Categorias
Vaticano

Cardeal Sarah pede padres viris, generosos e cheios de zelo

 

Para o cardeal Sarah, não são os teólogos ou a teologia moderna que mais prejudicam a Igreja hoje, mas os maus padres, que infelizmente são maioria e não transmitem a verdade, através do próprio testemunho, e está contida na doutrina e liturgia da Igreja, aos fiéis.

Como é o bom padre hoje? Para o cardeal Sarah, ele é alguém que não confia em sua formação para as redes sociais, alguém que não se demora na cama até o meio da manhã, se entrega a boas leituras, alimenta sua fé, se preocupa com o destino eterno de seus filhos, defende , viril, para sua esposa, a Igreja, de todos os ataques.

O bom padre que Sarah desenha no seu último livro, ‘Ao serviço da verdade’, não se deixa explorar como um fantoche nas entrevistas televisivas, cuida da liturgia e não a inventa por capricho porque ele sabe que sua missão é reproduzir a liturgia que se atualiza no próprio céu, ajuda os pobres e, muitas vezes, como bom pai de família, não vê como se sustenta, mas confia plenamente na Providência.

Acima de tudo, ele deve estar com ciúmes. Zelo é interesse. Uma pessoa é tão ciumenta quanto o grande interesse que ela tem pela coisa ou pela pessoa. O zelo pelas almas é, portanto, a preocupação que o pastor deve ter pela salvação eterna das ovelhas confiadas aos seus cuidados ”.

Sarah concorda com o Santo Padre em ver no clericalismo uma das maiores ameaças à vida da Igreja hoje, um clericalismo que poderíamos chamar – e ele chama – pragmatismo, função do sacerdote como quem deve cumprir objetivos de negócios, pensando apenas na ação e cegos, no sentido de não serem iluminados pela Palavra de Deus, e que se apresenta como bondade quando é, na melhor das hipóteses, eficácia mundana.

Isso é o que leva Sarah a concluir que não são os teólogos ou a teologia moderna que prejudicam a Igreja hoje, mas os maus padres, que fazem da Igreja uma realidade para aqueles que estão ao seu redor, crentes ou não crentes.

Sarah acusa esses ‘ativistas’ chamando-os de “lobos em pele de cordeiro”, que “afirmam servir ao rebanho quando na verdade o usam para seus próprios fins”.

Para usar uma expressão muito cara ao Santo Padre, se a Igreja é um “hospital de campanha”, recorda Sarah, “precisará de médicos muito competentes, capazes de salvar vidas”.

Leia também
Cardeal Sarah: A Igreja Católica sofre porque muitos padres perderam o sentido do sagrado

O ESTUDO PARA SALVAR ALMAS

«O estudo é importante. O sacerdócio, bem se diz, não é uma profissão: é uma vocação. Mas, ao dizer isso, queremos dizer que é mais, não menos do que um trabalho comum! O sacerdócio é uma missão dada por Deus! Se, portanto, um advogado, um magistrado, um médico ou um engenheiro deve ser muito competente para fazer bem o seu trabalho, quanto mais não deve ser um sacerdote?”, Escreve o ex-prefeito da Congregação para o Culto Divino, relembrando a imagem usado pelo Papa Francisco para expressar a Igreja como um “hospital de campanha”. “No hospital de campanha há necessidade de médicos muito competentes, capazes de salvar vidas. Um médico competente não se forma em um dia », frisa o cardeal Sarah.

De Santa Teresa de Ávila ao Papa Emérito Joseph Ratzinger, passando por São Boaventura e São Tomé: estas são as referências citadas pelo Cardeal Sarah sobre o conceito de “estudo que enobrece a alma e a fé”.

“O amor a Deus vem de conhecê-lo. Mas então esse nosso amor desenvolve o conhecimento ainda mais, porque queremos conhecer cada vez mais o Deus que amamos. A teologia, então, é certamente ciência, isto é, conhecimento sistemático, poderíamos até dizer conhecimento profissional da palavra de Deus », escreve Sarah novamente em seu último livro.

É por isso que o estudo é importante. “Se um advogado, um magistrado, um médico ou um engenheiro devem ser muito competentes para fazer bem o seu trabalho, quanto mais um padre deve ser?” – Explica Sarah.

Ele usa a imagem do “hospital de campo” tão caro a Francisco: “No hospital de campo há a necessidade de médicos muito competentes que sejam capazes de salvar vidas”.

Em jogo está a vida das almas que se confiam aos consagrados: é preciso saber mais não por um “nozionismo” sinistro, mas porque são movidas pela “sede” do objeto do seu amor, o Eterno e o Infinito.

Sarah, uma esperança conservadora para o pós-Francisco

Há muitos na Igreja que pensam que Robert Sarah amadureceu ao longo do tempo um perfil interessante do ponto de vista pastoral, pessoal e teológico, a fim de ter a chance de se tornar Papa em um próximo conclave. Ele é africano, conhece o Islã e sua radicalização de perto, ele tem uma visão teológica conservadora, conhece bem a Igreja missionária, as armadilhas da Cúria e ele realmente não gosta de moda e modernidade.

Essas características abriram as portas em diferentes ambientes tradicionalistas. Suas ideias os levam para a frente corajosamente, mesmo sabendo que é contra a correnteza. Há algum tempo, ele resumiu algumas disfunções no Ocidente: “Há aqueles que gostariam de uma Igreja totalmente engajada na luta de classes e aqueles que gostariam disso fora de todas as classes. A Igreja é, em vez disso, igreja na medida em que ela é próxima do homem e proclama todo o Evangelho, porque esta é sua missão, e por isso ela tem sido, é e talvez será perseguida”.

Em outro momento, falando do ativismo social do clero, esclareceu: “Muitos padres e bispos estão literalmente enfeitiçados por questões políticas ou sociais. Na verdade, esses problemas nunca encontrarão respostas fora do ensino de Cristo. De temperamento calmo, mas de maneiras bastante arrogantes, sem precisão para falar com a imprensa, Sarah tornou-se muito popular no mundo de língua francesa pelos livros que começou a escrever com seu amigo editor perto do francês e americano certo. Ultimamente, ele até quebrou a relutância em enfrentar as redes sociais e tem um perfil muito ativo no Twitter. Escreve livros, participa de conferências e seminários.

Robert Sarah

Nascido há 74 anos em uma vila na Guiné, tornou-se arcebispo com apenas 34 anos de idade em uma realidade e em anos em que a Igreja na área foi perseguida, ele chegou ao Vaticano em 2001 chamado por João Paulo II como secretário de Propaganda Fide. Foi em 2010, com Bento XVI, que ele assumiu a liderança do Cor Unum, um órgão que lidava com caridade. Em 2010, foi criado cardeal por Ratzinger. Foi Francisco quem o nomeou Prefeito da Congregação para a Adoração Divina em novembro de 2014 como parte de uma reorganização que tratava da caridade.

O livro sobre o celibato, escrito em conjunto com Bento XVI, não é o primeiro desafio de Sarah contra as aberturas tentadas pelo Papa Francisco. Ele foi uma das vozes opostas ao Sínodo sobre a Família pela abertura da comunhão para divorciados e casados em segunda união. E também no Sínodo da Amazônia ele lutou contra a ordenação de pessoas casadas e o diaconato feminino.