto aos demônios. Eles, entretanto, acreditam por uma espécie de fé natural, à qual são forçados pela evidência de sinais externos, embora essa fé não seja sobrenatural. E neste sentido que São Tiago escreveu que “os demônios também creem e tremem” (Tg 2,19), significando que sua fé é forçada e amedrontadora.

Os condenados algum dia verão ou contemplarão a glória do Abençoado? Santo Tomás responde que no Juízo Final os réprobos verão os bem-aventurados em sua glória, sem poder distinguir em que consiste, apenas percebendo que estão desfrutando de uma glória inexplicável. Esta visão os afligirá com grande tristeza, seja por um sentimento de inveja, seja por causa do arrependimento de terem perdido aquilo que eles próprios poderiam ter adquirido. E para seu castigo eterno, esta sombra da visão beatífica que eles viram permanecerá impressa em sua memória para sempre.

XXIII. A vontade está posta no mal

Vamos agora discutir a condição da vontade dos condenados. Santo Tomás observa que a vontade dos condenados, na medida em que é uma faculdade natural, não pode deixar de ser boa, pois não procede de si mesmos, mas de Deus, que é o autor da natureza; os condenados, entretanto, o viciaram por sua malícia. Mas quando consideramos a vontade dos condenados em seu uso, não pode deixar de ser mau, pois é completamente oposto a vontade de Deus e obstinado no mal.

Mas de onde procede essa obstinação no mal? Sylvius, em uma explicação muito clara, diz que a obstinação dos condenados resulta da própria natureza de seu estado. Pois, uma vez que os condenados agora se encontram no fim de sua existência e privados de toda a assistência divina, Deus, por um julgamento justo, os abandona ao mal que eles escolheram voluntariamente e no qual desejaram acabar com suas vidas. É natural que tudo, uma vez atingido o seu término, repouse nele, a menos que seja movido por alguma força externa. Agora, os condenados terminaram suas vidas com a vontade depravada com que morreram, e Deus resolveu deixá-los com o mal que escolheram. Assim como os bem-aventurados nunca podem possuir uma vontade má, porque estão sempre unidos a Deus, da mesma forma os condenados nunca podem transformar sua vontade em bem e, consequentemente, sempre serão infelizes, porque se opõem obstinada e irrevogavelmente à vontade divina.

XXIV. Os malditos desejam o mal para os outros?

Por causa dessa má vontade dos condenados, a pergunta pode ser feita:

“O maldito deseja que todos os homens sejam condenados?”

Santo Tomás responde afirmativamente, por causa do ódio que os réprobos tem por todos os homens. Mas aqui se apresenta uma dificuldade. À medida que aumenta o número de condenados, a punição de cada indivíduo é agravada: como, então, eles podem desejar um aumento de tormento para si mesmos? Santo Tomás diz que é tal o seu ódio e inveja que prefeririam sofrer mais cruelmente com muitos outros do que sofrer menos sozinhos. E pouco importa para eles que entre aqueles cuja perda eles desejam estejam alguns a quem eles amaram durante a vida. Pois o Santo Doutor observa que toda afeição que não se baseia no amor de Deus se desvanece facilmente; caso contrário, a ordem da justiça e do direito seria invertida no Inferno.

XXV. Caso do Homem Rico no Inferno

Se for esse o caso, como podemos explicar a solicitude do pobre rico do Inferno, que rogou a Abraão que enviasse Lázaro aos seus irmãos na terra, para adverti-los a fazer penitência para que não fossem enterrados também no Inferno? Santo Tomás explica que a inveja dos condenados é tanta que eles prefeririam ver todos os homens perdidos, até mesmo seus próprios pais; mas, uma vez que isso é impossível, e, enraizados como estão no amor-próprio, eles preferem ver seus pais entregues ao Inferno em vez de estranhos, pois eles seriam ainda mais atormentados pela inveja se eles vissem seus próprios entes queridos condenados e outros salvos. Essa, então, é a razão da preocupação do homem rico pela salvação de seus irmãos. O Angélico Doutor acrescenta que esse réprobo desejava ver seus irmãos escaparem do Inferno, para que sua própria punição não fosse agravada por sua condenação, pois por seu mau exemplo ele havia dado ocasião para sua condenação.

XXVI. Os condenados se arrependem do pecado?

Também pode ser perguntado se os condenados se arrependem de seus pecados. Santo Tomás responde que um homem pode se arrepender de suas faltas de duas maneiras: direta ou indiretamente. Ele pode se arrepender diretamente na medida em que se arrepende por um sentimento de ódio pelo pecado cometido; nesse sentido, o condenado não pode se arrepender de seu pecado, pois, visto que se encontra confirmado em sua vontade perversa, ele ama a malícia de sua falta. Mas ele pode se arrepender indiretamente, na medida em que detesta sua punição, da qual seu pecado é a causa. Assim, os condenados irão pecar, no que diz respeito a sua malícia, mas detestarão o seu castigo, que, no entanto, nunca pode cessar porque o seu pecado dura para sempre.

XXVII. Ódio de Deus

Os malditos odeiam a Deus? Santo Tomás diz que Deus, considerado em Si mesmo, é o Bem Supremo e, portanto, não pode ser objeto de ódio por nenhuma criatura razoável. Mas Ele pode tornar-Se tal para os condenados de duas maneiras: primeiro, como o Autor de suas punições, pelas quais Ele é obrigado a afligi-los; em segundo lugar, porque são obstinados no mal, enquanto Ele é o Bem infinito, eles odiariam a Deus de todo o coração, embora Ele os punisse apenas um pouco.

XXVIII. O maldito desejo de ser destruído?

Perguntamos, finalmente, se os condenados preferem ser aniquilados e privados de existência, a se submeter aos castigos que suportam. Santo Tomás, considerando a questão em si, responde negativamente, pois, como ele diz, um estado de não-ser nunca é desejável, pois implica uma privação de todo bem. Mas se esse aniquilamento for considerado o fim de todo castigo, Santo Tomás diz que, desse ponto de vista, o estado de inexistência se apresenta como um bem. É neste sentido que Jesus Cristo proferiu esta frase de Judas:

“Melhor para ele, se aquele homem não tivesse nascido” (Mt 26,24)

São João parece dizer a mesma coisa quando fala dos condenados no Apocalipse:

“Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a encontrarão: e desejarão morrer, e a morte fugirá deles” (Ap 9,6)

Essa vontade dos condenados, porém, é incerta, pois eles desejam continuar a existir, para que possam sempre odiar a Deus.

XXIX. A punição do inferno é eterna

Essas punições dos réprobos, que temos considerado, durarão para sempre. Esta doutrina da eternidade dos castigos do Inferno foi primeiro negada por Orígenes, e mais tarde pelos Socinianos e um grande número de Protestantes. Orígenes, no entanto, foi condenado pelo Segundo Concílio Ecumênico de Constantinopla e, em geral, por todos os Padres da Igreja.

XXX. Esta punição não é injusta

Nem pode a eternidade das punições dos condenados ser qualificada como injusta. Pois quem ofende a Deus com um pecado mortal, merece uma punição infinita por uma ofensa que é infinita. Portanto, por mais severa ou longa que seja a punição, ela nunca pode ser proporcional a ofensa que foi cometida. Pois a majestade de Deus e infinita; portanto, todo aquele que peca mortalmente merece uma punição infinita. Portanto, parece justo que o pecado mortal seja punido com uma punição eterna.

XXXI. Como a punição é medida

É inútil objetar que não parece apenas infligir uma punição eterna por um pecado que dura apenas um momento. Para Santo Agostinho, a punição não é medida pela duração de uma falta, mas por sua gravidade. Mesmo nos tribunais de justiça aqui na terra, a pena de morte é imposta sobre alguns crimes que são cometidos em um instante.

O Angélico Doutor acrescenta que é justo que o castigo não deve cessar enquanto a falta não cesse. Ora, uma falha que permanece eternamente só pode ser perdoada pela graça de Deus, que o homem não pode adquirir depois da morte. Como vimos acima, a vontade dos condenados é obstinada no mal. Portanto, ele continua a amar seu pecado ao mesmo tempo em que se submete a punição. Como, então, Deus pode livrá-lo de seu castigo, enquanto ele continua a amar sua falta? Como Deus pode perdoar seu pecado, enquanto o condenado está endurecido em seu ódio por Deus, se ao mesmo tempo o Senhor ofereceu perdão e amizade, o condenado recusou tanto um como o outro?

Nem se pode objetar, como fazem alguns hereges, que é contrário a bondade e misericórdia de Deus ver uma de Suas criaturas sofrer eternamente com tais castigos terríveis no Inferno. Pois, como Santo Tomás observa, Deus deu testemunho superabundante de Sua bondade e misericórdia para com os homens. Vendo todos os homens perdidos pelo pecado de Adão e seus próprios pecados, que grande bondade Ele não manifestou ao descer do Céu a terra para se tornar homem, na resistência de uma vida pobre, humilde e aflita, derramando a última gota de Seu Sangue em meio a tais tormentos terríveis sobre uma forca infame? Que maior prova de Sua bondade Ele poderia ter dado aos homens do que deixar-lhes Seu próprio Corpo e Sangue no Santíssimo Sacramento do Altar, para que ali encontrassem alimento para suas almas e, por este meio, preservassem e aumentar suas forças espirituais até a morte, após o que, encontrando-se mais intimamente unidos a Deus, eles podem entrar no céu, para desfrutar eternamente a vida dos bem-aventurados?

XXXII. A paciência de Deus

Ah! Certamente, no dia do julgamento, o Senhor fará conhecido ao mundo inteiro quantas misericórdias, quantas luzes, quanta ajuda Ele dispensou a cada homem durante sua vida! E os numerosos ingratos, que, apesar de tais favores, mereceram tais castigos, com que paciência Ele não os perseguiu, com que amor Ele não implorou que se arrependessem? Se, apesar de tais favores, ainda não renunciaram as suas paixões e prazeres terrenos, desejaram viver e morrer separados de Deus, abandonando-se voluntariamente a sua ruína eterna, como se pode dizer que Deus não manifestou Sua misericórdia e bondade para com eles?

Em vez de declarar que as punições do Inferno não são eternas, alguns hereges inventaram outra opinião, sustentando que as punições do Inferno serão diminuídas depois de um tempo ou interrompidas momentaneamente. Mas esta opinião é expressamente contrária às Sagradas Escrituras. Isaías, por exemplo, falando dos réprobos, proclama:

“Seu verme não morrerá e seu fogo não se apagará” (Is 66,24)

E na sentença pronunciada contra eles no Juízo Final, Jesus Cristo lhes dirá:

“Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno”

XXXIII. A parábola de Jesus sobre os mergulhos e Lázaro

“Havia um certo homem rico, vestido de púrpura e linho fino; e festejava suntuosamente todos os dias. E havia um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia em sua porta, cheio de feridas, desejando ser enchido com as migalhas que caíam da mesa do homem rico, e ninguém o deu; além disso, os cães vieram e lamberam suas feridas.

“E aconteceu que o mendigo morreu e foi carregado pelos anjos ao seio de Abraão. E o rico também morreu: e ele foi sepultado no inferno. E levantando os olhos quando estava em tormentos, ele viu Abraão ao longe, e Lázaro em seu seio: E ele clamou, e disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda Lázaro, que ele pode molhar a ponta do seu dedo na água, para refrescar minha língua, pois estou atormentado nesta chama. E Abraão disse-lhe: Filho, lembra-te de que recebeste coisas boas em tua vida, e também Lázaro coisas más, mas agora ele está consolado; e tu estas atormentado. E além de tudo isso, entre nós e você, existe um grande caos: de modo que aqueles que querem passar daqui para você, não podem, nem de lá vir para cá.

“E ele disse: Então, pai, rogo-te que o mandes a casa de meu pai, porque tenho cinco irmãos, para que lhes de testemunho, a fim de que não entrem também neste lugar de tormentos. E Abraão disse-lhe: Eles tem Moisés e os profetas; deixe-os ouvi-los. Mas ele disse: Não, pai Abraão; mas se alguém foi ter com eles dentre os mortos, eles farão penitência. E disse-lhe: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco crerão, se alguém ressuscitar dentre os mortos” (Lc 16,19-31)

XXXIV. A Visão do Inferno das Crianças de Fátima

NOTA: Em 1917, Nossa Senhora apareceu seis vezes em Fátima, Portugal, a Lúcia dos Santos, Jacinta e Francisco Marto, três crianças pequenas. Durante estas seis aparições mundialmente famosas – agora aprovadas pela Igreja como dignas de nossa devoção e propagação – a Bem-Aventurada Virgem Maria fez várias declarações e previsões surpreendentes, entre elas a eclosão da Segunda Guerra Mundial se as pessoas não mudassem de vida. Durante a aparição de 13 de julho, ela permitiu que as crianças tivessem uma visão do inferno. A seguir está a de Lúcia descrição do que viram.

Nesse momento, Lúcia disse em voz alta:

“Sim, ela quer que as pessoas rezem o Rosário. As pessoas devem recitar o Rosário”

O rosto da Senhora ficou então muito sério e ela disse:

“Sacrifique-se pelos pecadores e diga muitas vezes, especialmente quando fizer algum sacrifício: ‘O meu Jesus, isto e por amor a Ti, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos ofensas cometidas contra o Imaculado Coração de Maria’”

Com essas palavras, ela abriu as mãos sobre as três crianças mais uma vez e a luz que emanava delas parecia penetrar na terra, e as crianças tiveram uma visão do Inferno. Lúcia gritou de terror, invocando Nossa Senhora. “Podíamos ver um vasto mar de fogo”, ela revelou muitos anos depois.

“Mergulhados nas chamas estavam demônios e almas perdidas, como se fossem carvões em brasa, transparentes e negros ou cor de bronze, em forma humana, que flutuavam na conflagração, carregados pelas chamas que deles emanavam, com nuvens de fumaça, caindo por todos os lados como faíscas caem em uma grande conflagração sem peso ou equilíbrio, em meio a gritos e gemidos de tristeza e desespero que nos horrorizou e nos fez tremer de medo. Os demônios podiam ser distinguidos por formas horríveis e repulsivas de animais, assustadores e desconhecidos, mas transparentes como carvões negros que ficaram em brasa”

Cheios de medo, os filhos ergueram os olhos suplicantes a Senhora, que lhes disse com indizível tristeza e ternura:

“Vistes o Inferno para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para salvá-los, Deus deseja estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se as pessoas fizerem o que eu peço, muitas almas serão salvas e haverá paz”

Lúcia afirmou mais tarde que embora a visão durasse “apenas um instante”, ela sentiu que eles teriam morrido de medo e terror se Nossa Senhora já não tivesse prometido levá-los para o Céu.

Fonte: https://rumoasantidade.com.br/como-sera-o-inferno/