Categorias
Mundo

Cardeal Müller: “Não posso apoiar um político pró-aborto porque ele constrói habitações sociais”

 

O cardeal Müller foi claro em uma entrevista à kath.net sobre o presidente dos Estados Unidos Joe Biden: “Não posso apoiar um político pró-aborto porque ele constrói habitação social, nem tenho que aceitar o absolutamente ruim por causa do relativamente bom.” O purpurado alemão também coloca a Espanha como um exemplo de país onde as instituições católicas podem ser forçadas a ir contra a moral.

“Quem relativiza o claro compromisso com a sacralidade de toda a vida humana a partir de preferências políticas com jogos táticos e véus sofistas, se opõe abertamente à fé católica”, explica o cardeal Gerhard Ludwig Müller. na entrevista exclusiva com Kath.net sobre a defesa do aborto do novo presidente americano, o católico Joe Biden.

O Prefeito emérito da Congregação para a Doutrina da Fé adverte ainda que: «Agora, os Estados Unidos, com seu poder político, midiático e econômico concentrado, estão na vanguarda da campanha mais sutil e brutal pela descristianização de Cultura ocidental em 100 anos »

Senhor Cardeal, a Conferência dos Bispos dos Estados Unidos (USCCB) criticou claramente a política indígena do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Por outro lado, houve alguns bispos americanos que consideraram as críticas a Biden imprudentes. O cardeal Blase Cupich de Chicago escreveu em seu Twitter que a conferência dos bispos havia feito “uma declaração precipitada”. Você acha que as críticas da USCCB são justificadas ou os bispos estão exagerando?

Um bispo católico difere de políticos e ideólogos de poder pela obediência à palavra revelada de Deus. Ele seria um falso apóstolo se relativizasse a lei moral natural para suas preferências políticas ou para apoiar este ou aquele partido. Cada pessoa deve reconhecer as demandas de sua consciência de sua razão. Quando os governantes político-religiosos de seu tempo quiseram proibir os apóstolos de proclamar o ensino de Cristo sob ameaça de punição, eles responderam: “Devemos obedecer a Deus antes que aos homens” (Atos 5:29).

Qualquer um que relativize o claro compromisso com a sacralidade de toda a vida humana com base em preferências políticas com jogos táticos e véus sofistas se opõe abertamente à fé católica. O Vaticano II e todos os papas até Francisco descreveram o assassinato deliberado de uma criança antes e depois do nascimento como a mais grave violação dos mandamentos de Deus.

O presidente da USCCB, Arcebispo Gomez, explica ao presidente Joe Biden em sua declaração clara: “Como ensina o Papa Francisco, não podemos ficar calados quando quase um milhão de vidas em nosso país são deixadas de lado pelo aborto”. O que a igreja está ensinando sobre o aborto?

“Porque Deus, Senhor da vida, confiou aos homens a distinta missão de conservar a vida, missão que deve ser realizada de maneira digna do homem. Portanto, a vida desde a sua concepção deve ser protegida com o máximo cuidado; o aborto e o infanticídio são crimes abomináveis ​​”(Vaticano II, Constituição Pastoral sobre a Igreja no mundo moderno Gaudium et Spes, 51).

O presidente Joe Biden se apresentou, e não apenas no dia de sua posse, como um católico devoto e praticante. Isso é muito crível aos seus olhos, dada sua longa série de declarações pró-aborto e sua declaração oficial no 38º aniversário de Roe v. Wade : “Nos últimos quatro anos o direito ao aborto foi atacado de forma extrema”, bem como o anúncio de que voltarão a dar apoio massivo ao aborto nos Estados Unidos e em todo o mundo, também financeiramente?

Existem bons católicos, mesmo entre os mais altos funcionários do Vaticano, que com cega afeição anti-Trump aceitam ou minimizam tudo o que agora está sendo preparado contra os cristãos e todas as pessoas de boa vontade na América.

Agora os Estados Unidos, com seu poder político, midiático e econômico concentrado, estão na vanguarda da campanha mais sutilmente brutal para descristianizar a cultura ocidental nos últimos 100 anos. O fato de que as vidas de milhões de crianças serão vítimas da campanha de aborto organizada em todo o mundo sob o eufemismo “direito à saúde reprodutiva” é minimizado ao apontar as fraquezas do caráter de Trump.

Um irmão muito estimado em outras circunstâncias me reprovou, dizendo que eu não deveria vincular tudo ao aborto. Porque com a não reeleição de Trump, o perigo muito maior de que esse louco tivesse pressionado o botão atômico foi evitado. Mas estou convencido de que a ética individual e social prevalece sobre a política. O limite onde a fé e a moral são contrariadas pelo cálculo político foi excedido. Não posso apoiar um político do aborto porque ele constrói moradias sociais nem tenho que aceitar o absolutamente ruim por causa do relativamente bom.

Há bispos nos Estados Unidos que falam publicamente que Biden não está em plena comunhão com a Igreja Católica devido às suas declarações e ações públicas em relação ao aborto, por exemplo, o Arcebispo de Denver, Samuel J. Aquila e o Arcebispo emérito da Filadélfia, Charles Chaput. Chaput defende que Biden não deve receber a comunhão neste momento. Em contraste, o cardeal Wilton D. Gregory, arcebispo de Washington, DC, disse que não se desviaria da prática de que Biden continuaria a receber a comunhão. Como você avalia isso?

A opinião absurda se espalhou, mesmo entre os católicos, que a crença é um assunto privado e que algo ruim pode ser permitido, aprovado e promovido na vida pública.

Em ações práticas concretas, os cristãos no parlamento ou no governo nem sempre conseguem fazer cumprir a lei natural em todos os pontos. Mas eles nunca devem participar ativa ou passivamente do mal. Eles têm que pelo menos protestar contra ela e, na medida do possível, resistir a ela, mesmo que sejam discriminados por isso.

Qualquer pessoa que como cristão se declare contra o mainstream da propaganda LGBT, do aborto, da legalização do uso de drogas, da dissolução da sexualidade masculina ou feminina, é insultada e descrita como “direita” ou mesmo “nazista”. Embora fosse justamente a Nacional Socialistas, com sua ideologia darwiniana biológico-social, que estavam em franca contradição com a imagem cristã do homem.

Espíritos afins (que denegrem os outros com as comparações nazistas, mas ao mesmo tempo ficam escandalizados pelas comparações nazistas) são mais propensos a se encontrar onde alguém se rebela contra o Deus que criou o homem à sua imagem e semelhança, como homem e mulher.

Os bispos dos Estados Unidos podem basicamente confiar que o Papa Francisco apoiará totalmente seu compromisso pró-vida e, no máximo, poderão surgir divergências sobre a questão da sensibilidade ao lidar com um presidente em exercício?

O Santo Padre nunca faltou as palavras mais claras contra o aborto como homicídio premeditado e, portanto, foi vilmente difamado por aqueles que tendem a gostar de se referir a ele e não podem enfatizar o suficiente o contraste com o anterior Papa Bento XVI. Espero que ninguém tenha a ideia perversa de acusar o aborto e a eutanásia de permitir que imigrantes e migrantes entrem na fronteira com o México, aceitando assim com “silêncio” crimes contra a humanidade.

Os católicos americanos podem e devem, à luz das posições pró-aborto do novo presidente, simplesmente aceitar seus apelos por “unidade” e cura das feridas?

Reconciliação é o que Deus nos deu por meio de Jesus Cristo. Para os cristãos na política em particular, este também deve ser um ponto de referência para seu discurso e desempenho. Mas uma divisão ideológica da sociedade não é superada por um lado empurrando o outro para o limite, criminalizando-o e destruindo-o, de modo que no final todas as instituições, desde a mídia às corporações internacionais, sejam dominadas apenas por representantes da vontade. capital.

Nos Estados Unidos, como agora ocorre na Espanha, não há dúvida de que escolas católicas, hospitais e outras instituições sem fins lucrativos com financiamento público serão forçados a cometer conduta imoral ou serão fechadas se violarem as regras. Agora, o mais tardar, mesmo o mais ingênuo deve perceber se o discurso sobre a reconciliação na sociedade foi feito a sério ou foi apenas um golpe de propaganda.

Especialmente aqueles que falam sobre isso com tanta insistência devem se perguntar criticamente sobre sua contribuição para a divisão. O lema “Se você não quiser ser meu irmão, quebro sua cabeça” não é o caminho certo para alcançar a reconciliação e o respeito mútuo.

Será que tal reação contra a política de aborto seria concebível na área de língua alemã, na Áustria, Alemanha e na Suíça de língua alemã?

Com o absolutismo, temos a infeliz tradição da igreja estatal na França, Áustria e Baviera católica desde o século 18 (galicanismo, febronismo, josefineismo).

A Igreja já não se define pela sua missão divina de salvação de todos os homens, mas pelo serviço que lhe é permitido prestar no âmbito do bem comum, de acordo com o estado da sociedade. Apenas uma vez, no Kulturkampf contra o absolutismo estatal prussiano e contra as ideologias totalitárias, foi oferecida resistência em nome de sua missão superior (Pio XI., Encíclica com preocupação em chamas).

Desde então, o público tem estado em grande parte subordinado aos objetivos do estado do mundo interior (a chamada relevância sistêmica) e só lida com a descristianização agressiva da sociedade no privado. Um bispo na Europa Central hoje se depara com a escolha entre sobreviver em conformidade ou ser tachado de fundamentalista pelos ignorantes.

Enquanto nos Estados Unidos é comum a grande participação de bispos católicos, pe. Por exemplo, no maior evento pró-vida do mundo, a Marcha pela Vida, é quase um hábito que os poucos bispos bravos na Alemanha que vêm à Marcha pela Vida possam contar com uma mão.

Não cabe a mim julgar o comportamento de bispos individualmente. Sempre fiquei impressionado com Clemens August von Galen, que foi ordenado bispo de Münster em 18 de outubro de 1933. Seu brasão era: Nec laudibus-nec timore. Não devemos nos deixar levar por elogios ou medo das pessoas.

Na Polônia, por outro lado, os bispos são marcadamente pró-vida. Você aprecia seus esforços?

Os poloneses sofreram e lutaram pelo Estado de direito, pela democracia e pela fé católica mais do que qualquer outro povo europeu nos últimos 200 anos.

No entanto, existem preconceitos perversos contra este país. Esses tópicos e estereótipos também são aceitos sem crítica nos círculos da igreja. O compromisso dos bispos, padres e leigos poloneses é atribuído a um sentimento tradicionalista básico de uma nação que, depois da ditadura nacional-socialista e comunista e do governo estrangeiro, ainda não está totalmente madura para a democracia.

As ofertas à Polônia para ser tutelar em questões de democracia e como lidar com uma sociedade secularizada vêm precisamente da Alemanha e da Áustria. Devemos mostrar deliberadamente mais solidariedade para com nossos irmãos e irmãs católicos. Poderíamos aprender coisas importantes uns com os outros e, juntos, fazer o bem para a Igreja Católica no mundo de hoje.

Traduzido de Katn.net/InfoCatólica


Faça uma pausa na leitura para assistir uma formação especial:
Como viver bem a Quaresma?