Categorias
Mundo

Cardeal Burke condena projeto de Biden de impulsionar o aborto nos EUA

 

Após a contundente – e criticada – nota da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, o cardeal norte-americano Raymond Burke foi o último prelado a derrubar do púlpito o projeto do novo presidente, o ‘católico’ Joe Biden, de aprovar uma lei federal lei que consagra o ‘direito ao aborto’.

Durante uma homilia no santuário de Nossa Senhora de Guadalupe na diocese de La Crosse, Wisconsin, o cardeal norte-americano Raymond Burke condenou a tentativa do presidente Biden de codificar a sentença em nível federal. 1973 Roe vs . Wade, da Suprema Corte dos Estados Unidos, que tornou o aborto induzido um ‘direito constitucional’.

Burke chamou esta frase de “totalmente injusta” e criticou Biden por sua intenção de impor a “teoria de gênero iníqua” nas escolas.

O cardeal lembrou que o governo Biden ameaça negar a “liberdade religiosa”, que o cardeal definiu como seguindo o plano de Deus para o mundo e para o homem. Ele disse que esse plano está “inscrito na própria natureza” e “escrito no coração do homem”.

Assista o trecho da homilia:

Episcopado dos Estados Unidos: “Exortamos o presidente a rejeitar o aborto”

Em um comunicado, o presidente Biden e o vice-presidente Harris comemoraram o aniversário do Roe v. Wade – que suspendeu todas as restrições ao aborto em todo o país – chama a decisão um avanço para os direitos e saúde das mulheres e alerta sobre a intenção de protegê-la.

Os prelados católicos não se calaram e, por meio do arcebispo de Kansas City, Joseph F. Naumann, que é presidente do Comitê de Atividades Pró-Vida do Episcopado dos Estados Unidos, comentaram no mesmo dia a lamentável declaração de. Biden e Harris.

“É profundamente perturbador e trágico para qualquer presidente elogiar e se comprometer a codificar uma decisão da Suprema Corte que nega aos nascituros seus direitos humanos e civis mais básicos, o direito à vida, sob o pretexto eufemístico de um serviço de saúde”, afirma o Arcebispo americano.

“Aproveito esta oportunidade para lembrar a todos os católicos que o Catecismo diz: ‘Desde o primeiro século, a Igreja tem afirmado o mal moral de todo aborto provocado. Este ensino não mudou e permanece o mesmo. ‘ Os funcionários públicos são responsáveis ​​não apenas por suas crenças pessoais, mas também pelos efeitos de suas ações públicas ”, disse o prelado, referindo-se claramente à condição católica de Biden.

A elevação do aborto, causada pelo Roe v. Wade, na categoria de direitos protegidos, e a retirada das restrições do Estado, “abriu caminho para a morte violenta de mais de 62 milhões de crianças inocentes por nascer e de inúmeras mulheres que vivenciam a dor da perda, abandono e violência”, explica a arcebispo.

“Exortamos fortemente o presidente a rejeitar o aborto e a promover uma ajuda que afirme a vida às mulheres e comunidades carentes”, conclui ela.

Biden continua a demolir o legado de Trump: EUA vão financiar o aborto além de suas fronteiras

Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, assinou nesta quinta-feira, 28 de janeiro, um decreto executivo com o qual recuperou a política da Cidade do México, medida assinada pelo governo anterior que impedia o financiamento, com recursos federais, de organizações de aborto fora do país.

A política, que foi originalmente aprovada pelo presidente Ronald Reagan em 1984, foi promulgada por todos os governos republicanos e revogada por todos os governos democratas.

Essa política, afirmam os bispos dos Estados Unidos, “garantiu que os dólares dos contribuintes fossem destinados apenas a organizações que concordassem em fornecer serviços de saúde de uma forma que respeitasse a dignidade de todas as pessoas”.

A ordem executiva é assinada apenas um dia após a publicação de uma pesquisa que revelou que a grande maioria dos americanos se opõe a financiar o aborto no exterior com seus impostos.

De acordo com a pesquisa, a grande maioria (77%) indicou que “se opõe” ou “se opõe fortemente” ao uso de impostos para pagar procedimentos de aborto em todo o mundo. Apenas 19% dos pesquisados ​​apoiavam o financiamento público do aborto no exterior.

A pesquisa foi conduzida pela Ordem dos Cavaleiros de Colombo em conjunto com o apoio da Marist Poll, a pesquisa de opinião pública nacional operada pelo Marist Institute for Public Opinion no Marist College de Nova York.

Arcebispo de Kansas City e chefe do Comitê de Atividades Pró-Vida do Episcopado dos EUA, Dom Joseph F. Naumann; e o bispo de Rockford e chefe do Comitê Internacional de Justiça e Paz, Monsenhor David J. Malloy, rejeitou a decisão de Biden de revogar a política da Cidade do México.

“É lamentável que uma das primeiras ações oficiais do presidente Biden promova a destruição da vida humana nos países em desenvolvimento”, disseram os bispos em um comunicado publicado hoje.

“Esta ordem executiva é antiética por uma razão, viola a dignidade humana e é incompatível com o ensino católico. Nós e nossos irmãos bispos nos opomos firmemente a esta ação ”.

Os prelados também instaram “o presidente a usar seu cargo para o bem, priorizando os mais vulneráveis, incluindo os nascituros”.

“Como o maior provedor de saúde não governamental do mundo, a Igreja Católica está pronta para trabalhar com ele e sua administração para promover a saúde global das mulheres de uma forma que contribua para o desenvolvimento humano integral, salvaguardando os direitos humanos inerentes e a dignidade de todas as pessoas. vida, começando no útero ”.

Os bispos finalmente asseguraram que “para servir nossos irmãos e irmãs com respeito é necessário que este cuidado comece assegurando que os nascituros estejam livres da violência, reconhecendo cada pessoa como filho de Deus”.

“Esperamos que a nova administração trabalhe conosco para responder a essas necessidades importantes”, concluíram.

Traduzido de Infocatólica | Com informações de Aciprensa


Faça uma pausa na leitura para assistir uma formação especial:
Como viver bem a Quaresma?