Categorias
Traditionis Custodes

Cardeal pergunta aos cavaleiros anti-Ratzinger do Vaticano se não poderiam esperar morrer antes de humilhá-lo

O Cardeal Joseph Zen Ze-kiun, bispo emérito de Hong Kong, escreveu um artigo sobre o motu proprio Traditionis Custodes no qual lamenta o tratamento dispensado aos fiéis que assistem à missa tridentina, alerta que o principal problema é se as pessoas vão ou não à missa, e nem tanto ao rito que frequenta, e no final lança uma crítica séria contra aqueles que querem que morra a missa tridentina e não esperam que Bento XVI morra primeiro para que não sofrer a humilhação que ele está sofrendo.

Artigo do Cardinal Zen:

Por que vêem um problema onde não existe e fecham os olhos para o problema, pelo qual também são responsáveis?

As preocupações com o documento veiculado “contra” a Missa Tridentina se concretizaram, e o golpe não foi menos severo porque já era esperado. Muitas generalizações tendenciosas nos documentos ferem o coração de muitas pessoas boas mais do que o esperado, que nunca deram o menor motivo para suspeitar que não aceitam a reforma litúrgica do Concílio, muito menos que eles não aceite o Concílio Vaticano II. Além disso, eles permanecem membros ativos em suas paróquias.

Pessoalmente, foi para mim uma surpresa amarga que a consulta “generalizada” não tenha chegado a mim, Cardeal e uma vez membro da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos. Durante os anos 2007-2009, aliás, fui bispo de Hong Kong e, portanto, responsável pela implementação do “Summorum Pontificum”, e até agora, um conhecido apoiador do grupo.

Não conhecendo nem o questionário nem as respostas ao questionário, não Não tendo conhecido nem o questionário nem as respostas ao questionário, não posso julgar, mas apenas suspeito que houve muito mal-entendido (ou talvez até mesmo manipulação) no processo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lendo os dois documentos, eu noto:

(1) uma facilidade incrível (ou tendência) em vincular o desejo de usar o vetus ritus à não aceitação do ritus novus e …

(2) na associação da não aceitação da reforma litúrgica (que muitas vezes diz respeito principalmente à forma como foi realizada com seus muitos abusos graves) com uma rejeição total e profunda do próprio Concílio (como questão de fato para aqueles que rejeitam o Concílio a diversidade do rito da missa é apenas um pequeno corolário, tanto que a concessão em relação ao rito não reverteu o cisma).

As autoridades do Vaticano deveriam se perguntar (e talvez até fazer uma investigação completa) por que o segundo fenômeno persistiu e talvez (recentemente) até piorou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O problema não é “qual rito as pessoas preferem?” mas “por que eles não vão mais à missa?” Algumas pesquisas mostram que metade da população cristã da Europa não acredita mais na presença real de Jesus na Eucaristia, não acredita mais na vida eterna!

Obs.: Uma pesquisa feita no Brasil, pela a Arquidiocese de São Paulo, mostra que apenas 5% dos que se declaram católicos frequentam regularmente a missa dominical.

Certamente não culpamos tudo isso à reforma litúrgica, só queremos dizer que o problema é muito mais profundo, não podemos evitar a pergunta: “Não faltou a formação da fé?” “O grande trabalho do Concílio não foi desperdiçado?” A raiz do mal não é essa atitude de acreditar que tudo agora pode ser mudado? Não é essa atitude de acreditar que este Concílio apaga todos os anteriores e que o Concílio de Trento é como a sujeira acumulada no “último julgamento” da Capela Sistina (como disse um “liturgista” em nossa diocese)?

O Documento, obviamente, vê não apenas irregularidades na execução do Summorum Pontificum, mas considera a própria existência de um rito paralelo como um mal. Os parágrafos § 5º e § 6º dos artigos 3º, art 4 e 5 não desejam claramente a morte dos grupos? Mas, mesmo nesse caso, os cavalheiros anti-Ratzinger do Vaticano não podem ser pacientes para permitir que a missa tridentina morra somente após a morte de Bento XVI em vez de infligir tal humilhação ao venerável Papa Emérito?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Traduzido de InfoCatolica


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE