Categorias
Vaticano

Cardeal Müller faz grave alerta sobre Sínodo da Sinodalidade

Cardeal Müller diz que Sínodo do Papa Francisco é uma ‘tomada hostil da Igreja’.

O Cardeal Müller em entrevista exclusiva à Life Site News, falou abertamente sobre as forças ‘anti-humanas’ do mal em jogo na Igreja, falando diretamente sobre a atual crise na hierarquia da Santa Madre Igreja.

“Esta é uma maneira de minar a fé católica”, disse o cardeal Gerhard Müller sobre o Sínodo sobre a Sinodalidade em alguns de seus comentários mais aguçados ainda sobre a direção da Igreja sob o Papa Francisco.

O cardeal Gerhard Müller rasgou o Sínodo sobre a Sinodalidade em alguns de seus comentários mais fortes ainda sobre os rumos da Igreja Católica sob o Papa Francisco, descrevendo o processo sinodal como uma “tomada hostil” da Igreja que ameaça “acabar” com o catolicismo.

Em uma entrevista explosiva na quinta-feira no the World Over da EWTN, o ex-chefe do mais alto escritório doutrinário do Vaticano condenou ideias heterodoxas expressas pela liderança sinodal e em relatórios sinodais e bateu o foco da iniciativa na “auto-revelação” em oposição à fé católica.

O Cardeal rejeita veementemente a agenda LGBT que continua a se infiltrar na Igreja Católica, e classifica a agenda como uma ideologia que até promove a “ideia criminosa” da “castração de crianças”, o que implica diretamente “um abuso dos pequenos”.

Reitera seu lamento pelo drama que é o próprio Papa quem está promovendo e nomeando prelados abertamente aquiescentes à agenda gay para posições-chave na hierarquia.

“Cristo Bom Pastor não pode ser separado de Cristo Mestre. A pastoral não se opõe à doutrina. A verdade da fé está do lado daqueles que são fiéis a Jesus Cristo” disse ele.

Sobre a “bênção” dos casais homossexuais proposta pelos Bispos belgas, disse ele: “não passa de uma justificativa para o casamento entre pessoas do mesmo sexo”, embora ocultem esse plano por trás de “propaganda”. Mas se você remover a propaganda”, explicou o cardeal, “não passa de uma heresia contra o casamento cristão, uma heresia absoluta e um cisma”. “Roma deve falar”, ele acusou. “Agora é a hora de gritar a verdade dos telhados.”

Ao final exortou: “Nenhum bispo do Papa tem autoridade para abençoar coisas ou comportamentos que vão contra a vontade de nosso Criador e Redentor. Temos que ajudar essas pessoas na pastoral a encontrar seu caminho, mas o caminho de Jesus Cristo e não de acordo com as ideologias deste mundo”

A Entrevista

“Este é um sistema de auto-revelação e é a ocupação da Igreja Católica” e “a tomada hostil da Igreja de Jesus Cristo, que é uma coluna da Verdade Revelada”, disse o cardeal Müller ao anfitrião da EWTN Raymond Arroyo. “Isso não tem nada a ver com Jesus Cristo, com o Deus Triune, e eles acham que a doutrina é apenas como um programa de um partido político que pode mudá-lo de acordo com seus eleitores.”

O Sínodo sobre a Sinodalidade, lançado pelo Papa Francisco em 2021, é um processo de vários anos que envolve reunir opiniões de católicos leigos – e até mesmo não católicos – em todas as dioceses do mundo antes do Sínodo dos Bispos, em Roma, em outubro próximo. O Papa Francisco descreveu o objetivo do Sínodo como a criação de “uma Igreja diferente”, e altos funcionários sinodais indicaram que isso poderia levar a mudanças na doutrina e liderança da Igreja.

O relator-geral do Sínodo, cardeal Jean-Claude Hollerich, provocou indignação e acusações de heresia no início deste ano por afirmar que o ensino católico sobre o pecado dos atos homossexuais “não está mais correto” e precisa de “revisão”. Relatórios sinodais nacionais de vários países ocidentais também destacaramos apelos por mudanças doutrinárias, incluindo sobre homossexualidade e ordenação de mulheres, e o site oficial do Vaticano para o Sínodo tem repetidamente enfurecido os católicos ao promover relações homossexuais e grupos ativistas dissidentes.

Questionado se o Sínodo sobre a Sinodalidade está se configurando como “uma tentativa de destruir a Igreja”, o cardeal Müller respondeu com “sim, se eles conseguirem, mas esse será o fim da Igreja Católica”.

Ele comparou o estado do processo sinodal com a heresia do Arianismo e a “forma marxista de criar a verdade”, insistindo que os católicos “devem resistir” a ela.

“É como as velhas heresias do arianismo, quando Arius pensou de acordo com suas ideias o que Deus pode fazer e o que Deus não pode fazer”, disse o cardeal. “O intelecto humano quer decidir o que é verdade e o que está errado.”

Os líderes do Sínodo estão “sonhando com outra igreja [que] não tem nada a ver com a fé católica” e é “absolutamente contra” ela, disse o cardeal Müller. “Eles querem abusar desse processo para mudar a Igreja Católica e não apenas em outra direção, mas na destruição da Igreja Católica.”

“Ninguém pode fazer uma mudança absoluta e substituir a doutrina revelada da Igreja”, enfatizou, “mas eles têm essas ideias estranhas”, como essa “doutrina é apenas uma teoria de algum teólogo”.

Isso não é de todo o caso, o prelado alemão enfatizou:

A doutrina dos Apóstolos é uma reflexão e manifestação da Revelação da Palavra de Deus. Temos que ouvir a Palavra de Deus, mas na autoridade da Bíblia Sagrada, da Tradição Apostólica, e do Magistério, e todos os conselhos disseram antes que isso não é possível substituir a Revelação dada de uma vez por todas em Jesus Cristo por outra revelação.

Leia também
Bispos e Cardeais advertem Caminho Sinodal Alemão: Não vos conformeis com este mundo

A entrevista completa (em inglês) pode ser conferida no YouTube de The John-Henry Westen Channel. Título: Cardinal Müller defies globalist LGBT agenda in bombshell interview