Categorias
Liturgia

Burke alerta para o perigo de perder o sentido do sagrado durante a pandemia

O cardeal Raymond Burke alertou que irregularidades na celebração dos sacramentos durante o confinamento da pandemia, que também estão sendo repetidas quando os templos são reabertos, podem fazer com que os fiéis percam o senso do sagrado.

(LSN / Infocatólica) “O sagrado é o próprio Cristo em nosso meio para nos santificar”, disse o cardeal em entrevista a Thomas McKenna, da Ação Católica pela Fé e pela Família.

Por meio dos sacramentos, Cristo age “para perdoar nossos pecados, fortalecer-nos com o dom de seu corpo e sangue na Santa Eucaristia, fortalecer-nos em doenças graves”, disse Burke.

“Mas temos que entender que é Cristo quem age. Não é algo que inventamos. Em outras palavras, não podemos manipular o sagrado para adaptá-lo às nossas circunstâncias »

Um exemplo é a missa “virtual” da Primeira Comunhão, organizada por um pároco da Irlanda, que “deu as Sagradas Anfitriões aos pais” para levar para casa e dar ao filho enquanto assistiam a missa ao vivo. ” Isso está muito errado. Essas crianças perdem todo o sentido do fato de que a Santa Comunhão vem do sacrifício em que participam, unidas a Cristo “, afirmou o cardeal.

Outro exemplo é o de padres na Itália que devem “dar a Santa Comunhão com luvas de plástico e uma máscara”

O cardeal também se referiu à proposta dos bispos italianos de que os padres pudessem deixar hóstias consagradas em sacos plásticos para católicos, uma prática que La Nuova Bussola Quotidiana relatou em maio que já havia sido adotada em algumas partes da Alemanha.

“Não podemos colocar a Sagrada Comunhão, a Hóstia Consagrada, em um saco plástico ou em uma caixa que as pessoas levam para casa com elas. Essas são distorções do sinal sacramental. E eles simplesmente não podem ser permitidos “, disse o cardeal.

Burke também criticou uma proposta temporária de um bispo americano para que os enfermeiros administrem o óleo da unção em pacientes com coronavírus, impedindo assim que os padres se exponham à doença.

A Igreja sempre entendeu que apenas um sacerdote pode administrar a extrema unção “porque é Cristo quem vem ao enfermo, e ora sobre ele, e a unção do enfermo pode dar-lhe força em sua doença”, explicou o cardeal.

“Sempre oramos por cura física, mas ao mesmo tempo oramos para que essa força espiritual abraça qualquer doença que a pessoa tenha e a una ao sofrimento de Cristo. E sugerir que isso poderia ser feito por alguém que não seja um padre é uma perda evidente de fé no próprio sacramento“, alertou.

Burke disse que teme que o cancelamento de massas públicas tenha causado uma erosão da crença dos católicos na centralidade da Eucaristia e sua obrigação de comparecer às missas no domingo.

Ele alegou ter aprendido que “mesmo pessoas boas disseram que de uma maneira preferiam participar da missa em casa, no conforto de sua casa, com televisão. Mas isso não está participando da Santa Missa. É uma coisa santa ver a missa e se surpreender com ela, mas não é participação. Cristo não está presente na tela da televisão. E ele não está em sua casa dessa maneira».

Por fim, ele garantiu que os católicos que sabem o que é a missa retornarão “para cumprir com todo o coração a obrigação de participar da missa no domingo. Mas para aqueles que não são tão catequizados, tenho muito medo de que a maneira fácil como as igrejas foram fechadas e pela qual os bispos tenham dito que isentavam as pessoas da obrigação da missa dominical por um longo período de tempo, dê às pessoas a impressão de que a missa dominical é apenas mais uma prática na igreja, que o bispo pode dispensar.

Um bispo não pode realmente ‘dispensar’ os fiéis da obrigação da missa dominical.

Burke também corrigiu a noção de que um bispo não pode realmente “dispensar” os fiéis da obrigação da missa dominical, porque “a missa dominical é uma resposta ao Terceiro Mandamento”, que não pode ser dispensada. “Esta é a lei divina!”.